Você está vendo os artigos na categoria “Destaques”

Buenos Aires – o resumo

5 março 2011

O essencial

Documentos necessários para visitar a Argentina

  • Carteira de identidade expedida por Estado da federação com validade nacional (apenas as carteiras emitidas pelas Secretarias de Segurança Pública. Não serão aceitas identidades expedidas pelas Forças Armadas nem as expedidas de órgãos como OAB e CREA);
  • Carteira de identidade para estrangeiro expedida pela Polícia Federal;
  • Passaporte;

De acordo com as regras do Mercosul, a validade dos documentos é a estabelecida pelo país emissor. Na Argentina, a validade é de 10 anos. No caso do Brasil, não há validade. Então, um argentino só poderá ingressar no Brasil com o documento de identidade cujo prazo tenha 10 anos ou menos.

Sendo assim, não há necessidade da identidade ter menos de 10 anos de expedição, como alguns acreditam. O que vale é o estado de conservação do documento. Pois, caso a foto não seja o suficiente para identificar o portador do RG, podem ser exigidos outros documentos.

Fuso Horário

A hora em Buenos Aires é a mesma de Brasília: GMT – 3

Moeda

A moeda é o peso argentino.
Símbolo: $
Código ISO 4217: ARS

Trago dólares, pesos ou reais?

Atualmente, o dólar.  Não vale mais a pena usar o cartão de crédito na Argentina (até porque logo depois que eu estive aqui, a Dilma aumentou o IOF para 6,38% para compras no cartão) nem trocar o dinheiro no Banco de La Nación. Infelizmente, o país vizinho está com inflação. E com a política de restrição para compra de dólar, criou-se dois mercados: o oficial e o paralelo. O real na segunda semana de maio de 2013 está valendo 2,50 pesos no câmbio oficial. Nas ruas, o real vale até 3,70 pesos dependendo da quantidade que você troca.  Há lojas que você pode pagar em reais a cotação de 4 pesos. Mas não se anime muito pois mesmo com o câmbio negro, os preços ficam muito parecidos com os do Brasil.

Se vier com dólar é mais vantajoso ainda. A cotação para dólar oficialmente está a 5,25 pesos. Mas no câmbio paralelo, está de 8 a 9 pesos.  Então, traga reais e se puder, dólares. Troque pouco, vai que é falso? Depois, se ver que deu tudo certinho, troque mais. Ah, tenha bastante real trocado porque em muitos lugares, inclusive o free shop, aceitam os reais mas na hora de dar troco, eles só tem peso. Então, fique de olho!

Como chegar em Buenos Aires

Conexão aos aeroportos
Os voos desde o Brasil chegam aos aeroportos Ezeiza (Aeropuerto Internacional Ministro Pistarini de Ezeiza – EZE) e o Aeroparque (Aeroparque Internacional Jorge Newbery – AEP).

Do aeroporto Ezeiza até o hotel
Ezeiza está a pouco menos de uma hora do centro de Buenos Aires. Além do táxi, há outras opções para chegar lá:

  • Ônibus com ar condicionado : A empresa que faz o transporte de de Ezeiza até o centro da cidade chama-se Manoel Tienda León. Saídas a cada 30 minutos.  O ponto final é no terminal da empresa, no bairro de San Martín.  O tempo de viagem é de 40 minutos. Preço: 50 ARS 75ARS   Importante: dólares são aceitos. Eu paguei $17 dólares. O ônibus ainda tem wi-fi gratuito!

No terminal em San Martín, use o serviço de transfer em van ou carros menores até o local desejado.  De lá até a Calle Florida, próximo a Falabella, paguei mais 5 pesos. (Atualização maio/2013: hoje estão cobrando 15 pesos para quem está hospedado no Centro).

  • Remis:  É um tipo de táxi com a diferença do preço já ser combinado antes. De Ezeiza até a Calle Maipu, próximo às Galerías Pacífico, eu paguei 129 pesos. (Atualização maio/2013: não use o remis da Manuel Tienda León. Está muito caro!  Custa 310 pesos. Use os táxis oficiais. Preço da corrida até o Microcentro: 200 a 220 pesos.

Do Aeroparque até o hotel
O Aeroparque fica próximo ao Centro, mais precisamente no bairro de Palermo. Aqui o mais recomendável é ir de táxi até o Centro.  Cuidado com as notas falsas.

