Você está vendo os artigos na categoria “Santa Catarina”

Beto Carrero em dois dias

28 fevereiro 2014

O parque é grande com atrações que agradam crianças, adolescentes e adultos. Eu fiquei muito surpresa (positivamente) com o grau de organização, arrumação e nível dos brinquedos. Reservei dois dias para o Beto Carrero seguindo o conselho dos amigos. Saíamos do hotel por volta das 08:30 e chegávamos um pouco depois da abertura do parque. Fomos na sexta e no sábado. Sábado, o parque estava bem mais cheio. Segundo o rapaz com quem fechamos o transfer, é nos finais de semanas que há excursões dos moradores das cidades vizinhas. A minha ideia foi aproveitar os brinquedos na sexta. No sábado, os shows e os brinquedos restantes. Então, se puder, evite os finais de semana.

Quando você chega, o próprio pessoal do parque se oferece para tirar uma foto da família em frente a entrada. Ao entrar, pegue o mapa e vá riscando as atrações que já visitaram. Se uma das pessoas do grupo for aniversariante, não pagará o ingresso. Há guichês separados só para atender os aniversariantes.

Preços dos ingressos e horário de funcionamento

Quem compra ingressos antecipadamente pela internet tem desconto. Veja em: http://www.betocarrero.com.br/loja/ Neste mesmo link, você pode saber os dias que o parque está funcionando.

Mapa com as atrações

O mapa está disponível neste link: http://www.betocarrero.com.br/arquivos/mapa.jpg

As atrações

Antes de falar das atrações, para quem nunca foi em parques a não ser os de bairros, acho interessante falar de algumas restrições:

  • Emoções fortes: há brinquedos que são proibidos para grávidas, cardíacos e pessoas com problemas relacionados à emoções fortes. Isto está identificado nos brinquedos e também no mapa do parque.
  • Restrição de altura: Mesmo que seu filho faça o tipo destemido, nem todas as atrações são para ele. Há restrições de altura. Na entrada do brinquedo, há uma régua colorida, a parte verde indica que a criança está liberada para brincar.
  • Sozinho nunca: ainda há atrações que a criança só entra se estiver acompanhada de um responsável como o “Tchibum!”.

Beto Carrero

 

Para crianças menores

Há uma parte lúdica do parque chamada “Triplikland” (letra B do mapa) com Roda gigante, a Xícara Maluca (xícaras que giram), o elefante voador, passeio de pedalinho, carrossel, autopista etc. A minha sobrinha adorou esta parte. Outro brinquedo legal é o Raskapuska que é onde a família entra num barquinho e o barquinho passa por um rio e tem várias coisas para ver dentro da montanha. No final, tem uma descidinha pequena e rápida. Neste momento, eles tiram uma foto sua e tentam te vender no final. Acho que a foto impressa custa R$ 20.

  • Montanha russa light para crianças: a minha sobrinha chamou de minhocão mas o nome oficial é Montanha russa Dum Dum, perto do teatro Acqua.
  • Tchibum: brinquedo que molha muito! Ótimo para dias de calor mas leve roupa adicional.
  • Zoológico: muito grande esta área. Tem animais exóticos como o suricato, aquele que era o Timão no desenho do rei Leão.

Triplikland. Da esquerda para direita: Rakaspuska, Acqua Boat, Praça de alimentação com carrossel duplo, roda gigante e autopista.

Para adolescentes e adultos que gostam de brinquedos radicais

Para estes, a melhor parte é a “Aventura Radical”, letra G do mapa. Há duas montanhas russas. A pior é a Fire Whip, que é a montanha russa invertida. Eu gosto de montanha russa mas não tive coragem de ir ::putz:: Para os medrosos, tem um mirante para observar o percurso do trem na montanha russa. Os outros brinquedos que dão arrepios só de olhar é a Big Tower e a Torre do Terror, que resumidos a grosso modo, são torres onde despencamos lá do alto.

Aventura Radical. Da esquerda para direita: ponto para fotos próximo a Torre do Terror, a montanha russa invertida Firewhip e o Tchibum, que apesar de estar na área da Aventura Radical, é tranquilo para crianças menores ir desde que acompanhadas de um responsável.

Shows

Assistimos a todos. Excalibur, Madagascar, Blum, Velozes e Furiosos e o Sonho do Caubói. Procure chegar sempre meia hora antes do horário previsto para o espetáculo até para pegar um bom lugar.

