Atins, um pequeno paraíso

24 agosto 2014

Chegando em Atins

O voo saiu do Rio de Janeiro às 23:20.  Cheguei ao pequeno aeroporto de São Luís pouco depois das 02:00. Logo no desembarque, algumas pessoas perguntam se eu quero ir na van para Barreirinhas. A van com seu Guilherme chegou às 03:30 e só saiu do aeroporto às 04:00. Mesmo tendo uma parada para tomar café, a van chegou às 07:15. Seu Guilherme aprovadíssimo! A maioria das pessoas na van ficaria em Barreirinhas. Eu e mais um casal ficaríamos em Atins. Seu Guilherme nos deixou em frente a agência São Paulo Ecoturismo pois ele nos recomendou fazer o passeio pelo rio Preguiças e aí pedir para descer em Atins. Eu tinha como base o valor de R$ 60 para fazer o passeio (preço de baixa temporada) e R$ 50 a lancha para Atins.  A agência disse que faria o passeio por R$ 90. Achamos caro.  O casal tinha contato com barqueiro e como estávamos cansados, preferimos ir de lancha diretamente para Atins.

Saímos antes das 09:00 e a lancha demorou uma hora e meia para chegar ao pequeno cais em frente ao Rancho do Buna, onde ficaria o casal.  Ele disse que para a minha pousada seria melhor ficar ali também. Logo depois descobri que o barqueiro estava equivocado. Do Rancho do Buna até a rua Principal, onde fica a pousada Sol do Atins e outras como a Pousada da Tia Rita, dá aproximadamente 20 minutos caminhando em areia fofa. Imagine caminhar tudo isso com bagagem nas costas.  O rapaz do Rancho do Buna até me ensinou o caminho mas à medida que fui andando fui escutando uns barulhos de bicho, folhas se mexendo…não via niguém na “rua”….. Fiquei com medo  e voltei pra o Rancho do Buna hahahaha

Pensei sinceramente porque cargas d’água eu fui pensar em ficar em Atins. Ah, esqueci de falar para vocês que ao sair da lancha eu caí e sujei a minha calça comprida toda de lama. Ô, que desastrada! OK, podem parar de rir.  Entrei na pousada e acabei conhecendo o famoso Buna. Quando vocês pesquisarem sobre Atins, não terá como não ter lido sobre ele. Conheci a pousada e ele me fez a gentileza de pedir para me levarem de carro até a pousada.

O vilarejo de Atins

Atins é muito pequena. Não há calçamento nem energia elétrica nas ruas. Dizem que é parecida com Jericoacoara há quinze anos atrás.  As ruas são de areia fofa e o “burburinho” se resume a rua Principal, onde estão a maioria das Pousadas. Para chegar aqui só de lancha ou veículo 4×4.  Não tem a mesma infraestrutura de Barreirinhas. A maioria das pousadas são simples.  Provavelmente você ficará isolado por aqui pois dificilmente seu celular de última geração funcionará por aqui. Aproveite para se desligar do corre-corre das grandes cidades. Vale a pena!

Isto é Atins: a rua Principal de Atins, a Pousada da Tia Rita e o lago da Pousada Rancho do Buna
Da esquerda para direita: a rua Principal de Atins, a Pousada da Tia Rita e o lago do Rancho do Buna

Hospedagem

Fiquei na Pousada Sol do Atins, na rua Principal. A proprietária, Cristina, me adotou! Um doce, boa de conversa. Agendou passeios, agendou a Toyota para ir embora. Adorei toda a hospitalidade. A pousada é simples, tem café da manhã, mosquiteiro no quarto. Nada a reclamar. Mesmo. Paguei R$ 60 (uma pessoa) a diária.

Pousada Sol de Atins

Praia de Atins

Cheguei morta de fome e a Cristina me recomendou o restaurante mais próximo, o restaurante do Irmão, que fica em frente a pousada da Tia Rita. Um bom prato com carne de sol, baião de dois, feijão fradinho e salada saiu por R$ 25. Já no restaurante, percebi que Atins era a embaixada da França. Coisas do mês de agosto, mês de férias dos europeus. Na volta para pousada, conheci um casal de jovens que estavam hospedados por lá, a Cibele e o Nico. Juntos fomos à praia de Atins e ficamos até o sol se por.

À noite, fomos na pizzaria Maresias. Ambiente aconchegante e pizza feita por um italiano. Aprovadíssimo! A pizza dá para 12 fatias e o preço varia entre R$ 34 e R$ 38. Voltamos para pousada. Sei que estava tão cansada que eu dormi às 21:00 e até esqueci das pererecas que apareceram lá no quarto sem serem convidadas.

