33° Dia – Paris, a cidade-luz

12 junho 2009

O dia não começou nada bem. Primeiro, a mulherada fez um barulho danado no quarto. Elas iriam embora e resolveram acordar todo mundo cedo!

Eu, toda atrapalhada, fui tomar banho e toda vez que eu chegava no banheiro e percebia que esquecia alguma coisa. Enquanto arrumava minha mochila, preparando-me para sair, Toni (a americana) e uma alemã conversavam. Toni ia mudar de albergue. Como eu tinha combinado com a Toni de vermos a Torre Eiffle à noite, hoje eu não podia ir para muito longe. A minha intenção era ver as Catacumbas de Paris e ir ao Louvre ver uma parte do acervo. A esta altura do campeonato, peguei o restante do dinheiro que sobrou – Cento e cinquenta euros – e coloquei no bolso. Despedi-me e fui rumo à estação do metrô.


Catacumbas de Paris

É um passeio considerado macabro por alguns mas a curiosidade é maior que o medo.

Acreditem, eu estava ansiosa e com medo. Meu medo foi inibido pela presença de uma garotinha que aparentava ter uns 7 anos e que estava na fila e na minha frente sereníssima.

O percurso é grande e no começo você anda por galerias e mais galerias. Tem placas informativas contando a história das catacumbas. Só tempos depois que começa-se a visualizar ossos e mais ossos numa decoração digamos diferente e espantosa.

Eu li que estão aqui depositados ossos de 6 milhões de pessoas! A minha câmera não funciona no escuro (não faça como eu, tá gastando uma grana na viagem mas não comprou uma câmera decente) e como não pude usar o flash, as fotos não ficaram boas. Ha inscrições dizendo o ano e o cemitério de onde foram removidos os ossos.

Ossário

Ossário

Agora teve uma hora que eu não aguentei mais ver tanto osso e me deu uma agonia para ir embora. Uma sensação de alivio em sair de lá ainda mais depois que eu vi nos tetos filetes de água, passei a pensar em desabamentos… Eu estava virando a prima da desgraça.

Se eu resolver fazer mais um passeio desses, impeçam-me!

Ópera Garnier

Um outro lugar faltava visitar era a Ópera de Paris, a mais antiga, chamada de Ópera Garnier pois ha uma mais moderna que é a Opera Bastille.

A construção é muito bonita e como não podia deixar de ser, muitas pessoas querendo sair bem na foto com a Ópera ao fundo.

Ópera Garnier.  Garnier foi o arquiteto que projetou a Ópera de Paris.

Ópera Garnier. Garnier foi o arquiteto que projetou a Ópera de Paris.

Você pode entrar e conhecer o interior. Paga-se oito euros. Eu fiquei procurando o dinheiro que eu coloquei no bolso e não achei. Fiquei temerosa. Eu consegui moedas suficiente para pagar a entrada no teatro e a primeira coisa que eu ia fazer era sentar e procurar com calma o meu dinheiro. As derrotas a gente tem que contar (será que tem mesmo?). Perdi o meu dinheiro! Eu vasculhei a mochila toda, os bolsos da calça comprida… Não achei. Fiquei chateadíssima! Meu dia acabou naquele momento.

O teatro é suntuoso como praticamente todos os lugares que eu visitei aqui. Eu até fiquei um pouco envergonhada pois afinal eu visito o interior da ópera em Paris mas nunca botei os pés no Teatro Municipal no Rio! Realmente, preciso conhecer mais a cidade que eu moro.

Infelizmente as instalações do palco e da plateia não estavam abertas à visitação. Eu já estava chateada com a perda do dinheiro que nem fiquei muito tempo lá.

Interessante foi ver as pessoas fazendo poses como se estivessem no balcão. Mais interessante foi uma professora francesa com seus alunos, crianças entre 7 e 10 anos, acho. As crianças estavam de olhos fechados. Elas estavam num salão lindo, eu considerei o mais bonito de todos, cheio de detalhes dourados. Lustres imensos, tapete vermelho…

Salão da teatro onde tem o busto de Garnier

Salão da teatro onde tem o busto de Garnier

Eu parei para observar. A professora falou algumas coisas e depois contou un, deux, trois! As crianças abriram os olhos e fizeram em uníssono: Oh! Tão bonitinho e tão engraçado! Eu ri à beça! Elas estavam maravilhadas.

O meu passeio terminou ali. Fui para o hostel procurar o meu dinheiro. Estava com esperança de ter deixado no porta-dólar ou de repente, ter caído no chão e as meninas terem deixado na recepção.


Procurando o dinheiro no hostel. Mullher a beira de um ataque de nervos.

Revirei tudo o que eu podia. Não achei o dinheiro. Fui até a recepção, na esperança de alguém ter deixado o dinheiro. Não, ninguém deixou. Fiquei arrasada. Odiei-me por ter sido tão desleixada!

Saí e saquei dinheiro perto do albergue. Guardei muito bem na bolsa do locker e só sairia com o dinheiro do dia: 60 euros e meus cartões. Aqui em Paris está sendo o primeiro lugar que estou deixando o dinheiro e o notebook no albergue. Não saio com o porta-dólar. Eu sei que não é seguro mas estão dentro da mochila com o cadeado que por sua vez está dentro de uma gaveta com cadeado também. Eu comecei a fazer contas de como cortar custos para compensar o sumiço do dinheiro já que eu não ia extrapolar de jeito algum meu orçamento.