  •  Excalibur: um show que simula uma batalha medieval. O passeio é pago à parte (R$ 45 adulto sem bebidas). Você compra na entrada do parque. O ingresso dá direito ao show e ao almoço. As bebidas você compra já na atração.

  • Madagascar: parte nova que foi inaugurada no sábado. Tivemos sorte pois assistimos o show de estréia. Teatro lotado! Aqui tem o leão, a hipopótamo, o rei Julien e os pinguins. Show com dança, historinha dos personagens mas o melhor mesmo são os ciclistas que fazem manobras mirabolantes ao fundo do show.
  •  Blum: show de circo nos moldes do Cirque du Soleil. Proibido fotografar.
  • Velozes e Furiosos: tenho certeza que você vai adorar este show. Incrível o que esses caras fazem! Nota dez!
  • Sonho do Caubói: show que encerra as atividades do parque. Dura uma hora. É um musical que conta uma aventura do Beto Carrero no Velho Oeste, tentando ajudar uma cidade a se livrar de um bandido malvado. Muito legal, foi o show que mais gostamos. O show é no Memorial Beto Carrero.

Show Madagascar e show Velozes e Furiosos.

Inauguração da área Madagascar

Tivemos a sorte de estarmos presentes na inauguração da área Madagascar. A área tem várias lanchonetes, um espaço próprio para tirar fotos com os personagens, um teatro onde o show é realizado e o brinquedo mais disputado do dia: Crazy River, que é um bote que cabe 5 pessoas que navega sobre o “rio” do parque.  Ficamos mais de uma hora na fila. O passeio de bote é bem rápido e agradável. Não molha tanto quanto o Tchibum, o que deixou muita gente decepcionada. Convém dizer que eu fui a exceção e molhei minha bermuda toda. O pessoal que estava no bote comigo saiu sequinho, sequinho.

Madagascar: Crazy River, Lanchonete e o espaço para foto com os personagens

Outras atrações

A Vila Germânica é muito bem construída. Nesta área está a Tiger Mountain, que é uma montanha russa mais leve. Se você nunca andou de montanha russa, aconselho a ir nessa. Se continuar com medo ou sentir enjoo, então nem tente as outras, que são bem mais radicais. A criança do grupo gostou do cinema 4D (eu não assisti) e sentiu enjoo no Barco Pirata. O memorial Beto Carrero, onde é realizado o Show do Caubói, tem fotos, roupas e conta um pouco da história do idealizador do parque. Muito interessante.

Cuidado com crianças pequenas

Show da Monga

A minha sobrinha de 9 anos insistiu para ver o show da Monga. Eu contei o que era mas ela insistiu muito. Quando um grupo entra, a luz é apagada, fica um breu total. A criançada imediatamente começa a chorar. Depois começam os barulhos. É muito engraçado porque até os marmanjos ficam com medo. Eu me diverti à beça com a choradeira.  Para as crianças que estavam próximas, eu falava para elas fecharem os olhos. Não teve jeito, quando acabou a atração, minha sobrinha teve uma crise de choro com o barulho, o escuro e a gritaria das outras crianças. Não recomendo que os pais levem crianças pequenas para assistir a monga, não tem como sair!

Monga

Fotos com os personagens
Em horários marcados você pode tirar foto com os personagens. Shrek, O Kung Fu Panda e os personagens do Madagascar (menos a Zebra e a Girafa). Os horários estão no guia.

Preços de bebidas no parque

Água 500mL = R$ 4. Não há bebedouros espalhados pelo parque.
Refri 300mL = R$ 5
Suco 400mL = R$ 6

Alimentação

Preço de alimentação em shoppings do Rio. A praça de alimentação fica no Chapéu Gigante. Para distrair as crianças, há um carrossel de dois andares no meio da praça. Nós não almoçamos nos restaurantes da praça pois no primeiro dia fomos no Excalibur que já inclui o almoço e no segundo dia, pegamos uma fila imensa no Madagascar para ir no Crazy River e aí resolvemos ficar no lanchinho.