Os passeios

Eu fiquei duas noites em Atins mas eu recomendo ficarem mais. Por quê? Porque tivemos alguns contratempos, como gente furando com os passeios pela manhã. Além disso, o sol está de rachar! Façam os passeios à tarde e curtam a praia pela manhã. Além disso, podem apreciar o pôr-do-sol que é incrível ver do alto das dunas e realmente se desligar um pouco da rotina. Mas isso é só uma opinião, ok? Os passeios de manhã saem por volta das 08:00 e os da tarde saem às 15:00.

Passeio 1: Lagoa Verde, Lagoa da Capivara e parada em restaurante do Canto de Atins para comer camarão.

Sobre os restaurantes. Pelo que eu ouvi (eu não como frutos do mar), ambos são bons mas quando o restaurante da Dona Luiza ficou famoso, o seu Antônio, irmão dela e a esposa do seu Antônio, dona Magnólia trabalhavam lá. A fama começou com um artigo publicado por Ricardo Freire. Na época, quem fazia os camarões era a Dona Magnólia. Tempo depois, seu Antônio abriu o restaurante e com ele, levou a Dona Magnólia. Então, tirem suas conclusões… Preço: R$ 50

Eu não fiz este passeio, furaram comigo. Quando voltei a pousada (eu tive que ir à outra pousada-agência esperar pelas outras pessoas para fazer o passeio mas não tinha ninguém pois as pessoas preferem os passeios à tarde). Voltei andando para a pousada e acabei perdendo o carro da Tia Rita que ia para o Canto do Atins. Aliás, eu conversei com a Rita e achei-a um amor! Com ajuda da Cristina, acabei alugando um quadriciclo por duas horas e conheci a Lagoa do Mário e a lagoa das Sete Mulheres. Ficamos por uns 20 minutos na lagoa do Mário (cheia de peixes miúdos que eu esqueci o nome!).  O guia até me perguntou se eu queria ir no restaurante do Antônio mas como não como camarão, preferi ficar por ali admirando as dunas. Voltei satisfeita para Atins.

A Lagoa das Sete Mulheres

Lagoa das Sete Mulheres

Passeio 2: Lagoa Tropical

Aqui a Toyota leva a gente até um ponto e depois temos que subir por 3 dunas altas (!) para chegar à lagoa Tropical. Água morna, já não tão profunda. Ótima para crianças. É cansativa a subida mas vale a pena. Imprescindível aqui: água, chapéu, protetor solar. No final do passeio, a Toyota parou no restaurante Canto dos Lençóis cuja média de preços dos pratos está R$ 60 para duas pessoas. Preço: R$ 50

A volta do passeio da lagoa Tropical, o carro volta sob a luz do luar. Que céu! Quantas estrelas! Todos ficaram admirados… É indescritível!

Lagoa Tropical
Lagoa Tropical

Pôr-do-sol visto do alto de uma duna em Atins
Pôr-do-sol visto do alto de uma duna em Canto do Atins

Importante dizer que em Atins você não precisa fechar passeios com agências e ir de Toyota. Você pode ir andando. Contrate um guia. Eu conheci o Silas, muito bem recomendado. Tem outros guias. O pessoal da pousada que você estiver hospedado pode te ajudar com tudo. Mas ó, é caminhando na areia fofa.

Outros passeios em Atins:

  • andar de cavalo (eu não fiz);
  • ir ao Canto do Atins e conhecer as lagoas do Mário e a lagoa das Sete Mulheres;
  • passeio de quadriciclo.  O aluguel de quadriciclo custa R$ 50 a hora (dá para negociar o preço).

Eu almocei novamente no antigo restaurante do Irmão (o que é em frente a pousada da tia Rita). Sempre bem atendida pelo Henrique.

Saindo de Atins e indo para Barreirinhas

Mesmo esquema da chegada: você pode voltar de Toyota (R$ 25), duração 2h a 2h30 ou de lancha, 1h a 1h30min (R$ 50). Tenham em mente que Atins não tem horário padrão como em cidades grandes. É bom você começar a procurar meios para ir embora logo quando chegar à vila. Um dia antes, pelo menos. Como é alta temporada, as Toyotas estão saindo pela manhã 08:00 e à tarde, 14:00. Assim como as lanchas, que saem 14:00. Preço da Toyota, R$ 25. Aquele banco é para 4 pessoas mas eles se puderem põe 5, 6 pessoas! Quem fica sentado na ponta, por vários momentos os galhos das árvores no percurso vão encostar em você e podem te arranhar. Se estiver com orçamento gordo, vá de lancha que é bem mais confortável. Eu fui de lancha com mais um casal que se hospedou no Buna e me deixou lá alegando que este cais era mais perto do que o outro. Não é verdade. Do Buna para a rua Principal, onde estão a Pousada Sol de Atins, Pousada da tia Rita, dá uns 20 minutos caminhando na areia fofa. Visualiza isso com bagagem? Por sorte e por uma gentileza do Buna, ele me levou até a pousada que reservei.

