Havana: o que ver e fazer, quanto tempo ficar e onde ficar

6 maio 2016

A capital de Cuba é um lugar repleto de História e tradição em eventos culturais. Ao pisar em Havana, imediatamente parece que fizemos uma passagem no tempo: Carros antigos e edificações (tanto as más conservadas como as já restauradas) nos fazem imaginar a elegância e o charme da Havana de décadas atrás e nos dá a sensação de estar caminhando em um museu a céu aberto.

O que ver e fazer em Havana

Habana Vieja

É o Centro Histórico da cidade,declarado patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Os edifícios, palacetes, praças, igrejas e monumentos tem importância histórica e mostram diferentes estilos arquitetônicos. O melhor maneira de conhecer Habana Vieja é a pé.

Mapa Habana Vieja
Fonte: Habanavieja.com

Destaco:

  • Plaza de Armas
  • Plaza San Francisco
  • Plaza de la Catedral
  • Plaza Vieja
  • Calle Obispo: A rua mais famosa de Habana Vieja.
  • Calle O’Reilly
  • Paseo del Prado: Oficialmente Paseo Martí,
  • Museu de la Revolución
  • Malecón

Vedado

  • Plaza de La Revolución
  • Sorveteria Copellia
  • Hotel Nacional
  • Hotel Habana Libre

Quanto tempo ficar em Havana

Eu acho que quatro dias inteiros é bom período para conhecer a maioria das atrações em Havana sem correria. Dois dias para Habana Vieja, um dia para as atrações do bairro Vedado e mais um dia para as atrações mais distantes.

Onde ficar hospedado em Havana

É um consenso geral:  as melhores opções são os bairros de Habana Vieja, Centro Habana ou Vedado. Eu fiquei em Centro Habana, a duas quadras do Hotel Inglaterra. Achei a localização ótima (veja a imagem na parte do relato que eu falo dos endereços em Cuba, no post anterior).

Indicação de casa particular
Agustina Pérez
Calle Indústria, 305 apt 402 entre Neptuno y San Miguel.
E-mail: agustinarentahabana@gmail.com
Telefones: (53) 7864-6580 (fixo) e (53) 5281-4326 (celular).
Preços: café da manhã 5 CUC, diária 25 CUC

Dona Agustina é um amor! Eu fiquei em um quarto com cama de casal. O quarto tem ar condicionado e ventilador. A casa é silenciosa (isso é importante para mim). O café da manhã para mim também foi ótimo. Hospedei-me lá por indicação de um colega de trabalho. Quando voltar em Cuba, ficarei por lá. Reserve com antecedência e confirme se você ficará hospedado lá ou na casa da vizinha (os cubanos tem essa prática).

Indicação de casa particular
Marilín González
Calle Industria, 308 entre Neptuno y San Miguel
E-mail: marilinrun2@nauta.cu ou marilinrun2@nautacom.cu
Telefones: (53) 7860-0591 (fixo) e (53) 5283-0902 (celular)

Na chegada a Havana, acabei ficando na casa particular da amiga da dona Agustina, na casa da Marilín. Também muito amável. Igualmente fiquei em um quarto com cama de casal e banheiro privado. Ela e a Deisli, que ajuda na arrumação dos quartos, são boas de papo e eu aproveitei e aprendi muita coisa sobre o dia-a-dia dos cubanos. Só tem um problema: se você gosta de dormir até tarde e tem sono leve, você pode ser acordado por um despertador que não pára de tocar ou ser acordado pela dona Marilín chamando a filha para ir para escola. Eu tenho sono leve mas acordo cedo e isso não me incomodou.

Indicação de casas particulares por outros turistas

Não querendo dar uma de Silvio Santos em décadas passadas, eu deixarei uma indicação de casa particular muito elogiada por um casal de argentinos que conheci em Trinidad.  Segundo eles, as três vezes que estiveram em Havana, ficaram nesta casa. Disseram que a dona da casa, a Maritza, é descolada, que ajuda aos hóspedes a conseguirem fechar passeios e táxi compartilhados (o chamado jogo de cintura). A casa localiza-se próximo ao hotel Habana Libre.

Quero deixar bem claro que não fiquei na casa. A minha sugestão é que você verifique as opiniões de outros hóspedes pela internet afora (por exemplo, Trip Advisor).

Maritza y Manolo
Calle San Miguel, 959 entre Espada y San Francisco – Centro Habana

Explicando sobre o Silvio Santos: Havia uma sessão de filmes logo após seu8i7 programa e ele pedia que seu público assistisse ao filme porque este era muito bom. Ele ressaltava que ele mesmo não tinha visto mas a filha sim e disse-lhe que era ótimo!



Categorias: América Central Cuba

Cuba, na prática

1 abril 2016

Planejando uma viagem a Cuba

Há alguns meses, a Copa Airlines estava com uma promoção de passagens a Cuba. Como eu não tinha ainda um destino escolhido de férias, eu não pensei duas vezes e comprei por R$ 1.800 saindo do Rio. Resolvi ficar por duas semanas viajando pela ilha.

Cuba nunca esteve nas minhas prioridades mas com o estreitamento das relações com os EUA, eu senti uma urgência em conhecer um pouco do país antes que abrisse um Mac Donald’s ou um Starbucks em Havana (depois de ter lido o livro “A ilha”, achei tolice minha ter pensado deste modo).

Acho que o que eu sei de Cuba é o que a maioria das pessoas sabem um pouco: Revolução, Fidel Castro, Che Guevara, bloqueio econômico, carros antigos, La Bodeguita, etc. Eu precisava saber mais sobre a história do país. Um amigo emprestou-me dois livros:

(1)Moraes, Fernando; A Ilha, Companhia das Letras.
(2) Furiati, Claudia; Fidel Castro, uma biografia consentida. Editora Revan.

O usuário Pedrada do Fórum Mochileiros.com sugeriu-me algumas leituras. De tudo o que me foi recomendado, confesso apenas ter lido (e adorado) o livro “A Ilha”. Agradeço a todos a ajuda.

Eu posso dizer que já tenho uma certa experiência em planejamento de viagens por conta própria. Algumas vezes, eu já arrisquei ir a um país só sabendo do basicão. Por conta de emendar uma viagem após outra, acabei deixando para planejar minha viagem para Cuba em cima da hora, algo como “viajar-e-ver-no-que-dá”. Agora que eu já voltei de viagem, se tivesse que dar uma única dica seria: planeje bem sua viagem a Cuba, informe-se bastante. Por quê? Não é fácil obter informações sobre o país pela internet estando lá, já que a internet em Cuba é lenta e cara. Além disso, não viajei nem com um bom guia de viagem. Apenas li relatos de viagem, procurei alguns blogs e sites interessantes sobre viagem a Cuba e salvei-os no celular (Aplicativo Evernote).