Acessibilidade

O parque é bastante acessível para cadeirantes. A única atração que toda a família quis ir e não havia rampas foi Excalibur. Então, tivemos que pedir ajuda. Em todos os shows, o cadeirante é prioridade na fila e lugar específico para ficar, junto com o acompanhante se for o caso. ::cool:: Para aqueles que tem mobilidade reduzida mas conseguem “pilotar”, o parque oferece aluguel de scooters.

Informações adicionais

Há caixa eletrônico do Banco do Brasil e da Caixa, banco Bradesco, guarda-volumes e fraldário.

Impressões finais sobre o Beto Carrero

O maior parque da América Latina me surpreendeu: achei o parque ótimo! Realmente um passeio família.

O que mais gostamos (não necessariamente nesta ordem):

  • O passeio de trem: Emocionante! Faça este passeio e sente no lado esquerdo. Tem bastante coisa do lado direito mas a casa do Beto Carrero e a surpresa acontece para quem está do lado esquerdo.
  • Show Sonho do Caubói (todos)
  • Passeio de teleférico.
  • Show Madagascar (sobrinhas).

Dinomagic. O momento família foi no agradável passeio de trem que revela algumas surpresas como a casa do Beto Carrero.

O que eu menos gostei:
Excalibur. Principalmente pela relação custo/benefício. Não gostei da comida. O que mais me irritou foi que o meu pai, sendo prioridade, foi o primeiro a entrar e o último a ser servido, uma falha imperdoável do garçom que atendeu aquela fileira. Só fomos almoçar quando o show começou.

O parque poderia adotar boas medidas que são utilizadas na Disney principalmente em alta temporada como as filas “Child Swap”, que é o revezamento que os pais fazem para poderem brincar e a “Single Rider”, que é uma fila só para quem não faz questão de ir sozinho nos brinquedos. Principalmente, a single rider é uma medida que ajudaria e muito a fila andar rápido. Assim como tem o bottom para o aniversariante, poderia ter o bottom para quem vem pela primeira vez. As crianças iriam adorar.

Planejando a viagem para o Beto Carrero

Onde ficar

O Beto Carrero World fica na cidade de Penha e para quem quer aproveitar única e exclusivamente o parque, aconselho a ficar por lá. Conversando com amigos que foram este ano, eles frisaram bem que a cidade de Penha não tem muita coisa a se fazer.  Há algumas pousadas bem próximas ao parque.

Eu me hospedei em Balneário Camboriú por ser uma cidade acessível a cadeirantes e porque há mais atrações na cidade que poderia agradar toda a família toda (9 a 70 anos). Para quem tem mais dias disponíveis na viagem, eu sugiro ficar nas cidades próximas.

Como chegar

O aeroporto mais próximo é o de Navegantes (NVT) – e não o de Florianópolis (FLN) como muita gente pensa.  Para quem vem do Rio, saiba que a GOL oferece um voo direto do Galeão para Navegantes que sai às 07:12 e a volta, também voo direto para o Rio sai às 19:42. Um bom modo de prolongar a viagem em final de semana. Fique sempre de olho nas promoções de passagens aéreas. A viagem dura 1 hora e meia.

mapa-penha

Créditos: Acertou na mosca

Quanto tempo ficar

Para adultos e adolescentes, dá para fazer o parque sim em um dia, desde que não haja longas filas. O melhor mesmo é reservar dois dias para conhecer tudo com mais calma. Ainda mais com crianças, que adoram ir em brinquedos mais de uma vez. Com dois dias, ainda fica mais tranquilo assistir a todos os shows que tem horários determinados.  Nós no primeiro dia, fomos aos brinquedos e assistimos ao show Sonho do Caubói. No segundo dia, os outros shows e brinquedos que faltavam.

A viagem para conhecer o parque cabe direitinho em um final de semana. Como eu já disse, agrada a família inteira.  O parque é bem conservado e muito limpo. O tratamento dos funcionários é ótimo.  Tudo muito profissional! Tenho certeza que vão gostar, principalmente as crianças.

 

 

 

 


Conhecendo Balneário Camboriú

27 fevereiro 2014

A cidade tem duas avenidas principais: a Avenida Atlântica, que é a que beira a orla, tal qual a de Copacabana; e a Avenida Brasil, que é onde está a maioria dos hotéis e muitos estabelecimentos comerciais. Nesta rua tem muitas lojinhas de roupas e acessórios que nós mulheres adoramos. Estas ruas são paralelas, logo após a Avenida Brasil, temos a Terceira Avenida e a Quarta Avenida.