Comes e Bebes  – Atins

Água: R$ 2,50
Refri: R$ 4,00 ou 3,50
Cerveja garrafa: R$ 7,00
Refeição no restaurante em frente a pousada da tia Rita: R$ 25 a R$ 30. Tem carne de sol, frango, peixe e camarão. Acompanhado de arroz, feijao fradinho, farofa. Tudo muito bem temperado.

Dica de restaurantes:

  • Pizzaria Maresias.
  • O restaurante em frente a Pousada da Tia Rita e o restaurante vizinho Niky que em dias específicos dá 50% de desconto no espaguete para mulheres.

Restaurantes em frente a pousada da Tia Rita
Restaurante em frente a pousada da tia Rita e o Niky

Dicas de Atins

  • Atins é “meio de mato”. Seu smartphone não vai funcionar. Aquele seu celular antigão talvez funcione (o pessoal daqui só tem Tim ou Oi). Há 3 orelhões na rua Principal (perto do restaurante do seu Chico e do restaurante do Irmão de Atins). Não sei se funcionam.
  • Aparecem aquelas pererecas pequenas no banheiro do seu quarto. As libélulas, pererecas e companhia aparecem em todas as pousadas. É a natureza.
  • Se já é ruim celular, imagine internet? Não tem.
  • As ruas são de areia fofa. É preciso ter um mínimo de disposição.
  • A energia elétrica varia muito.
  •  Só há energia elétrica nas casas.
  • Há pousadas para todos os bolsos, pouquíssimas tem ar condicionado. A maioria dispõe de um ventilador de mesa para cada quarto.
  • A maioria das pousadas não tem TV no quarto. — Não tem este negócio de baladas, forró todos os dias, etc.
  • Se tiver que usar a Toyota, use na volta para Barreirinhas. Na ida para Atins, você corre o risco de dividir espaço também com cargas.
  • Se você for muito urbano, pense bem se valerá a pena. Para ir e ficar reclamando de tudo, é melhor nem sair de casa.
  • Mas mesmo assim, eu diria para se arriscar. Eu estava precisando de um refresco (notícias de crimes, trânsito, estresse, blá blá blá) e ali achei um pequeno paraíso!
  • Deixe Atins por último. Eu fui fazer Atins primeiro e agora estou em Barreirinhas, já estou aqui morta de saudades.
  • Achou rústico demais mas ficou curioso? Dá pra conhecer um pouco do Atins a partir de Barreirinhas. Preço: R$ 100.

Ouvi do pessoal que vive lá que muitos estrangeiros estão comprando terrenos por ali. Daqui alguns anos, talvez Atins vire uma Jericoacoara (ou não!). Talvez os moradores percam a paz que o vilarejo tem. Conheçam Atins antes que seja atingida pelo turismo de massa.

O que levar para Atins

  • Lanterna
  • Protetor solar
  • Chapéu
  • Repelente
  • Água. Aqui vi muita gente com o camelback, achei superprático. Pena que eu não levei o meu!

Por último mas não menos importante

Amei Atins! Encontrei pessoas incríveis como eu falei a vocês. A gente se sente em casa. De tanto ler relatos de viagem, parecia que eu conhecia as pessoas há séculos: conheci a Tia Rita (um amor!), os guias da travessia (Madruga, Maciel e Biziquinha), os argentinos do quadriciclo, o Henrique do restaurante do Irmão e o guia Silas. Eu acho que o que mais me apegou ao lugar foi a simplicidade das pessoas.

Arrependimento, só tenho um: não ter conhecido Atins antes.

 

 

5 Comentários

  1. Ivar disse:

    Legal Pat. Sou de São Luis – MA, e já estive em Atins duas vezes, e sou encantando por aquele lugarejo. Lendo o seu relato, posso dizer que as coisas estão melhorando, sem perder aquele gostoso ar rústico.
    Gostei muito de ler sua experiência. Tenta ir uma próxima vez p/ aprender Kite Surfe, vc vai amar…
    Um abraço

  2. tania de paula disse:

    Boa tarde Paty,

    Amei seu blog….tudo muito bem esplicado

    Voce e direta, sincera de forma que gente se sente segura para aproveitar as dicas postadas.Ja estava pesquisando sobre Atins e fiquei encantada….vou ficar mais dias la com certeza.
    Obrigada por prestar esse grande servico……. nos,marinheiros de 1 viagem precisamos disso.
    Um grande abraco de uma ja seguidora das suas postagens
    Tania

  3. Thailaine Santoro disse:

    Boa tarde Paty! Estou amando o seu blog e aproveitando cada dica. Super parabéns, você é muito competente no que faz. Estarei sempre por aqui. Beijo.

Deixe seu comentário em Pat Alves