Não dá para visitar Cuba como se fosse um simples destino turístico. Mesmo que queira se afastar do assunto política, está lá nas ruas, no dia-a-dia dos cubanos e no modo como viajamos no país. É uma verdadeira incursão social, para quem quiser.

Deixa eu explicar como foi a minha viagem: eu viajei sozinha e tive poucos dias no país (10 dias. Deveriam ser quinze mas tive que antecipar a minha volta). Não viajei no estilo mochileiro mas foi o mais econômico possível. Durante o período em que estive em Havana, houve dois eventos importantes: a visita do presidente dos EUA, Barack Obama e o show dos Rolling Stones.

Mesmo com tudo isso, acho que o fato mais curioso que aconteceu durante a viagem e eu até esperava mas aconteceu de forma muito mais frequente foi que por eu ser negra, todos, turistas e cubanos, ao me ver achavam que eu era uma cubana legítima e isso me rendeu vários causos.

Então, escreverei o relato e sobre o que eu aprendi do modus operandi de viajar em Cuba: Cuba, na prática.

Documentos obrigatórios

Passaporte, visto e seguro-saúde.

O visto é conhecido como tarjeta de turismo e em março de 2016 custa 20 dólares. Quem mora em Brasília, pode solicitar o visto à Embaixada. O visto também pode ser solicitado nos Consulados em São Paulo e Salvador. O valor da taxa é de R$ 65. Para aqueles que não moram nas proximidades destas cidades, o mais prático é comprar a tarjeta de turismo no balcão da companhia aérea. Eu viajei de Copa Airlines e comprei o visto na Cidade do Panamá, no balcão ao lado do portão de embarque do voo para Havana. Processo rápido e tranquilo. A tarjeta de turismo pode estar disponível no balcão da Copa nos aeroportos brasileiros. O custo é de 80 reais. Só não comprei no aeroporto do Galeão porque já havia acabado. Então, se você for viajar com a Copa e não conseguir comprar o visto no Brasil, não se preocupe pois no aeroporto do Panamá você conseguirá fazê-lo. Reserve dólares trocados, evitando o transtorno da perda de tempo caso eles não tenham o troco na hora.

Para saber mais informações de como tirar o visto na embaixada ou consulados aqui no Brasil, visite a página da Embaixada cubana. Clique em Missión e escolha qual a representação diplomática (Embaixada, Consulado em São Paulo, Consulado em Salvador, etc.)

Embaixada brasileira em Havana
Como estamos falando de embaixada, anote aí o endereço da embaixada brasileira em Havana:
Centro de Negócios Miramar
Avenida 3ª entre 76 e 78. Edifício Beijing, Sala 206. Bairro Miramar. Havana, Cuba
Tel: (537) 214-4713 ao 4716. Fax: (537) 214-4719

Moeda

Em Cuba, há duas moedas: o peso (CUP), conhecido também como moneda nacional e o peso convertible (CUC), usado pelos turistas. 1 CUC equivale a 1 dólar, aproximadamente.

Peso Convertible (CUC)
Pesos convertibles

Qual moeda levar?

Por enquanto, o euro. Na prática, o dólar é sobretaxado em 10% e por isso, vale menos de 1 CUC. Pesquise o câmbio de hoje no site do Banco Central de Cuba.

Cambio CUC

A tabela de câmbio é sempre em relação ao CUC.

Entendendo a tabela:

1 – Para comprar pesos convertibles (CUC)

  • Para aqueles que tem euros ou libras, moedas com cotação maior que o CUC:

1 EUR = 1,10178 CUC

1 GPB = 1,39155 CUC

  • Para quem tem outras moedas, com cotação menor que o CUC, como por exemplo o dólar canadense ou o dólar americano:

1,33265 CAD = 1 CUC. Assim, 1 CAD = 1/1,33265 = 0,75038 CUC

1,03360 USD = 1 CUC. Assim, 1 USD = 1/1,03360 = 0,96749 CUC

2 – Para  vender pesos convertibles (CUC):

  • Para aqueles que tem euros ou libras, moedas com cotação maior que o CUC:

1 EUR = 1,17592 CUC

1 GPB = 1,48526 CUC

  • Para as outras moedas, com cotação menor que o CUC, como por exemplo o dólar canadense ou o dólar americano:

1,24846 CAD = 1 CUC. Assim, 1 CAD = 1/1,24846 = 0,80098 CUC

0,96852 USD = 1 CUC.  Assim, 1 USD = 1/0,96852 = 1,03250 CUC

Os termos compra e venda na tabela são sempre em relação a casa de câmbio (CADECA). Exemplos: (a) Operação de compra: A CADECA compra 1 euro a 1,10178 CUC e 1 dólar canadense a 0,75038 CUC. (b) Operação de venda:  a CADECA vende 1 euro a 1,17592 CUC  ou 1 CAD a  0,80098 CUC.

Observação: Eu fiz uma confusão danada com esta tabela de câmbio. Coisa complicada! Para tirar qualquer dúvida, tenha em mente isso: “a relação casa de câmbio-cliente sempre será desvantajosa para o cliente. Então, se você olhar para tabela e achar que está lucrando, com certeza você está entendendo errado a tabela!” (frase sábia de um amigo) ::putz::

Tabela de Câmbio - CADECA

Comprando pesos convertibles (CUC): onde trocar meu dinheiro em Cuba?

Na área externa ao aeroporto de Havana, há uma CADECA (casa de câmbio). Troque uma quantia pra lá. Algumas pessoas recomendam só trocar o suficiente pois com o cansaço da viagem não se confere corretamente a quantia recebida em CUC (há relatos em que pessoas reclamam de terem recebido propositalmente dinheiro a menos). Eu troquei 200 euros (o suficiente para pagar a diária em Havana e o táxi do aeroporto) e o restante troquei em Havana Vieja, nas CADECAS na calle Obispo e na Plaza San Francisco. Não foi necessário trocar dinheiro nas cidades do interior do país.

Eu posso comprar pesos – CUP (moneda nacional)?