Estas avenidas são bem grandes e para nos localizarmos, sempre ficávamos de olho nas ruas perpendiculares, que são ruas numeradas. Exemplo: estávamos hospedadas na Av. Brasil esquina com a rua 2100. Então, para se localizar, bastava olhar a placa com o nome da rua numerada.

Balneário Camboriú como se localizar

Importante dizer que poucas ruas da cidade tem sinal de trânsito (eles chamam de semáforo). Daí que ficamos espantadas com a educação dos motoristas. Estando você na faixa de pedestres, os motoristas param para você passar. Repare, que os pedestres não ficam esperando por muito tempo. A avenida Atlântica por um longo trecho não tem sinal de trânsito (não conheci a Ponta Norte por isso não posso afirmar que toda a avenida não está com sinal).

Mapa das praias de Balneário

Outro mapa de Balneário

O que ver e fazer em Balneário Camboriú

1.Pegar o bondidinho e conhecer a orla da praia Central;
2.Pegar o teleférico e conhecer o parque Unipraias;
3.Passear no barco pirata;
4.Passar o dia na praia;
5.Ter uma visão da cidade indo ao Cristo Luz;
6.Conhecer os arredores (Beto Carrero, Blumenau, Bombinhas, etc.)

Circulando por Balneário Camboriú

Os pontos turísticos são acessíveis por transporte público. Para conhecer a orla, você pode pegar o bondidinho, que é um ônibus adaptado em carroceria de caminhão(!). O ônibus circula pela Avenida Brasil e pela Avenida Atlântica. Ele não é circular. A passagem custa R$ 3,75. Quando você pega o ônibus na Avenida Brasil, o ônibus está indo para a Barra Sul. O ponto final é justamente onde você pega ou o teleférico ou o barco pirata, que falarei mais adiante. Quando você pega o ônibus na Av. Atlântica, o ônibus está indo para Pontal Norte. Na Atlântica, há marcações na ciclofaixa dos pontos de parada do bondidinho. Na prática, vimos que ele para em qualquer lugar, basta você sinalizar.

Bondidinho

Para o Cristo Luz, há pontos de ônibus com placas indicativas na av. Brasil. No ponto, há a informação que o intervalo entre os ônibus é de 40 minutos.

Táxi: Achei a corrida de táxi cara. Pegamos um táxi do hotel (Av. Brasil esquina com a rua 2100) até a Barra Sul (não dá nem 8 minutos) e a corrida custou R$ 18.

Acessibilidade

Ao menos na parte turística, as calçadas terminam com rampas (embora às vezes, um pouco íngremes) que ajudaram demais a deslocar a cadeira de rodas. Na orla, para atravessar a Atlântica, basta cruzar a faixa de pedestres que está nivelada. Enfim, a cidade é bastante acessível para cadeirantes.

As praias

A maior praia da cidade é chamada de Praia Central que segundo eu li tem 6Km de extensão. O início da praia é chamado de Pontal Norte. O final é chamado de Barra Sul. A Praia Central tem areia escura e o mar por ali não é tão calminho (é mais calmo à medida que vá chegando a Barra Sul). A orla da Praia Central é muito arrumadinha com seu calçadão de pedras portuguesas, espaço para o pessoal que gosta de jogar bocha, uma faixa exclusiva chamada de ciclofaixa para aqueles que andam de bicicleta, corredores e skatistas. Esta faixa é avermelhada tal qual é a faixa do BRT aqui no Rio. As barracas são pequenas e todas numeradas (aí, outra forma de se localizar). Vendem bebidas, churros e milho (uma constante!). Também alugam cadeira de praia e guarda-sol.

Praia Central

O número de pessoas que caminham ou praticam esportes é muito grande tanto de manhã como à noite. Tem uma parte grande de areia mais dura que dá para caminhar de tênis ou fazer uma corridinha na areia. Eu vi até gente andando de bicicleta!

Antes de molhar seus pés na praia Central, veja se está liberada para banho. No dia que chegamos, vimos uma placa vermelha dizendo que não estava liberada em um trecho. A água estava escura demais (observação nada técnica). Outra coisa, o lugar que você escolher para tomar sol pela manhã, talvez à tarde faça uma grande sombra. Tudo isso se deve a falta de planejamento da Prefeitura em liberar aqueles arranha-céus a pouca distância do mar que ao passar do dia fazem sombra na areia.