 

Onde ficar

Na minha opinião, para uma primeira vez é interessante ficar no “Centro”, o bairro de Montserrat. Fiz praticamente tudo a pé. Das próximas vezes, ficarei em Palermo ou Recoleta pois pretendo alugar apartamento nestes bairros. Para quem pretende alugar apartamentos, veja o site ByTArgentina.

Dicas de Hospedagem

Hotel Dazzler Tower Maipu
http://www.dazzlertowermaipu.com/
Calle Maipu, 850.
Próximo ao shopping Galerías Pacífico.
Quartos espaçosos, não acarpetados, café da manhã bom e ar condicionado eficiente. Há computadores com acesso a internet no hall além de internet wifi gratuita disponível nos quartos. O tipo do nosso quarto foi “Classic room-European Plan”.

Circulando

Face ao câmbio real x peso, os táxis são muito baratos.  Só tenha cuidado com a circulação de notas falsas.  Uma dica que eu li na internet é dar dinheiro trocado. Nada de entregar notas de 100 pesos, há golpes com notas deste valor. Fique esperto!

Buenos Aires possui uma ampla rede de metrô ainda mais quando comparada com o Rio de Janeiro.  O metrô é chamado de SUBTE e tem seis linhas que cobrem boa parte do roteiro turístico. As estações do SUBTE você as identifica com o símbolo circular e a cor da linha.  O mapa do metrô está disponível aqui.

Caso pretenda andar de ônibus, a dica é comprar o Guia T de bolso.O guia traz o itinerário de todas as linhas de ônibus da cidade, mapas e índice remissivo. Importante dizer que os ônibus não tem cobradores e os motoristas não têm duas funções acumuladas.  Você precisará tanto para o ônibus quanto para o metrô comprar e recarregar o cartão SUBE.

 

Roteiros

Buenos Aires é uma cidade ótima para se conhecer a pé.


Visualizar Buenos Aires em um mapa maior

A cidade é plana e tem a facilidade de cada quadra medir 100m. Repare nas placas ao andar no Microcentro. Sempre em números redondos. Se tiver que andar três quadras, saiba que serão 300m a percorrer. Simples assim. Então, de posse de um bom mapa, de um guia de bolso para saber um pouco dos pontos turísticos e de muita disposição dá para conhecer bastante coisa e do melhor modo: a pé. Para os lugares mais distantes, dá para usar o transporte público e táxi, com os devidos cuidados com as notas falsas.


Básico


1° dia: Plaza San Martín, Calle Florida, Plaza de Mayo e Puerto Madero

Destaques: Calle Florida, Casa Rosada, Catedral Metropolitana, Coverta Uruguay e Puente de las Mujeres
Início: Plaza San Martín (SUBTE: Retiro, linha C)

A Plaza San Martín  é um lugar agradável para se passar a tarde.  Nesta praça está o Monumento de Los Caídos e a Torre dos Ingleses.

Da Plaza San Martín, seguimos a calle Florida (calle é rua em espanhol e a pronúncia da rua é floRIda).  A calle Florida é ponto de encontro de turistas. Há um constante vai-e-vem de pessoas, uma variedade grande de lojas vendendo artigos de couro e lojas de departamento como a Fallabella, Lacoste, a Zara e o shopping Galerías Pacífico.  Final de tarde, começam a aparecer os camelôs vendendo toda a sorte de produtos.  Outra curiosidade é algumas pessoas gritando por câmbio e shows de tango.  Por falar em tango, na calle Florida há dois bons shows de tango: o do Centro Cultural Borges (no Galerías Pacífico) e o Piazzolla Tango (na Galería Guelmes).

Observe o teto do shopping Galerías Pacífico, compre um alfajor no quiosque da Havanna e experimente o sorvete Freddo. Tudo o que um turista de primeira viagem faz!

Siga até a Plaza de Mayo. Conheça a Catedral Metropolitana, onde está o túmulo do General San Martín, o libertador da Argentina, Chile e Peru. Se for final de semana, aproveite e já faça a visita guiada e gratuita à Casa Rosada (aos sábados e domingos) e conheça a feira de San Telmo (somente aos domingos).   Da Plaza de Mayo, siga a pé até o bairro de Puerto Madero, para tal basta contornar a Casa Rosada.

A sugestão é passar a tarde no bairro de Puerto Madero, almoçando em um dos restaurantes do charmoso bairro.  Eu recomendo o  El Potrillo e o Bahia Madero.  Conheça a Puente de Las Mujeres, a Coverta Uruguay e a Fragata Sarmiento.

