Bolívia, Peru e Chile – roteiro realizado

25 junho 2011

O roteiro realizado foi bem diferente do planejado graças aos imprevistos.  Primeiro, tivemos problemas com a Gol. Tudo por causa de uma infeliz frase do comandante que criou pânico entre os passageiros.  Perdemos um bom tempo no Galeão. Tínhamos uma conexão em Guarulhos a fazer. Perdemos!  Com isso tivemos que ficar mais dois dias em São Paulo, esperando o próximo voo. Isso mudaria nossos planos, teríamos que cortar algumas cidades…

 roteiro planejado vs. roteiro realizado

Chegamos em Santa Cruz, fizemos o câmbio a uma cotação péssima mas o suficiente para sobrevivência do dia.  Conseguimos comprar a passagem para La Paz pela BOA já na abertura do balcão. Em uma hora estávamos em La Paz no ótimo hotel Cordillera Real.

Em La Paz, sofri muito com os efeitos da altitude e passei o primeiro dia na cidade descansando.  Consegui fazer todos os passeios a minha maneira: como não aprendi a andar de bicicleta, acompanhei o downhill em Coroico no carro dos guias.  Não aguentei a altitude do Chacaltaya e preferi esperar o grupo no ponto de parada. Depois desisti de  seguir para o segundo passeio, que era o Vale de la Luna, o que fez com que eu conhecesse o restaurante Don Gus, com comida boa, sem muito condimento e segura.  Outro imprevisto: estava tendo um protesto na fronteira Bolívia – Peru.  Algo a ver com a construção de uma mina de ouro por uma empresa canadense.  A fronteira estava fechada há uma semana e não havia indícios de que os protestos iriam terminar.

No quarto dia já aclimatada, saímos para Copacabana.  A vista do lago Titicaca é linda! Não subi o Cerro Calvário. As escadas me amedrontaram. Ficamos pela cidadezinha.  Tivemos uma noite de muito frio no hotel. O No dia seguinte, fomos à Isla del Sol e fizemos um trekking de cinco horas cruzando a ilha.  Neste dia percebemos o quanto estávamos mal condicionadas fisicamente. Muita gente nos passou! Até idosos! Uma vergonha pra esta sedentária que vos escreve. Decidimos não dormir na ilha e esta escolha foi mais do que acertada.

Com a fronteira ainda fechada, não houve outra opção para chegar ao Peru a não ser  cruzar o Titicaca de barco. Pagamos uma fortuna por uma viagem de nove horas!  Nos sentimos umas clandestinas pois saímos cedo de Copa, carimbamos nossos passaportes na Aduana Boliviana e durante todo o trajeto de barco, estávamos ilegais. Havia muita gente esperando barcos para ir ao Peru.

Chegamos quase à noitinha em Puno e a primeira coisa que eu percebi é que o Titicaca ali era poluído. Que diferença da Bolívia! Fomos recebidos por um senhor que levou os turistas até o posto de imigração. Ruas desertas, depois muita confusão com passeatas e residentes jogando pedras.  Entramos na Imigração, que logo fechou as portas. Depois compramos as passagens para Cusco.  É, Puno e as islas Flotantes de Uros ficarão para uma próxima oportunidade.

Às cinco da madruga chegamos em Cusco e aí meu péssimo sexto sentido para hospedagens se confirmou. Na rodoviária, algumas pessoas oferecem hospedagem. Eu recusei todas.  Acabamos ficando num lugar horrível, só para dormir.  Já pela manhã, saímos a procurar hotéis nos arredores da Plaza de Armas e achamos o incrível Waytaq.  Hotel novinho em folha, foi um prêmio para nós!

Cusco foi a cidade mais bonita da viagem sem sombra de dúvidas.  Totalmente voltada para o turismo. De todas as idades e de todos os bolsos.  Fechamos um pacote com todos os passeios. Adorei ter conhecido Saqsaywaman e Pisaq.  Eu até agora me pergunto como os incas fizeram tudo aquilo, sem programas avançados de computador, sem ferramentas e noções de cálculo. Que civilização avançada! Pena que foram dizimados pelos espanhóis. Todo o conhecimento foi com eles.  A cereja do bolo foi subir ao Wayna Picchu e ter a visão do alto da cidade perdida (obrigada, Ana por ter insistido!)