Sim, pode. Eu troquei 5 CUC por pesos em uma CADECA em Habana Vieja tranquilamente. Usei os pesos para comprar comida e comprar a tarjeta propria (cartão telefônico para chamadas em Cuba). Há lugares que aceitam CUP e CUC. Falo mais sobre isso depois.

Atenção: para trocar dinheiro é necessário ter o passaporte em mãos!

No aeroporto de Havana

Observe que as filas para verificação de passaporte à direita são exclusivas para passageiros de cruzeiros. Você será fotografado e seu passaporte será carimbado (antes só carimbavam a tarjeta de turismo). Sua tarjeta de turismo também será carimbada e nem é preciso dizer que para sair do país você tem que devolvê-la, né? Então, tenha cuidado.

Após a verificação do passaporte, sua bagagem de mão passa por um raio X e o formulário que você recebeu no avião, deve ser entregue ao próximo funcionário que te perguntará se está hospedado em casa particular ou em hotel. Depois, a espera de sua bagagem na esteira. Algumas pessoas esperam por 3 horas. Eu tive sorte e todo o processo – desde a Imigração até pegar a bagagem – durou menos de 1 hora.

Do aeroporto a Centro Habana ou Habana Vieja

O táxi oficial (táxis amarelos, carros bem mais novos) estava cobrando 30 CUC na semana em que o presidente Obama e os Rolling Stones estavam em Havana. O preço normal é 25 CUC.  Já na volta para o aeroporto, ainda se consegue pagar 20 CUC mas o preço padrão é 25 CUC.

Táxi oficial

Os táxis oficiais: os amarelinhos

Segurança

A sensação de segurança em Cuba é impressionante. É um país muito seguro. Turistas andando com suas câmeras fotográficas caríssimas pelas ruas sem preocupação.  Andar em ruas mal iluminadas e se sentir seguro.  Consegue imaginar isso em uma grande cidade brasileira? Os cubanos são privilegiados.

Os cubanos

São simpáticos, amáveis e gostam de uma boa conversa.  Quando descobriram que eu era brasileira, queriam saber mais coisas do país.  A impressão que eu tive é que são muito cultos. Aquele nível de cultura invejável. Sabe aquela coisa que quando você fala do Brasil para um estrangeiro, ele começa a falar nome de jogador de futebol? Pois é! Isto não aconteceu em Cuba. Quando eu falava que era brasileira, eles lembravam da zika, do Lula, de Chico Buarque, de Elis Regina, das novelas brasileiras e do samba.

Se estiver viajando sozinha, prepare-se para as cantadas. Buzinas de carros e o som dar um beijo estalado. Esta é a cantada mais comum.

Se estiver estampado em seu rosto que você é turista, prepare-se para abordagem às vezes agressiva: são pedidos para andar de bici-táxi, compra de charutos mais baratos, pedidos para você pagar um mojito, oferta de serviços sexuais ou o golpe de que a filhinha está precisando de leite e você com pena entra na loja pra comprar o leite mais caro que já comprou na sua vida. Sem falar em outros golpes. Cuidados. Estes cubanos que praticam estas malandragens são conhecidos como jineteros.

Sobre o golpe do leite ou qualquer outra desculpa de criança passar necessidade: não acredite nisso. Ninguém em Cuba passa fome. Não existem mendigos em Cuba. Na casa particular em Havana, uma cubana me disse que se a polícia pegar em flagrante estas pessoas que pedem leite para estrangeiros, elas perdem o direito a libreta, dentre outras coisas.

As novelas brasileiras

Você já sabe, os cubanos assistem as novelas brasileiras. A novela que está passando no momento é Império, cujo personagem principal é o Comendador (ator: Alexandre Nero).  Algumas senhoras podem falar sobre a novela Esclava Blanca mas esta aí não é brasileira, tá? (Sim, eu assisti a novela junta com a dona da casa particular em Trinidad :) )

Usando a internet em Cuba

A internet em Cuba não é “aberta” de imediato. Para acessá-la, é necessário um número de usuário e senha já cadastrados.  Na prática, basta comprar um cartão de acesso temporário da ETECSA, a estatal cubana de telecomunicações. Ao custo de 2 CUC  ou 10 CUC,  você pode usar a internet por, respectivamente, 1 hora ou 5 horas. O cartão é válido por 30 dias contados a partir do primeira conexão. Para saber qual é o seu número de usuário e a senha, basta raspar no local indicado no verso do cartão.

ETECSA
Tarjeta de internet da ETECSA

Onde acessar?

Nos hotéis, usando os computadores disponíveis (exatamente como em um cyber café) ou usando o wi-fi em seu celular mas tenham em mente que o wi-fi só funcionará nas zonas liberadas pelo Governo. Exemplo: nas proximidades de hotéis (exemplo: Hotel Inglaterra, em Centro Habana; Hotel Flórida e Hotel Ambos Mundos; em Habana Vieja) e outros lugares bem conhecidos como La Rampa, em Vedado. Lembrando que estrangeiros podem entrar nos hotéis e ficar no saguão utilizam o wi-fi em seus celulares/laptops mas nem todos os hotéis permitem que não-hóspedes usem os computadores.

A velocidade não é das mais rápidas e como vocês já perceberam é a peso de ouro. O meu conselho é: desapegue!

Onde comprar o cartão da ETECSA

A dona da casa particular em Havana havia me dito que eu conseguiria comprar no hotel Inglaterra. Na prática, como eu estive em Havana em um período onde muita coisa estava fechada ou não era permitida por questões de segurança, o único lugar onde tenho certeza que se pode comprar o cartão é na ETECSA da calle Obispo.

Atenção: para comprar a tarjeta de internet é necessário ter o passaporte em mãos!

As filas em Havana: uma peculiaridade

Se tiver que ir à ETECSA da calle Obispo  para comprar a tarjeta de internet, você provavelmente verá uma duas pequenas muvucas em cada porta. Uma porta é para aqueles que querem acessar a internet e a outra é para todas as demais coisas, inclusive comprar a tarjeta. A aparentemente muvuca na verdade é uma “fila”. Certifique-se que está na correta e pergunte quem é o último (¿Lo último?). Só isso basta. A pessoa que chegará depois, fará o mesmo e você se manifestará,  dizendo que é o último. Assim por diante. Eu fiquei maravilhada com isto. Que coisa tão altamente civilizada! Funciona muito bem! Não precisa ninguém ficar um atrás do outro. Basta saber quem está na sua frente e pronto. Depois, aprendi que é conveniente também saber quem é o penúltimo, para aqueles casos da pessoa que está na sua frente desistir e você ficar perdido.

