32° Dia – Flanando por Montmartre

11 junho 2009

Eu já falei para vocês do Conexão Paris, não? Este é o blog sobre Paris. Lá tem sugestões de roteiros para conhecer Paris em quatro dias e um roteiro específico para Montmartre. Como eu não fiz minha lição de casa e não trouxe o roteiro impresso junto com os mapas, eu anotei tudo no caderno. O início do trajeto é a estação Blanche. Só que eu desci duas estações depois na Anvers, levada pela inscrição Sacre-Coeur (a pronúncia em francês é chiquérrima!) no mapa do metrô.

Quando eu saio do metrô eu vejo um monte de gente caminhando, lojas com stands nas portas, caramba, me lembrou o Brasil! Segui o povo numa rua principal e outra coisa que eu gostei: os souvenirs aqui são muito mais baratos que na parte baixa da cidade. Também achei que os restaurantes não são tão caros. Deste ponto já se vê a igreja. Bela imagem.

Subi a escadaria toda (aff!) mas tem um funicular para quem não pode e não quer subir a pé. Para quem subiu os quatrocentos degraus da Notre-Dame, os da Sacre-Couer é moleza.

A igreja é tão branca! haviam pessoas escutandos os músicos a tocar rock, gente deitada na grama pegando um sol e muitas outras admirando a vista. Montmartre fica na parte alta de Paris e a visão da cidade estando na igreja é algo admirável.

Eu visitei a igreja mas não achei o interior. Bonito mas não tão bonito quanto a Notre-Dame e a Saint-Chapelle.

A esta altura do campeonato, eu já pulado a maior parte do roteiro e então decidi que ia à estação Blanche fazer o tour Montmartre que começa às 18h com a empresa New Sandeman’s (a mesma dos tours gratuitos).

Você sai da estação Blanche e dá de cara com o Moulin Rouge. Não tem como não pensar: “Gente, o Moulin Rouge é só isso?!” Várias pessoas tirando foto do cabaré, eu fiz o mesmo. Do outro lado da rua, estabelecimentos com luz neon vermelha que me fez lembrar o Red Light District, em Amsterdã.

Fiquei esperando junto com o pessoal, os guias aparecerem. Até que um homem perguntou-me em inglês onde que seria o ponto de encontro para o tour de Montmartre. Depois vim a descobrir que era brasileiro. Ótimo! Fiz amizade com ele e sua esposa. Tour em espanhol (por supuesto!) com 22 pessoas! A guia é a Deni, mexicana, estudante de Filosofia, que já está morando aqui há um ano e meio.

Tour pelo bairro de Montmartre

O Moulin Rouge

Cabaré mais famoso do final do século XIX, não por causa dos espetáculos mas sim por causa dos frequentadores, principalmente Toulouse-Lotrec. Toulouse era um nobre que decidiu viver na periferia, no bairro onde viviam os mais pobres que no caso era Monmartre. Aqui era o lado marginal de Paris, esta área era o prostíbulo da cidade.

Toulouse retratou Moulin Rouge em vários quadros. Não só Toulouse como Van Gogh e outros pintores que se tornaram mundialmente conhecidos. Quadros que foram exibidos no mundo todo, tornando famoso o cabaré.

Pergunta: Por que o Moulin Rouge tem como símbolo um moinho?

Porque aqui em Paris havia moinhos de vento (ainda tem, um deles é o moinho do Moulin Rouge, que significa em português Moinho Vermelho).

Moulin Rouge. O moinho não é fictício.

Moulin Rouge. O moinho não é fictício.

Prédio onde viveu Van Gogh

Exatamente neste prédio, no terceiro andar, viveram Van Gogh e seu irmão Theo. Foi neste bairro que Van Gogh conheceu impressionistas como Degas. Depois de Paris, Van Gogh foi para uma cidade chamada Auvers-Oisse, onde produziu como nunca, talvez encadeando a sua doença mental que culminou com seu suicídio.

Lugar onde morava Van Gogh e seu irmão Theo

Lugar onde morava Van Gogh e seu irmão Theo

Moinhos em Paris: Moulin de la Galleta

Existem mais dois moinhos em Montmartre e eles estão localizados na área de um restaurante na rua Lepic, 88.

O Moulin de la Galetta era o restaurante mais frequentado pela boemia no final do século XIX e início do século XX. Está retratado em quadros de Degas, Toulouse-Lotrec e Picasso.