Cortamos Lima, Ica e Nazca do roteiro por conta do atraso da Gol. Iríamos para Arequipa, a cidade branca.  Para chegar a Arequipa, teríamos que passar pela fronteira e os protestos não haviam terminado.  Então, seguindo o conselho da Oficina de Turismo, compramos uma passagem aérea para Arequipa pela Lan Peru. Durante o voo, fiquei indignada que nem ao menos ofereceram água e olha que o preço da passagem foi uma pequena fortuna!

Chegamos em Arequipa, novamente várias pessoas oferecendo hotéis. Recusei todas. Pegamos um táxi e o taxista nos levou a três hotéis.  Acabei escolhendo o hotel que havia oferecido no aeroporto e mais caro.  Lógico que minha amiga quis me matar! Ela conseguiu o mesmo preço.  Fechamos os passeios: rafting no rio Chili e Tour Cañón del Colca.

De Arequipa fomos à Tacna de ônibus pela Cruz del Sur. Serviço excelente! Nem sentimos a viagem de cinco horas demorar.  Há rodomoça e bingo valendo uma passagem grátis.  De Tacna pegamos um ônibus para Arica. Engraçado como a paisagem muda.  As estradas chilenas são bem melhores. As casas são diferentes.   Algumas pessoas foram barradas na imigração chilena. Ao chegar na rodoviária, fizemos o câmbio para pesos chilenos e compramso a passagem para Calama e de lá para San Pedro de Atacama.

A viagem noturna para Calama foi desagradável graças às duas paradas para revistas de bagagens.  Chegamos em Calama cedo e lá compramos as passagens para San Pedro.  Quando chegamos em San Pedro, um susto: a cidade parece ter saído do Velho Oeste!

Fechamos o passeio do Salar com a Cordillera.  Sofremos como nunca com o frio. Eu não desejo este frio para ninguém. Sempre saem dois carros, os motoristas eram muy buena onda e as paisagens incríveis.  Chegamos a Uyuni querendo antecipar a volta para o Brasil mas não conseguimos uma internet decente e nem nos fazer entender quando ligamos para o aeroporto de Santa Cruz.

Compramos uma passagem Uyuni – La Paz de ônibus.  Que viagem longa! Ficamos novamente no mesmo hotel do início da viagem e agora sim eu percebi como estava aclimatada: subia as ladeiras de La Paz sem botar a língua pra fora!  Compramos a passagem para Santa Cruz, novamente pela Boa.

Chegamos em Santa Cruz no domingo e lá a diversão principal é passear na praça.  Foi o que fizemos. Achamos Santa Cruz com muito mais cara de capital que La Paz.  Ficamos impressionadas com a frota de carros, todos muito novos e muito importados.  Depois, na volta ao Brasil descobri o porquê.

A viagem foi muito cansativa mas foi inesquecível pelos passeios e pelas paisagens incríveis que não sairão da memória. Desarmem-se do preconceito e conheçam os nossos vizinhos!

 

 

21 Comentários

  1. Marília disse:

    Amei o post novamente ! Só tenho uma dúvida ! De San Pedro do Atacama para Uyuni voce foi de onibus ? Quantas horas durou ?

  2. Gabi Frattini disse:

    Muito bom, adorei. Vai me ajudar muito! hehe

  3. Carla Bako disse:

    Olá Paty,

    Já faz algum tempo que pesquiso sobre viagens pela América do Sul, mochilões, dicas, roteiros e eu nunca tinha encontrado um site com tudo tão explicadinho como aqui. Queria te parabenizar e agradecer, porque seus relatos e sua organização estão ajudando bastante nos meus planos!
    Obrigada!

    • Pat Alves disse:

      Ai, muito obrigada Carla! Quando comecei com o vício de viajar, eu vivia procurando informações na internet e conheci muita coisa legal por aí. É uma forma de retribuir a ajuda que eu consegui de anônimos e não tão anônimos assim.

  4. Francisco de Assis da silva farraia júnior disse:

    Oi Pat! Farei com amigos exatamente seu tour. Só fiquei com uma dúvida, como vocês foram de San pedro para o salar de uyuni? Quanto tempo demorou? Obrigado por divulgar e ser tão solícita!

    • Pat Alves disse:

      Francisco,

      Obrigada! O tour dura 3 dias e 2 noites se for ficar em Uyuni. Fechamos o passeio com a Cordillera. Como já faz muito tempo, convém pesquisar mais sobre as agências que fazem o passeio. Eu conheço casos de conhecidos próximos que tiveram pequenos acidentes no salar (carro enguiçado, motorista bêbado, etc).