Chamadas telefônicas em Cuba

Para fazer ligações telefônicas somente em Cuba (exemplo: telefonar para casas particulares em outras cidades), compre na ETECSA um cartão telefônico chamado de tarjeta propria (custo: 7,5 CUP ou 10 CUP).  Para usar, o esquema é um pouco parecido com a tarjeta de internet: (a) procure um telefone público; (b) Raspe o local indicado para saber seu número de usuário; (c) Ligue 166 para ouvir as instruções. Depois, digite o número de telefone desejado (Atenção: não use o código 53. Digite 0 + número de telefone desejado).

 Atenção: para comprar a tarjeta propria é necessário ter o passaporte em mãos!

Hospedagem em Cuba

Há duas opções: hotéis e casas particulares.

Como reservar hotéis em Cuba

Você pode pesquisar no Trip Advisor a opinião de pessoas que já se hospedaram nos lugares mas lembre-se que estamos em um país que sofre com as consequências de um embargo econônico. A sua pesquisa de diária dos hotéis não funcionará no Trip Advisor. Os hotéis em Cuba não estarão no Booking.  Você pode efetuar a reserva no site do próprio hotel.

Casas particulares: uma hospedagem tipicamente cubana

As casas particulares são as casas dos moradores que foram autorizados pelo Governo a disponibilizar seus quartos para os turistas.  É o modo mais popular de hospedagem em Cuba e uma oportunidade do visitante estão mais em contato com o estilo de vida dos cubanos. Obviamente, são mais baratos que hotéis mas não se engane: é tudo bem organizado.  Em média, um quarto para duas pessoas em uma casa particular custa em média 25 CUC  mas a diária depende da cidade e se está em período de baixa ou alta temporada (referência: março/2016).

Arrendador de divisa
Toda casa particular licenciada pelo Governo tem esta plaquinha na fachada

Como pesquisar qual a melhor casa particular para mim?

Você pode ler as resenhas no Trip Advisor e agendar a casa em sites agregadores como por exemplo, o Cuba Junky e My Casa Particular ou entrar em contato por e-mail diretamente com os donos.  Se você pretende se hospedar em mais cidades, não é necessário reservar todas as casas. Basta reservar a primeira e o dono desta casa te ajudará a reservar a próxima e assim por diante. Sempre um proprietário conhece alguém que aluga quartos em outra cidade. Isso é prático! Aconteceu comigo.  Entretanto, tenho que dizer que você corre o risco de ficar longe de onde você quer. Então, se pretendo ficar melhor localizado, reserve com antecedência.

O que eu acho importante confirmar antes:

  • Se tem ar condicionado – isso é muito importante. O calor é forte;
  • Se o banheiro é privado ou compartilhado;
  • Se será necessário subir escadas – importante para quem tem dificuldades de locomoção.
  • Se a água do chuveiro é quente (com o calor, isto fica desnecessário mas se pra você é importante, pergunte. Eu peguei um friozinho em Havana inesperado e agradeci ter a água quente no chuveiro).

O café da manhã em geral não está incluso na diária (eu conheci um casal de Gran Cayman que estava pagando 30 CUC em uma casa particular em Vedado e eles disseram que estava incluso o café e pagariam isto tomando ou não o café). Em média, o café da manhã custa 5 CUC. Algumas casas cobram 3 CUC.

A dona da casa particular de Cienfuegos reservou para mim a casa em Trinidad, por indicação da senhora de Havana. Como não tinha vaga, fiquei na vizinha. Só que a vizinha estava me cobrando 30 CUC por um quarto com banheiro privado e com ventilador. Sendo que Trinidad estava um caldeirão de tanto calor que fazia na cidade! A desculpa é que em Trinidad as diárias são mais altas. Não é verdade, havia casas cobrando o valor padrão de 25 CUC, com ar condicionado e banheiro privado. Portanto, cheque estas informações antes.

Sempre é bom levar seus produtos de higiene (sabonete, xampu e condicionador) pois não é garantido que tenha nas casas, já que estes produtos não são abundantes no país.  Em alguns relatos também falavam para levar na mala papel higiênico. Porém em todas as casas em que eu estive, havia papel higiênico mas não custa nada seguir a recomendação.

O que tem no café da manhã de uma casa particular?

Muita coisa! Em todas as casas que eu estive, o café-da-manhã sempre foi muito bem servido. Eu tinha disponível frutas (goiaba, banana, mamão, abacaxi – não todas estas mas ao menos 3 destas), pão, manteiga, café (adorei o café cubano!), uma jarra de suco, leite e omelete. Quando o proprietário perguntar como você quer os ovos, ele perguntará ¿tortilla ou huevos revueltos? Tortilla é o ovo batido em forma do que conhecemos como omelete – mas isso não significa que terá recheio. Huevos revueltos significa ovos mexidos. Em algumas casas me ofereceram chá e tomates.

Meu café da manhã em Cienfuegos

Jantar nas casas particulares

Em algumas casas também servem jantar. A média do custo do jantar é 8 CUC. Se quiser jantar na casa, pergunte se é necessário reservar um dia antes. Eu, por exemplo, jantei na casa na minha primeira noite em Havana e nas duas noites em que eu estive em Cienfuegos.

Entendendo os endereços em Cuba

Não basta apenas o nome e o número da rua, é preciso dizer também a esquina ou as ruas que compõem quarteirão/quadra. Exemplos:
Hotel Inglaterra – Avenida Paseo del Prado, 416 entre San Rafael y San Miguel
Casa Particular Agustina Pérez – Calle Industria, 305 apt 402 entre Neptuno y San Miguel

Endereços em Havana

Na prática:
Ave Paseo del del Prado #416 e/ San Rafael y San Miguel
C/ Industria #305 apt 402 e/ Neptuno y San Miguel

 

EM TEMPO: Estou viajando no momento. Se quiser saber mais detalhes da viagem, eu publiquei um relato (longo) no Mochileiros.com. Talvez ajude a quem estiver prestes a ir para Cuba. Clique aqui para ler o relato.