Sete horas eu desci e encontrei Toni no bar. Vi ela mexendo na sua carteira e até tive a esperança que ela havia encontrado o meu dinheiro e fosse me devolver. Nada, ela estava guardando seus tíquetes de metrô. Cumprimentamo-nos e eu havia dito que o meu dia não foi bom pois havia perdido meu dinheiro. Aí ela disse que estava com o meu dinheiro. Eu fiquei boquiaberta. Ela disse que a alemã olhou para a lata de lixo e falou espantada que havia 100 euros no lixo! Elas olharam e viram o bilhete que Toni escreveu para mim: “Torre Eiffel, 19h”. Foi aí que Toni falou que o dinheiro era meu! Como nós íamos nos encontrar à noite, ela ficou com o dinheiro para me devolver. Caramba, abri um sorrisão! Agradeci e muito a ela. Não pude agradecer à alemã pois ela já tinha ido embora!

Meu humor mudou completamente! Deus é muito bom comigo! Ainda existem muitas pessoas honestas no mundo, graças a Deus!

Fomos à Torre Eiffel mas descendo no Trocadero. Ali se tem uma vista linda da Torre.

Depois do Trocadero, fomos fazer nosso piquenique aos pés da Torre. Várias pessoas fazendo o mesmo. A fila da Torre, como sempre, imensa. Vendedores tentam convencer os turistas a comprar a miniatura ou o chaveiro da Torre Eiffel. Dois tentaram nos convencer. Você acredita que um deles me deu um chaveiro de presente? Que fofo, não?

Depois do piquenique, pegamos um barco e fizemos um tour pelo rio Sena. Gente, este passeio é imperdível! Eu amei! Pegamos o pôr-do-sol e o anoitecer. Paris à noite é muito apaixonante. Durante o percurso vimos dezenas de pessoas fazendo piquenique às margens do Sena. Eu acho isso uma das melhores coisas da Europa.

O pôr-do-sol visto do barco ao longo do Sena

O pôr-do-sol visto do barco ao longo do Sena

Museu D'Orsay ao pôr-do-sol

Museu D'Orsay ao pôr-do-sol

Quando voltamos, vimos a Torre toda iluminada! Linda! Fincamos os pés no solo e de repente a Torre começa a piscar. Teve gente que aplaudiu e tudo!

Torre Eiffel devidamente iluminada

Torre Eiffel devidamente iluminada

Passamos um tempo contemplando quando de repente ouvimos gritos. Dezenas de patinadores surgiram e passaram pertinho de nós rumo ao Trocadero. De repente vimos carros de polícia. Será que vai dar problema? – pensamos. Nada, vimos patinadores policiais. Era um encontro de patinadores. Foi um dia maravilhoso e com um final feliz! Inesquecível. Eu até queria ficar para subir a torre mas a Toni disse que estava muito tarde (eram quase 23h) e a gente ia correr o risco de pegar o metrô com as portas fechadas.

Passeio romântico em Paris

Paris é conhecida como “A Cidade-Luz”. Hoje é dia dos Namorados no Brasil. Você, um homem romântico e sensível, leu as dicas do blog e resolve fazer uma surpresa a sua amada tal qual como foi feita em Bruges mas agora com um impacto muito maior.

O dia ontem foi cansativo, o que mais queriam era acordar tarde. Porém você, um homem romântico, acorda cedo e vai ao mercado comprar um bonito buquê de flores. Sua intenção é que ela acorde e veja as flores. E também você, claro.

Para quebrar a rotina destes dias, você a leva para tomar café-da-manhã em um dos muitos bistrôs charmosos de Paris. Sentam-se numa mesa praticamente na calçada e observam o vai-e-vem das pessoas.

Dentre as dezenas de opções de passeios, uma das opções é levá-la para os Jardins de Luxemburgo.  Outra opção é  fazer um singelo piquenique aos pés da Torre Eiffel. Fazem como todos os outros casais: trocam juras de amor, fazem planos, sonham…

Você, um homem romântico, a conduz para o deck de onde saem os barcos para o passeio no rio Sena. Vocês entram no barco e ao iniciar o tour, vocês tentar identificar cada pedaço de Paris.

O número de barcos no Sena é grande. O número de pessoas fazendo piquenique às margens do rio é igualmente grande. Já passam de nove horas da noite quando o sol se põe. Ela, fica encantada. Você, feliz. Afinal, foi uma idéia sua fazer o tour. Anoitece. A cidade por um momento se apaga. Eis que surge a luz: pontes, barcos, monumentos e edificios iluminados ganham destaque. Parecem ter vida.

É uma Paris diferente, sem dúvida. Extasiados, admiram a Notre-Dame, a ponte Alexander III, o museu D’Orsay e por fim, a Torre Eiffel com toda sua imponência. Tiraram várias fotos, afinal um momento como esse realmente deve ser perpetuado.

De repente, as luzes da Torre começam a piscar! Nenhum dos dois esperava por isso! Você, um homem romântico e sensível, convida-a para jantar e tomar champagne num barco-restaurante próximo.

Ao final, vocês decidem se vão subir a Torre ou não. De qualquer forma, foi um dia magnífico e que não será esquecido por um bom tempo.

Ah, se você for um homem sensível, romântico e esperto, comprará os ingressos da Torre pela internet evitando as enormes filas.


Categorias: Europa França Paris
Tags:

Um comentário

  1. Suelen disse:

    Ai Ai! Que lindo! Piquenique aos pés da Torre Eiffel, passeio pelo rio Sena…deve ser tudo muito maravilhoso.
    Cada vez mais estou me animando a fazer essa viagem…já vou juntar dinheiro, ou melhor, quem sabe não encontro esse homem romântico pra me proporcionar tudo isso. Difícil né rsrs! De qualquer maneira adorei o que vc escreveu! Me imaginei aí vivendo tudo isso.
    Um beijo, se cuida e vê se não perde mais dinheiro hein! rsrs!

Deixe seu comentário