  5. Juliana disse:

    Oi, Pat. Quero muito fazer esse roteiro, mas to insegura quanto a ir sozinha. Pretendo fazer mais alguns trechos de avião, justamente por essa razão. Vc aconselha?

  6. silvia disse:

    oi, também li suas observações e fiquei com algumas dúvidas: pretendo usar milhas da smiles (gol), voce indica que sendo milhas vá para lima, mas há voo da gol para santa cruz, não há?
    outra coisa, voce viajou sentido copacabana, e tenho visto roteiros sentido sucre; porque escolheu esta direção? obrigada

    • Pat Alves disse:

      Oi, Silvia!

      Vamos lá!
      1 – Eu sugeri usar milhas para quem ter um roteiro que parece com uma reta no mapa, tipo começa por Lima e termina em Santiago. Na época que eu viajei, uma passagem Brasil – Lima – Santiago – Brasil saía caro. A melhor opção neste caso é milhas. Vou reler este texto, pelo jeito não ficou bem claro isso.
      2 – Sim, há voos da Gol para Santa Cruz, eu inclusive fui neste voo mas como a ida e a volta são a mesma cidade, o aéreo não é tão caro. Sim, dá para usar milhas aqui.
      3 – Eu escolhi o sentido Santa Cruz > La Paz > Copacabana porque eu viajei em maio e eu não tinha roupas para aguentar frio (bota para trekking, polar, corta-vento, luvas, etc.). Aí, achei mais lógico parar em La Paz que tem muita coisa interessante.

  7. André Valverde disse:

    Olá, tudo bem?
    Eu e um amigo estamos planejando uma viagem para Peru e Bolívia, e acabamos encontrando este seu roteiro de viagem e ficamos impressionados, eu queria muito conhecer o deserto do atacama. Então, voce podia nos falar, por favor, quanto esta viagem custou no total, contando comida, transporte, hospedagem, passeios?

    • Pat Alves disse:

      Na época, maio de 2011, gastei com tudo R$ 4.000. Não lembro quanto estava o dólar naquele período. O Chile tem um custo muito parecido com o Sudeste brasileiro. Já Peru e Bolívia são mais baratos (exceto a região de Machu Pichu).

    • Pat Alves disse:

      André,

      Tem a planilha de viagens lá na página de Download. Não economizamos com nada. Não ficamos em hostels. E o hotel de Cusco foi um achado. Agora ele está bem mais caro.

  8. Isabela Caramaschi disse:

    Pat, adorei as informações!Parabéns pelo seu trabalho!
    Gostaria de saber quanto aproximadamente ficou o custo de toda a viagem. Obrigada

    • Pat Alves disse:

      Na época foi menos de 4 mil reais. Tudo. Absolutamente tudo, passagens, roupas, equipamentos para caminhadas. ESte ano volto ao Peru e com direito a trilha.

  9. Vivian disse:

    Olá Pat,

    pretendo me basear no seu roteiro para fazer minha trip de julho deste ano.
    Apesar de você ter feito há 2 anos atrás, gostaria muito da sua planilha de gastos, para calcular mais ou menos quanto levar.
    Obrigada

  10. Mari disse:

    Pat, primeiro, parabéns pelo site… Extremamente organizado! Sensacional! Estou planejando fazer esse roteiro que envolve Bolívia, Peru e Chile, mas queria saber… É aconselhável ir preferencialmente em grupos de pessoas, ou eu sozinha, ou com 2 ou 3 pessoas está tudo bem? Obrigada!

    • Pat Alves disse:

      Mari, muito obrigada!
      Eu iria sozinha mas uma amiga gostou do roteiro e se juntou a mim. Se vocês tiverem gostos parecidos, tudo bem! Mas se não tiver ninguém para ir contigo, não desanime, vá sozinha. A gente faz muitas amizades em hostels. Te aconselho a começar a ler o fórum Mochileiros.com na parte de Destinos, América do Sul – Peru. Leia também os relatos. Se vc tem medo de ir sozinha, quem sabe não arruma companhia no Tópico “Companhia para Viajar”?

  11. Glaucia disse:

    Pat, parabéns pelo blog…. eu ADOREI….
    Você poderia colocar os valores aproximados, como passagem, passeios, hotéis.
    Bjs,

Deixe seu comentário