 



Categorias: América Central Cuba

Expectativas de uma viagem para Cuba

20 março 2016

Lembram que eu disse que no início do ano não havia nenhuma viagem planejada? Pois é, bastaram passar alguns dias de janeiro e surgir uma promoção da Copa Airlines para Cuba, que eu não pensei duas vezes: comprei as passagens \0/

Em junho de 2015, eu havia comprado as passagens para Havana a um preço imperdível: pouco mais de mil reais para o mês de novembro. Por razões que a natureza desconhece, o sistema da Copa Airlines não aceitou o pagamento por cartão de crédito e eu acabei escolhendo pagar por boleto bancário. Viajei para o Jalapão no dia seguinte e fiquei sem comunicação (ainda mais quando se é assinante da Oi). Dias depois, um amigo me perguntou sobre quanto eu paguei de passagem para lá e descobri que a mesma não havia sido faturada. Imagine a minha frustação :-(

O país não era prioridade na minha lista de lugares para conhecer mas com a aproximação com os EUA, tudo mudou. Passei a querer ir para lá urgentemente antes que abrisse uma filial do Mac Donald’s e um Starbucks em frente ao Capitólio.

Este cantinho aqui é um blog de viagens. Nos dias de hoje, muita gente “que estudou pelos posts do Facebook e de outras redes sociais” gosta de repetir a frase clichê  “Vá para Cuba!” como forma de falar sobre exclusão. O país é sinônimo de atraso para alguns.  Não me considero uma pessoa politizada mas confesso ser uma simpatizante pero no mucho da Revolução Cubana e do regime socialista. As minhas ressalvas são muitas como por exemplo, o país ainda ter um único partido, ou seja, não existe democracia.  Eu já estou mergulhada no capitalismo e não consigo me imaginar compartilhando as coisas que eu tenho/conquistei com o Estado em prol de todos (sentimento egoísta mas totalmente humano).  De tudo que li sobre o tema até hoje, vejo que a revolução teve os seus méritos. A população ganha pouco? Sim, ganha. Porém, li que todos tem acesso à educação e à saúde gratuitos. A taxa de mortalidade infantil é baixíssima. Igualmente a taxa de analfabetismo. Um modelo de saúde reconhecido mundialmente por sua qualidade e motivo de orgulho nacional. Não há mendigos nem ninguém passando fome. As pessoas tem suas moradias.  Eu ainda não ouvi falar de nenhum país capitalista desenvolvido que pode orgulhar-se de tudo isso.  Portanto, reflita bem quem é o  país “atrasado e exclusivista”. Provavelmente, alguém ao ler isso falará: “Tem um monte de coisas caindo aos pedaços!”. Sim, mas aí tem o dedo do embargo econômico americano. Com o término da União Soviética na década de 90, o  país passou por maus bocados e foi forçado a abrir as portas para a entrada de capital estrangeiro.

E é este país único, com um misto de socialismo e capitalismo, que foi escolhido como meu primeiro destino de férias.

Informações práticas

Documentação exigida: passaporte, visto e seguro saúde. Você pode tirar o visto com antecedência em Brasília ou no Consulado em São Paulo. Para as pessoas que não moram nestas cidades, há a opção mais prática é solicitar o visto (que o Governo cubano chama de tarjeta de turismo) no balcão da companhia aérea.  O custo é de 20 dólares (referência: março/2016). Por exemplo, se sua companhia aérea for a Copa Airlines  você pode pagar o visto em São Paulo, no Rio de Janeiro ou ainda na Cidade do Panamá.

Moeda: Em Cuba há duas moedas: o peso cubano (CUP) conhecido como moneda nacional e usado pela população e o peso convertible (CUC), usado pelos turistas. Atualmente, um peso convertible custa 24 pesos cubanos ou 1 dólar.

Qual moeda levar? Euros. Dólar não vale a pena porque ainda há uma sobretaxação de 10%, que está com os dias contados. A cotação das moedas em Cuba, você pode acompanhar pelo site do Banco Central cubano.

Quanto dinheiro levar? Qual é o meu orçamento?  Estou levando 1.000 euros e acho que será o suficiente para meu estilo de viagem. Na carteira, estarão os cartões de créditos mas não conto com os mesmos funcionando. Apesar de ter lido que alguns hotéis aceitam, o embargo econômico ainda existe e é bom contar com o dinheiro vivo. Como incluí Cayo Largo no roteiro em cima da hora, talvez compre mais 300 euros, pois é o valor aproximado dos pacotes oferecidos pelas agências de turismo do governo Cubatur e Cubanacan para conhecer a ilhota.

Hospedagem: A minha viagem é  econômica. Não ficarei em hotéis mas sim em casa de moradores, conhecidas popularmente como casas particulares. São casas de cubanos que obtiveram autorização do Governo para oferecerem seus quartos como hospedagem ao turista. Atualmente, paga-se em média de 25 CUC em um quarto para duas pessoas em Havana. Hotéis são mais caros, por motivos óbvios. Convém lembrar que um hotel 4 estrelas em Cuba provavelmente terá qualidade inferior a um hotel de mesma classificação em outros países.

Em Havana, ficarei por indicação de um amigo do trabalho, na casa de Agustina Perez, em Centro Habana (reservado via e-mail). Nas outras cidades, estou levando uma lista com alguns nomes bem cotados no Trip Advisor. Há resenhas sobre as casas mas não há fazer cotação de diárias nem reservá-las via Booking. Em geral, li que não é necessário reservar tudo. Basta reservar a primeira e o dono de cada casa te ajuda a reservar a próxima.

Mapas: Infotur

Internet e telefones: Cartões telefônicos da ETCESA podem ser comprados nos hotéis, assim como os que dão acesso a internet. Já li que a velocidade é pior do que a discada. Bom, eu aproveitarei o momento e farei uma detox.

Sites interessantes: Em português, gostei do site  Guia Caseiro de Cuba e do blog Outras Terras. Em inglês: Cuba Junky

Circulando entre as cidades: Turistas usam os ônibus da Via Azul para circular entre as cidades mas eu estou disposta a também usar outros como o táxi compartilhado, o almendrón, a guagua e tudo o mais.

Fuso horário: GMT-5, ou seja, duas horas a menos que Brasília ou uma hora a menos, se estiver em horário de verão. Em 2016, o horário de verão começou dia 13 de março. Quer saber qual é a hora agora em Havana? Clique aqui.

Em tempo: estarei em Havana justamente nos dias da visita do presidente americano Barack Obama e do show do Rolling Stones. Espero que seja um sinal de sorte  e que seja uma viagem incrível :-)

 



Categorias: América Central Cuba

Retrospectiva 2015

28 dezembro 2015

Mais um ano termina e especificamente este de 2015 eu acho que pisei no freio porque precisei dar atenção a minha saúde. Recuperei-me e de cara foram 3 viagens em meses sucessivos. Priorizei os destinos de natureza como eu queria e não me arrependi.