Moulin de La Galleta

Restaurante Moulin de La Galleta

Praça Marcel Aymée

Estátua do “Homem que atravessa a parede”.

Estátua em homenagem a Marcel Aymée

Estátua em homenagem a Marcel Aymée

Saint-Dennis

Na rua Girardón há um jardim com a escultura de Saint Denis, padroeiro da monarquia francesa. Saint Denis foi missionario em Paris. Quando chegou em Montmartre estava catequizando, encontrou os celtas e romanos e estes o mataram, decapitando-o.

Reza a lenda....

St. Denis pegou sua cabeça e saiu andando até onde hoje está a Basílica de Saint Denis.

Origem do nome Montmartre

Há duas teorias: Montmartre significa monte martírio, em relação ao episódio com o bispo e os celtas. A outra teoria é que Montmartre significa Monte de Mercúrio pois havia um templo dedicado ao deus Mercúrio no local.

Au Lapin Agile

Foi o primeiro cabaré de Paris. Tinha como seus frequentadores Apolinaire e Picasso. Foi comprado por uma dançarina de cancan.

O primeiro cabaré

O primeiro cabaré

Au Laupin

Au Laupin

Ao lado do Cabaré, um vinhedo.

Vinhedo

Vinhedo

Basílica de Sacre Couer

Basílica que mistura vários estilos de arquitetura. A cúpula lembra o estilo das igrejas ortodoxas. Entende-se que foi uma estratégia do governo, tirar a imagem marginal de Montmartre instalando uma igreja no bairro.

Foi utilizada uma espécie de pedra que ao cair a chuva, mais clara fica a igreja. Interessante, não?

Basílica de Sacre-Coeur

Basílica de Sacre-Coeur

Place Jean Marais

Era a praça principal do povoado de Montmartre

Place Jean Marais

Place Jean Marais

Place du Tertre

Aqui localizava-se a casa de Salvador Dalí. Próxima, está a casa de Picasso. Reza a lenda que os dois se odiavam.

Place du Tertre e seus artistas.

Place du Tertre e seus artistas.

Na place du Tertre está o maison Catherine, o primeiro restaurante do povoado. Reza a lenda que quando os russo chegaram, eles se sentaram no restaurante. Estavam famintos e começaram a falar: “Bistrot!” que em russo significa rápido. Eis aí a origem da palavra bistrô, casa de refeições rápidas.

Maison Catherine

Maison Catherine

Na praça Emile Goudeau, está não só o antigo estúdio de Picasso como de outros artistas. Hoje é uma especie de pequeno museu.

Le Bateau Lavoir, o estúdio de Picasso

Le Bateau Lavoir, o estúdio de Picasso

O fabuloso destino de Amelie Poulin

Montmartre serviu de cenário para o filme. O diretor do filme, Jean Pierre Jeunet, mora no bairro. Aliás, tem gente que vem aqui só por causa do filme. Aqui estão a verduraria, o café, a estação de metrô, etc. Eu não vi o filme então nada posso comentar… Só sei que fiquei curiosa.

Mercadinho do filme

Mercadinho do filme

Local onde Amelie trabalhava

Local onde Amelie trabalhava

Tem a ver com filme.  Alguém se habilita?

Tem a ver com filme. Alguém se habilita?

Gostei do tour e adorei Montmartre tanto que voltarei lá.

Dica: Aqui é o lugar de Paris onde vi os souvenirs mais baratos.


Categorias: Europa França Paris
Tags:

6 Comentários

  1. fabio di ojuara disse:

    porra bicho!!! que maravilha, eu vivi tudo isso aí em Paris, eu sei que Paris é muita coisa para o mundo, pricipalmente a torre Eifell para o turismo, mas, para mim Montmartre é tudo de Paris, ja fui duas vezes e quero ir mais, é como se eu tivesse perdido alguma coisa lá, quem sabe se eu não sou uma dançarina daquelas do Moulin Rouge, o museu erótico é demais…

  2. M Iris B disse:

    Subi os degraus para a Sacré Couer, com tanta ansiedade, carinho e amor por conhecer aquele templo mágico de JESUS, que, se ainda tivessem degraus, estaria subindo, sem me estafar, até hoje! É uma visão Celestial!

  3. Pat disse:

    Sim. Um lindo dia de sol depois de mais de cinco dias de chuva! Eu estava muito frustada. Parece que agora o sol chegou para ficar.

  4. Gabi disse:

    Nossa, que lindo! Vc pegou um dia lindo em Paris!

Deixe seu comentário