A Barra Sul é um ótimo lugar para ir tanto de dia quanto à noite. Há uma pracinha com vários brinquedos para crianças, um píer com uma vista bacana da orla. Além disso, é aqui que saem os passeios de barco e onde se localiza a estação do teleférico, a “Barra Sul”.

Molhe Barra Sul

Há outras praias em Balneário como a praia das Laranjeiras (que só olhei de relance e já achei melhor do que a Central) e há vários modos de chegar até lá sem usar o carro (barco, teleférico e ônibus).

 

Conhecendo as praias usando transporte público

Rodovia Interpraias, Av. Brasil, praias Central, Laranjeiras, Taquaras até Estaleirinho: linha 114
Praia dos Amores: linha 102
Bairro Barra Sul: linha 106 ou 100

Parque Unipraias

O parque Unipraias fica na Barra Sul. Para chegar até lá, você pode usar o bondidinho na Avenida Brasil. O ponto final é em frente ao Unipraias.  O preço é R$ 36 adultos e R$ 18 (crianças até 9 anos e maiores de 60 anos). A primeira parada é no alto do morro. Neste ponto tem as brincadeiras como o Youhoo, o circuito de Arvorismo e o Zip Rider.  Há uma altura mínima para a criança andar no Youhoo acompanhada. Antes mesmo de pagar o ingresso tem um cartaz com uma espécie de régua onde a faixa verde é a altura onde a criança está liberada para ir no Youhoo.  Mesmo que não queira participar, se você descer neste ponto tem os mirantes para apreciar a vista. Depois, podem voltar e seguir com o teleférico até a praia de Laranjeiras.  Guardem com cuidado os bilhetes pois eles serão pedidos sempre que voltar a usar o bondinho neste dia. Do teleférico dá para ver o Cristo Luz.

O teleférico às vezes dá uma paradinha estratégica de 2 ou 3 minutos (há um aviso dizendo que isso acontece quando há alguma pessoa com dificuldade de locomoção está para descer ou subir no teleférico). Então se no meio do trajeto, o teleférico parar, tranquilize a família. Cabem 6 pessoas ali. Para os amantes da fotografia, dá para tirar fotos sem a interferência do acrílico.

Acessibilidade:  aqui apesar de dizerem que é acessível, não conseguimos visualizar uma cadeira de rodas entrando no bondinho. Cada bondinho cabe 6 pessoas.  Acredito que o cadeirante fique sentado em um lado e a cadeira vá do outro, ocupando os 3 lugares.

Passeio do barco pirata

Passeio de barco com duração de 1 hora. O barco passa próximo a praia Central, dá a volta pela ilha das Cabras e dá uma parada no molhe (píer) da praia das Laranjeiras para embarque/desembarque. Você pode descer ali e pegar o próximo barco. Durante o passeio, os caras vestidos de pirata simulam uma briga disputando o amor de uma mulher que é escolhida dentre as pessoas que estão no barco.  Particularmente, não gostei da encenação nem das piadinhas mas minha sobrinha adorou. Bom mesmo é o passeio de barco em si.

Obs.: se for descer em Laranjeiras, guarde com cuidado o bilhete do barco pois será exigido ao entrar no barco novamente.

Preços: R$ 35 adultos e  R$ 17 (crianças até 12 anos e maiores de 60 anos).
Horários: 10:00/14:00/16:00

Dica: Se estiverem descididos a ficar pela praia das Laranjeiras e fazer o passeio de barco, vá no barco das 10:00 e volte no barco das 16:00 (ou 14:00).


Balneário Camboriú e Beto Carrero – planejando a viagem

27 fevereiro 2014

Este último final de semana (20 a 24 de fevereiro), eu e minha família estivemos em Balneário Camboriú. O motivo principal da viagem foi conhecer o parque Beto Carrero. Adoramos a cidade e os passeios que fizemos, que agradou pessoas de idades variadas (dos 9 aos 70 anos).

Balneário é muito agradável. A cidade é limpa, as pessoas simpáticas e motoristas educados (acho que este foi o nosso maior choque, ainda mais para quem vem do Rio). Não há mendigos, pedintes e praticamente sem vendedores ambulantes (só para não dizer que não vi nenhum na praia, vi um na segunda-feira na praia Central).