Janeiro: Serra Gaúcha

Nos primeiros dias do ano, para fugir do calor do Rio, fui com amigas para a Serra Gaúcha. Para fugir dos altos preços de hospedagem de Gramado e Canela, iniciamos a viagem na agradável Bento Gonçalves. Temos ótimas lembranças como a hora da amamentação das ovelhas na Casa das Ovelhas, do tour guiado na Casa Valduga e do piquenique no final de tarde na vinícola Laurentis. Quatro dias depois, seguimos para Gramado e Canela, para assistir aos shows do Natal Luz.

Catedral de Pedra de Canela, Parque Caracol.

Maio: Cancún e Playa del Carmen – México

Cancún é o lugar mais conhecido porém a minha preferência é por Playa del Carmen.  Eu achei Cancún americanizada demais com aquele monte de resortões  encobrindo a praia. Fiquei uns 3 dias lá e achei o suficiente. A maioria das atrações são mais próximas de Playa, que tem um ar mais despojado que sua famosa vizinha. A rua principal, a Quinta Avenida, é a rua onde tudo e todos acabam se encontrando. Não aproveitei as praias tanto quanto eu gostaria – o sargaço dava o ar de sua graça na região – mas usei e abusei dos cenotes, algo que só tem lá e cuja temperatura da água estava excelente para aliviar o calor do mês de maio.

É um destino para ir em casal, com amigos, com a família e sozinho (por que não? ) Há tanta coisa legal para se fazer lá que eu não tenho como mencionar o que eu mais gostei. Os destaques da viagem foram para o snorkel em Cozumel, o tour batcave no Cenote Dos Ojos,  Chichén Itza e uma tarde na paradisíaca Playa Norte, em Isla Mujeres.

Cenote Ilk Buk

Parque Garrafón

Junho: Lençóis Maranhenses

Durante os festejos juninos, revisitei os Lençóis Maranhenses. Conheci um pouco do Bumba Meu Boi no arraiá Maria Aragão em São Luís, me senti novamente acolhida em Atins e de inédito, contemplei as imponentes lagoas de Santo Amaro.  Os Lençóis realmente são  uma maravilha da natureza. Destino top.

Lagoa Tropical

Julho: Jalapão e Chapada das Mesas

Agora sim, a viagem das férias! Primeira vez na região Norte. Fiz a Jalapada (Jalapão + Chapada das Mesas) com a Nortetur. Mais uma viagem solo. A bem da verdade, eu dei uma sorte de fazer parte de um grupo incrível onde a interação foi tão grande que fez com que esta viagem ao Jalapão fosse tão ímpar que até esqueço que conheci a bela Chapada das Mesas (Valeu, galera da expedição 381!) .

Fervedouro

Jalapão

Cachoeira da Formiga

Encanto Azul - Chapada das Mesas

Setembro: Porto de Galinhas

Terceira vez em Porto de Galinhas,desta vez a viagem dazamigas. Se não fosse o problema que tivemos com a hospedagem, a viagem teria sido perfeita. Mesmo com o vilarejo lotado no feriadão da Independência, curtimos demais os dias de sol e sim, fizemos todos os passeios clichês (passeio de bugue ponta-a-ponta, Maragogi, praia dos Carneiros e Muro Alto).  Taí, um lugar que nunca me cansarei de ir.

Porto de Galinhas

Praia de Muro Alto

João Pessoa

As milhas estavam para vencer e dei uma segunda chance a João Pessoa. Cidade tranquila, com boas praias próximas e piscinas naturais \0/.Os pontos altos da viagem foram  a ilha de Areia Vermelha e o pôr-do-sol no Jacaré.

Ilha Areia Vermelha

Ilha Areia Vermelha

O que tem para 2016?

Nada! Não planejei nenhuma viagem. Acredite! Embora eu tenha alguns roteiros engavetados, até o momento não há nada de concreto. O dólar alto não me impedirá de viajar para o Exterior mas com certeza fará com que eu tenha um cuidado muito maior na escolha dos destinos para não estourar o orçamento.  Vamos ver o que o futuro me reservará :-)

Feliz Ano Novo para vocês e muitas viagens!



Categorias: Retrospectiva

O que fazer em João Pessoa e arredores

20 dezembro 2015

Esta semana assisti no canal Globosat o programa chamado “Brasil visto de cima” falando sobre João Pessoa. Deu saudades! Estive na cidade por duas vezes. A última em setembro deste ano. O fato de ver o programa animou-me a escrever sobre a viagem. Milhas Smiles para vencer e escolhi voltar a João Pessoa.  Da primeira vez que estive na cidade, não consegui achar muita graça. Havia acabado de passar por momentos memoráveis em Natal e Pipa e estar em João Pessoa significava que o fim (da viagem) estava próximo. Além disso, a primeira impressão não havia sido boa: chegamos em um domingo, almoçamos em um quiosque na praia de Tambaú e vimos lixo na praia, farofada e um ar de cidade-que-não-tem-cara-de-capital.   A má impressão terminou ao conhecer as praias do vizinho Conde.

Eis que cinco anos se passaram e eu posso te dizer que eu estava completamente enganada. João Pessoa é uma cidade agradabilíssima, respira sossego e é um destino barato quando comparada a outros destinos nordestinos. Sem falar nas belas praias próximas.

Muito importante é escolher quando ir pois as paisagens podem se modificar bastante. Como é um lugar de praia e onde as atrações principais são as piscinas naturais, é recomendável ir durante o período da lua nova ou lua cheia.  O tempo hoje em dia é imprevisível mas eu particularmente tenho como premissa ir ao Nordeste no período de setembro a março (com exceção do Maranhão, Piauí e Ceará). Das vezes que eu fui fora desse período, sempre peguei um ou outro dia de chuva. Porém, a minha tática não tem garantia de  100% de dias ensolarados.

Vamos às dicas?

Onde ficar

A maioria dos turistas hospeda-se em Cabo Branco, Tambaú e Manaíra.  Não é difícil achar um bom preço de hospedagem próximo a praia. Sempre fiquei em Tambaú. O motivo: no bairro estão a feira de artesanato e o Mercado paraibano de artesanato, é de onde saem os barcos para as piscinas naturais do Picãozinho e movimentado à noite.  Os hotéis em Manaíra são mais baratos mas eu particularmente acho aquele trecho de praia mais deserto à noite. Dê preferência a Cabo Branco e Tambaú. A primeira é mais sossegada.

É fácil identificar os bairros:  a avenida que beira orla em Cabo Branco chama-se  Cabo Branco. Em Tambaú, chama-se Almirante Tamandaré e em Manaíra,  avenida João Maurício.

Não acho uma boa ideia ficar hospedado em pousadas próximo ao restaurante Mangai. Você dependerá de táxi (ou de uma boa caminhada) para passear pela orla de Tambaú e Cabo Branco à noite.

Recomendo os dois hotéis em que já me hospedei, o Hotel Village (março/2010) e Littoral Express (setembro/2015).  O Litoral Express está localizado em frente ao trecho da praia onde se pega os barcos para as piscinas naturais de Picãozinho. Bom café da manhã, fazem tapioca na hora, quarto limpo, grande e confortável com uma boa quantidade de tomadas no quarto.

Como chegar

O aeroporto Castro Pinto localiza-se na vizinha Bayeux porém não é tão longe da área turística. A corrida de táxi até o hotel pode ser paga com preço tabelado ou taxímetro. Em setembro de 2015, o preço fechado era R$ 80. Como eu cheguei em um domingo, preferi o taxímetro e a corrida custou R$ 67.  Lembrando que em alta temporada e dia de semana pode haver trânsito. Então, pense bem na sua escolha.

Os passeios

Barcos para as piscinas naturais de Picãozinho

As piscinas naturais estão a poucos minutos da praia de Tambaú. No dia que eu resolvi conhecer as piscinas, atravessei a rua e fui até a praia fechar com uma dos vendedores de passeios que ficam por ali.  O passeio dura duas horas.  Preço: R$ 35.

Como foi o passeio?
Picãozinho é muito próxima a orla. Aproximadamente 1,5 Km.O local onde ficam os barcos é em frente ao hotel Atlântico Sul. Para descer do barco e conhecer as piscinas, vá calçado porque há muitas pedras e você pode se machucar. O ideal é que fosse uma papete ou a sapatilha para snorkel. Com os recifes, se formam várias piscininhas. Há muitos peixes e a temperatura da água típica do Nordeste: morna. Uma delícia! O passeio durou cerca de duas horas. Só saímos de lá quando já não se via mais os recifes. Dentro do barco, vende-se frutas, bebidas alcoólicas e comidinhas. Também há serviço de fotografia aquática.

Picãozinho

Dicas:

  • O ideal é consultar a tábua das marés e comprar o passeio um dia antes de ir para tentar conseguir um desconto;
  • Levar snorkel e sapatilha aquática – observar os peixinhos e não machucar os pés;

Hotéis em Tambaú
À esquerda, a placa indicativa onde pegar os barcos para o Picãozinho e ao fundo o hotel Atlântico Sul. À direita, o hotel Tropical Tambaú.

Piscinas naturais do Seixas

Piscinas naturais que se formam na maré baixa a poucos metros da praia da Penha.

Piscinas Naturais do Seixas

Como foi o passeio?
Fiz o passeio com a Luck. A praia da Penha fica logo depois de Cabo Branco. Se não fossem as inevitáveis paradas para pegar os turistas nos hotéis, chegaríamos rápido. O ponto de apoio foi o restaurante Muxima. Assim que chegamos, recebemos as informações sobre o horário de saída e retorno do barco e sobre a reserva do almoço. São cerca de duas horas agradáveis no local. Água no máximo na altura da cintura (isso dependerá da altura da maré).  Para aqueles que tem mobilidade reduzida ou problemas no joelho, vi dificuldades na hora de descer do barco mas a tripulação prontamente ajudou. O passeio seria perfeito se houvessem peixinhos. Eu não vi nenhum :-(  Portanto, não crie expectativas. É oferecido serviço de mergulho batismo em outra área próxima ao barco, talvez estes tenham tido mais sorte. Após o passeio de barco, almoçamos e seguimos para a estação Cabo Branco – parada para fotos.

Passeio de barco para ilha de Areia Vermelha

A ilha na verdade é um banco de areia avermelhada que surge na maré baixa, a poucos metros da praia do Poço, no município de Cabedelo.

Chegando à ilha de Areia Vermelha
Areia Vermelha

Como foi o passeio?
Cabedelo é bem próxima a João Pessoa. Chegamos na praia de Camboinhas ou do Poço e logo pegamos o barco para a “ilha”. O que não te contam é que como é uma ilha formada na maré baixa, não há uma sombrinha de árvore. Então, se você não quer se esturricar no sol, acaba pagando pelo aluguel de uma mesa e 4 cadeiras (R$ 15).  Com o calor, acaba consumindo bebidas e comidinhas como queijo coalho. Levem dinheiro a mais porque com o calor que faz fica impossível de não consumir alguma coisa. É cobrado 10% por serviço.

O lugar é bom demais. Adorei! Fiz amizade com um pessoal do Rio. Ficamos conversando, ora na cadeira e ora na água. Muitos peixinhos para alegria das crianças e não estava muvucado. Isso é uma vantagem de ir em baixa temporada. Eu vi fotos do lugar que eu não acreditei ser o mesmo que eu visitei pois mal tinha lugar para colocar um guarda-sol! Ficamos até a hora que o mar resolveu nos expulsar. Deu para aproveitar bastante porque a maré mais baixa neste dia estava -0.1! Na volta, almoçamos e logo depois aproximadamente às 15:00 o ônibus seguiria para João Pessoa. Eu desceria no meio do caminho porque combinei de emendar com o passeio “Pôr-do-sol do Jacaré”.

Pôr-do-sol na praia do Jacaré

Assistir ao pôr-do-sol ao som do bolero de Ravel tocado por Jurandir em seu saxofone.