Nosso estilo de viagem

Com uma família com uma criança, uma adolescente, dois adultos e dois idosos, onde um deles é cadeirante, o ritmo de viagem foi bem mais lento do que o planejado. Não saímos à noite. Só passeamos durante o dia. Chegávamos cansados. O tempo que sobrava era só para jantar e depois dormir.

Sendo assim, na hora de você planejar sua viagem, considere que você tendo mais pique, consegue fazer tudo o que fizemos em menor tempo. O que fizemos em 4 dias, ainda mais se os horários do voo forem tão favoráveis como estes que pegamos, vocês conseguem fazer tranquilamente em um final de semana (GIG-NVT às 07:00 e NVT-GIG às 19:47).

Hospedagem

Hotel Melo [Av. Brasil, 2195, esquina com rua 3100] com 3 meses de antecedência. Fechei diretamente com o hotel, depositando com antecedência o valor de uma diária para cada quarto. Ficamos em dois quartos triplos, onde um é adaptado para cadeirantes. Só tenho elogios ao hotel e ao staff. Achei a localização ótima, perto da praia e de padaria e mercado. Bom café da manhã e bons preços de frigobar. Como único ponto negativo, o elevador que é muito pequeno, o que faz os hóspedes esperem por um tempo mais do que necessário para pegar o elevador.

Os deslocamentos

Por indicação de um amigo, fechei os transfers para o Beto Carrero com a San Rafael Turismo. O que foi acordado: transfer aeroporto – hotel (ida-e-volta) e transfer para o Beto Carrero por dois dias. Recomendo o transfer e o profissionalismo da agência. Pontualíssimo e nos ajudou muito com o meu pai, para colocá-lo na van, já que ele não tem mobilidade.

Do aeroporto até Balneário Camboriú
A viagem dura de 30 a 40 minutos. O transfer cobra cerca de R$ 90 a viagem (carro comum).

Roteiro planejado

1° dia (qui)- Chegada em Balneário Camboriú às 08:45. Praia Central e parque Unipraias.
2° dia (sex) – Beto Carrero
3° dia (sáb) – Beto Carrero
4° dia (dom) – Conhecer Florianópolis
5° dia (seg) – Blumenau. Volta para casa

 

No próximo post, falo mais de Balneário Camboriú e o que ver e fazer por lá.


Florianópolis

4 março 2012

Praia da Joaquina

Chegamos em Florianópolis em uma sexta-feira de sol forte. Alugamos um Fiat Uno com GPS na Localiza e fomos direto à pousada Saint Germain, no Canto da Lagoa para fazer o check-in.  Já era final de tarde, então aproveitamos para ir à praia mais próxima: a Joaquina.  Paramos exatamente no local onde as pessoas fazem sandboard.

Restaurante Ponto de Vista

Descemos à ladeira rumo a praia mas não havia local para estacionar. Então demos meia-volta e fomos à praia Mole. Paramos  no restaurante Ponto de Vista onde há um mirante.

No restaurante havia um cartaz para visitar o projeto Tamar. O ingresso custa R$ 8,00. Há várias espécies de tartarugas-marinhas. De quebra, fomos a praia próxima que descobrimos ser a Barra da Lagoa.

No sábado fomos conhecer algumas praias do litoral norte: praia dos Ingleses, Canasvieiras, Jurerê Internacional e Daniela. Choveu, o que atrapalhou um pouco.  Achamos incrível que há apenas poucos dias após o Carnaval, as praias estivessem tão vazias! Em Jurerê, um grupo de pessoas estava acompanhando uma etapa do concurso da Garota Verão (acho eu!) da Band.  As praias tem águas mais calmas que as do litoral leste mas isso não impediu de ter várias bandeiras vermelhas com o aviso “local proibido para banho”.

Bombinhas

Domingo seguimos a sugestão do recepcionista do hotel e fomos para Bombinhas.  Ótima dica:  mar com águas calmas e cristalinas, sol e ainda por cima com uma área para snorkel.  A volta foi com tráfego intenso e com vários motoristas comemorando a conquista do primeiro turno do Figueirense.

Caminhando até o final, a melhor parte: a área para snorkel e uma parte bem calma que é conhecida como praia da Sepultura.