Jacaré
Jurandyr do Sax

Como é o passeio?
Algumas agências incluem o pôr-do-sol junto com o city-tour.  O passeio tem um quê de romantismo. A praia do Jacaré é uma praia fluvial formada às margens do rio Paraíba, localizada no município de Cabedelo. Em volta da praia, há um ótimo comércio de artesanato, bijouterias, comidinhas típicas, etc.  Bem perto do sol se por, os turistas disputavam um lugar privilegiado no deck dos bares para assistir o Jurandyr do Sax tocar o bolero de Ravel dentro de um pequeno barco. As coisas mudaram desde que os bares foram demolidos por determinação da Justiça. Você pode assistir no calçadão beira-rio ou a bordo de um catamarã (R$ 35). Escolhi catamarã. Antes da atração principal, o barco dá um breve passeio no rio Paraíba. Durante o passeio, nos é passado uma série de informações como o significado da palavra paraíba, como começou a história de ouvir o bolero de Ravel e porque a praia do Jacaré é chamada de praia se é um rio. Logo após, há uma apresentação da violinista Belle e depois os convidados são chamados para dançar quadrilha pelos cangaceiros que fazem parte da tripulação do catamarã. À medida que o sol está se pondo, ouve-se o bolero de Ravel e todos começam a procurar por Jurandyr. Eis que aparece a cena feito pintura: o sol se pondo, o Jurandyr de pé tocando o bolero com seu saxofone. Emocionante! No fim da apresentação, ele entrou no nosso barco e tocou Kenny G, Roberto Carlos e posou para fotos com o público. Esta apresentação foi a de número 5.249! As apresentações saem todos os dias, faça sol ou faça chuva. Saímos de lá por volta das 19:00.  Atração imperdível.

Litoral sul (praias do Conde)

Fiz este passeio em 2010, de bugue passando por sete praias terminando em Tambaba. Destaque para o mirante de Tabatinga e Coqueirinhos e às praias, lógico. Desta vez, não fiz este passeio. Se estiver viajando com idosos, aconselho a se informar sobre o acesso a praia de Tabatinga pois lá no Seixas conversando com algumas senhoras, elas relataram a dificuldade da descida para chegar à praia. Não souberam explicar se a van não chega até lá ou se proibiram o acesso mais próximo. Para quem gosta de praia, acho as praias do Conde imperdíveis.

Centro Histórico de João Pessoa, Estação Cabo Branco e Farol de Cabo Branco

Como vocês já devem saber, eu acho city-tour muito importante, ainda mais para mim que já saí dos bancos escolares há muito tempo e que a memória já não é tão boa.  Apesar de só ter feito isto uma única vez nas viagens ao Nordeste (a tal viagem a Natal). Desta vez deixei uma tarde reservada para fazer o city-tour. Eu só não contava que o city-tour oferecido pelas agências paraibanas dura praticamente o dia inteiro.  Sendo assim, resolvi conhecer o Centro Histórico por conta própria.

Conhecendo o Centro Histórico por conta própria
Em Tambaú, eu peguei o ônibus 513 sentido Centro em frente a Cervejaria Devassa, em Tambaú. Desci no Parque Sólon de Lucena (conhecido como Lagoa), que está em obras. Subi a ladeira (rua Miguel Couto) e segui as placas informativas “Centro Histórico”, que levam até a rua Visconde de Pelotas.

O que conhecer: Casa dos Azulejos, Igreja do Carmo, Igreja de São Francisco, APL (academia paraibana de letras), praça Antenor Navarro (casarios antigos de fachadas com diferentes cores) e Hotel Globo. O meu roteirinho foi baseado nas informações do blog Matraqueando.

APL, Casa dos Azulejos

Estação Cabo Branco
Centro Cultural projetado por Oscar Niemeyer, próximo ao Farol de Cabo Branco. Fácil acesso de transporte público.

Estação Cabo Branco

Farol de Cabo Branco
Farol cujo formato faz referência ao sisal, planta da qual o estado da Paraíba é o maior exportador. Localiza-se a poucos metros da Ponta dos Seixas, o extremo oriente das Américas (onde o sol nasce primeiro).

Farol de Cabo Branco

Outros passeios: litoral norte da Paraíba

Faltou conhecer as praias de Lucena e de Cabedelo, no litoral norte da Paraíba. Mais um motivo para voltar.

Onde comer

Há ótimos restaurantes como o Nau (especialidade: frutos do mar) e o Mangai (comida típica). Como eu sou chata pra comer, só fui no Mangai. Em Tambaú, próximo a feirinha de artesanato há a Sorveteria Delícia do Cerrado , me fez lembrar do Tocantins (abafa o caso mas descobri que tem uma em Copacabana!), com seus sorvetes de frutas regionais (mangaba,  gabiroba, taperabá dentre outros). Para quem quer comer barato, há uma praça de alimentação chamada Varandas de Tambaú cheia de lanchonetes. Repare que existe uma linha traçada no chão e os garçons não podem ultrapassá-la para chamar os clientes.  De típico, experimentei o rabucão (baião de dois). Um restaurante a quilo que fui quase todos os dias foi o , nas dependências do hotel Victor.

Compras

Há a feirinha de artesanato em frente ao hotel Tropical Tambaú e há o Mercado Paraibano de Artesanato (MAP).  Em geral, achei os preços melhores na praia do Jacaré.  Por falar em preços, os preços em Jampa são mais altos do que em Porto de Galinhas, onde fui no início do mês.

Artesanato em JP
Feira de artesanato de Tambaú e o Mercado paraibano de artesanato

O MAP é bem mais completo. Você acha comida e bebida típicas, roupas com o algodão colorido, brinquedos e muita coisa de artesanato. De tanto ir para o Nordeste, eu comecei a achar o artesanato repetitivo e acabo comprando comidinhas (vide o magnífico bolo de rolo pernambucano da última viagem). Só que desta vez, uma loja me chamou a atenção: uma com umas esculturas de bonecas de barro, lindas – a maioria senão todas de olhos fechados (não tenho certeza, talvez a memória esteja me traindo). Era tudo tão delicado, tão bem feito que para mim todas estavam tendo um ótimo sono.  Mais tarde descobri que a artista é a Tê Cavalcanti.  Que talento!

Vale a pena ir?

Sim! Tanto para um final de semana, 4 dias ou 8 dias, já conjugando com Pernambuco  devido a proximidade com Recife (2h de carro) ou ainda com Pipa no Rio Grande do Norte (de 2h a 2h30min). Quem sabe dar uma esticada e conhecer o interior do estado? Poucos dias antes de ir, li sobre Cabaceiras, a roliúde nordestina.  Este apelido é porque vários filmes foram gravados lá, o mais famoso foi o “Auto da Compadecida”. Cabaceiras está a 200Km de Jampa e como é difícil fechar um grupo e eu não tinha tempo (nem coragem) para alugar um carro, deixei para conhecer a cidade e o Lajedo do Pai Mateus em uma próxima oportunidade. Quem sabe em junho – aí já conheço o São João de Campina Grande e as  inscrições rupestres da Pedra do Ingá. Já ouviu falar? Aposto que não! A Paraíba tem muita coisa a oferecer!

 



Categorias: João Pessoa Paraíba
Página 1 de 45 12345...45