Praia Mole. Barra da Lagoa

Segunda de tempo nublado, acordamos cedo e fomos para praia Mole, afinal esta praia é uma das mais comentadas e elogiada.  A praia estava vazia, as ondas fortes e boa parte da praia com bandeiras vermelhas indicando proibição para banho.  Então, resolvemos voltar e seguir para praia da Barra da Lagoa onde passamos o dia.  As águas estavam mais geladas que as do litoral norte mas não se comparam à temperatura gélida das praias de Cabo Frio.

Decidimos no dia se  iríamos fazer o passeio de barco para ilha do Campeche. O tempo estava nublado e havia a previsão de chuvas.  Resolvemos não fazer o passeio e seguimos para a praia de Canasvieiras.  Acabamos fazendo o passeio do barco para ilha de Anhatomirim pela Scuna San Martin. Passeio animado e bem organizado.

Scuna Capitão Gancho San Martin

Último dia de viagem e resolvemos conhecer Balneário Camboriú.  O dia estava lindo! Paramos na praia Central, que estava lotada. Achamos Balneário bem urbana e organizada. Até pensei em ir ao parque Unipraias mas aí com um sol daqueles e com Bombinhas tão perto, preferimos deixar Camboriú para uma próxima viagem e fomos para Bombinhas novamente.

Opinião da blogueira

Com o passar dos dias, percebemos que em Floripa as pessoas vão à praia bem mais tarde que o pessoal do Nordeste.  A praia que eu achei mais bonita em termos de paisagem foi a Joaquina. Já para banho, achei que a melhor da ilha foi a Daniela.  Os preços para alimentação são praticamente iguais ao do Rio.

Achei tudo muito limpo e bonito. Pena que o tempo estava tão instável! Gostei da pousada Saint Germain e ficaria lá novamente se estivesse com o carro.  Para quem está a pé, o melhor lugar para ficar é sem dúvida alguma o Centrinho da Lagoa.

A surpresa da viagem foi a cidade de Bombinhas. A praia de Bombinhas é justamente o tipo de praia que eu adoro: águas calmas e cristalinas.  Já prometi a mim mesma que voltarei a este lugar numa viagem combinada com Balneário Camboriú e Blumenau. A paixão por Bombinhas nos fez voltar novamente até lá mas depois me arrependi pois poderia ter ido a ilha do Campeche, ainda mais com aquele dia lindo de sol.

Outra surpresa foi saber que Florianópolis tem bastante ladeiras e que o Unozinho pediu socorro algumas vezes nas subidas, principalmente na rodovia Admar Gonzaga,  que apelidei de “Ladeirão”.  A rodovia é caminho para a BR-101 para quem vem do Canto da Lagoa.

Um comentário que eu não podia deixar de fazer: como tem argentinos em Santa Catarina! Impressionante! Adorei pois consegui praticar bastante o portunhol.

 


Florianópolis – planejamento

14 fevereiro 2012

Desde 2008, eu viajo para o Nordeste.  É um caso de amor com aquelas praias de águas mornas.  Não sei explicar, Nordeste para mim é sinônimo de praia. Nestas andanças, conheci praias dos sete Estados, só faltando o Piauí e o Maranhão.  Os amigos não entendem porque eu gosto tanto de lá visto que eu não como peixes nem frutos do mar.

Graças a mais uma promoção da Gol, viajarei logo após o Carnaval para Florianópolis. Estávamos em dúvida entre Bonito e Florianópolis.  Optamos pela última por ser verão e querer aproveitar a praia.  Confesso que eu fiquei um pouco arrependida pois eu tenho uma certa implicância (para não dizer horror) com águas geladas.  Porém, são tantos elogios ao lugar que acabei me animando.  Compramos passagens para Florianópolis por R$ 65 o trecho. Uma barbada!

Circulando por Floripa

O deslocamento pela ilha de Santa Catarina de transporte público é complicado pois os intervalos entre as linhas de ônibus são grandes e dizem que o táxi é caro, por isso a nossa idéia é alugar um carro já no aeroporto.  Estamos pesquisando ainda locadoras mas a média das diárias que estou encontrando é de R$ 100, com quilometragem livre em carro popular com ar condicionado.

A princípio, vamos conhecer as praias de carro e à noite, descansar ficando em um lugar onde seja mais movimentado, com bares, restaurantes e lugares descolados.

Hospedagem

Muitos sites de viagem recomendam se hospedar no Centro para facilitar a locomoção mas como estaremos de carro e como li que no Centro não há tanta coisa para fazer à noite, escolhemos ficar na Lagoa da Conceição, por indicação de amigos.

A Lagoa da Conceição é enorme, qual o melhor lugar para ficar? Ninguém sabia explicar. Nem foi fácil achar esta informação. Até que descobrimos que a maioria das pousadas e estabelecimentos comercias estão numa parte que chamam Centrinho da Lagoa, próximo a Avenida das Rendeiras.

O que conhecer

Serão cinco dias inteiros.  Pouco tempo para conhecer as mais de quarenta praias da cidade. Particularmente, eu gosto de passar o dia inteiro em uma única praia.  Não gosto de fatiar o dia, acho que fica a sensação de “viu, tá visto!”, não aproveitando o lugar.  Prefiro lagartear e admirar a paisagem.

A ilha de Santa Catarina: o que fazer

A atração principal é a praia. O mapa ajuda a entender um pouco a ilha.  As praias mais frequentadas são as do litoral leste e norte. Nem todas as prais tem águas geladas como eu imaginava.  O sul e o leste da Ilha possuem águas frias, com influências de correntes da Antártida. As águas do litoral norte são sempre mais quentes.  Há praias próprias para os amantes do surf e praias mais calmas, adequadas para famílias com crianças.

1. Litoral norte: Santinho, Ingleses, Lagoinha de Ponta das Canas, Ponta das Canas, Cachoeira do Bom Jesus, Canasvieiras, Jurerê e Daniela.

  • Daniela, Lagoinha, Ponta das Canas – mais adequada para crianças;
  • Canasvieiras – a preferida dos argentinos;
  • Jurerê – praia próxima do condomínio mais caro da ilha, Jurerê internacional. Há vários beach lounges nos moldes da Europa como o Parador P-12 e o Café de La Musique.

2. Litoral leste: Joaquina, praia Mole, Galheta e Barra da Lagoa

  • Joaquina – praia mais popular da ilha. Própria para surf.
  • Mole – tem areia branca e fofa e mar proprício para o surf.  Há inclusive uma estátua que faz a alusão ao surf.

3. Litoral sul: Armação, Lagoinha do Leste, Pântano do Sul e praia da Solidão

  • Lagoinha do Leste – considerada a praia mais bonita de Florianópolis. Praia selvagem e que para chegar e necessário percorrer uma trilha a partir de Pântano do Sul (45 minutos);
  • Campeche – água fria e mar com correntezas e ondas;

Lagoa da Conceição

Há passeios de escuna e de pedalinho no Centrinho.  É recomendável dar uma olhada nos relatórios de balneabilidade.  Além do Centrinho, há a Costa da Lagoa onde há restaurantes caseiros especializados em frutos do mar. O acesso mais rápido é de barco a partir do Centrinho da Lagoa.

Ponte Hercílio Luz e os mirantes

A ponte Hercílio Luz é a maior ponte pênsil do Brasil e foi a primeira ligação rodoviária entre a ilha e o continente. A ponte atualmente está em fase de obras de restauração.

Há três pontos conhecidos para apreciar a vista panorâmica de Floripa: morro da Cruz, no Centro e em dois pontos distintos na Lagoa da Conceição (um deles é próximo ao restaurante Ponto de Vista).

Passeios de barco

Há dois passeios: um deles visita a baía dos Golfinhos e as ilhas de Ratones Grande e de Anhatomirim. Em cada ilha há um forte: Santo Antonio e Santa Cruz, respectivamente. Os barcos saem do trapiche da Beira-mar, no Centro e de Canasvieiras. A diferença é que os barcos que saem de Canasvieiras não param na ilha de Ratones.

O outro passeio é visitar a ilha de Campeche. A ilha é tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) devido aos sítios arqueológicos com suas inscrições rupestres e monumentos líticos. Para conhecê-los é necessário percorrer trilhas monitoradas.  É cobrada taxa para isso com a finalidade de preservar a ilha.

Nossa ideia é conhecer as populares como a Mole, Joaquina e Jurerê e talvez fazer um passeio de barco.  Assim que voltar de viagem, faço um resumo bem explicado dos lugares por onde passei, contando as minhas impressões.

 

 


Página 1 de 1 1