O bairro de Puerto Madero dispõe de um serviço de trens chamado de Tranvía del Este ou metro ligero.  A linha férrea é paralela a  avenida Alice Moreau de Justo, entre as avenidas Independência e Córdoba.  O bilhete é comprado em máquinas instaladas em cada uma das quatro estações.  Não há bilheterias, tal qual nos moldes de algumas cidades européias.

Observação: nem pense em dar uma de esperto, em cada estação aparece um cobrador, exigindo o bilhete.

Pegue o metro ligero na estação Independencia e desça na última estação, a Córdoba.  De lá, pegue um táxi para seu hotel ou ande pela avenida Eduardo Madero e volte ao ponto inicial, a Plaza San Martín. Uma alternativa é seguir a Avenida Alicia Moreau de Justo (que depois se chamará Antártida Argentina) até a calle San Martín, já no Retiro. Outra alternativa: Seguir a Córdoba rumo ao Obelisco, Av. 9 de Julio.

Dica: Na Avenida Eduardo Madero é onde se localiza o terminal de ônibus da Manuel Tienda León. Se você pretende voltar de ônibus para o aeroporto de Ezeiza, certamente é de lá que sairá.

À noite, recomendo assistir ao show de tango do Centro Cultural Borges, no shopping Galerías Pacífico.  Barato, bom e frequentado por argentinos. Não é necessário chegar com antecedência.

2° dia: Plaza de Mayo, Avenida de Mayo, Plaza del Congreso, livraria El Ateneo, Avenida 9 de julio e Teatro Colón

Destaques: Casa Rosada, Livraria El Ateneo, Obelisco e Teatro Colón
Início: Plaza de Mayo

Plaza de Mayo (Catedral Metropolitana, Casa Rosada).  Siga a Avenida de Mayo.  Pare no Café Tortoni (o mais antigo da cidade) e tome um cafezinho. Mais adiante há a Plaza do Congreso com a réplica da estátua do Pensador.

Siga a Av. Callao até livraria El Ateneo Gran Esplendid, na Avenida Santa Fé.  Esta livraria é considerada a segunda mais bonita do mundo (qual será a primeira?).  No subsolo há um parte voltada para as crianças.

De lá, vá até a Av. 9 de Julio, considerada a mais larga do mundo.  Ande até o Teatro Colón e agende a visita-guiada gratuita para o próximo horário.  Depois, tire fotos do Obelisco.  Cruze a 9 de Julio e siga a Calle Lavalle,  rua de pedestres com diversos restaurantes com preço mais em conta.   Aqui eles chamam a rua de pedestres de pasaje peatonal. Da Lavalle ande até a Calle Florida.

Barbada do dia:  A Cartelera.  Lugar onde você pode comprar bilhetes de teatro, shows de tango e cinema a um preço mais em conta. Compramos o show de tango no Piazzola Tango (recomendo!) muito mais barato e a única diferença foi que não havia transfer para o hotel.  A Cartelera fica na quadra entre Calle Esmeralda e a Calle Maipú.

Caminito e Boca

3° dia: Caminito, Boca e Abasto

Destaques: Caminito, Estádio do Boca Juniors, Museu Boquense, Shopping Abasto e Museu Carlos Gardel
Início: Caminito

Pegue o táxi e vá para o Caminito, uma rua de 100m com casebres coloridos.  Não precisa ir muito cedo. Dançarinos de tango se oferecem para dançar com você, mediante um bom pagamento, lógico.  Não compre lembrancinhas ali.  A duas quadras está o Estádio do Boca Juniors.  Se gostar de futebol, há um tour no Museu Boquense, que o visitante conhece os vestiários, pisa no gramado e ergue a taça.

Não é necessário ir antes das 9h para o Caminito.   O Museo Boquense não abre em dias de jogos.  Há agências que oferecem serviços de transfer+ guia + ingresso com segurança para assistir jogos do Boca Jrs.  Siga de ônibus ou táxi até a Plaza de Mayo e pegue o SUBTE para a estação de Abasto.  Ao sair da estação, logo verá o Shopping Abasto.  Perto do shopping, há a casa de tangos Esquina Carlos Gardel e a poucos metros o Museu Carlos Gardel.  Saiba um pouco mais sobre a carreira do ídolo da Argentina.  Justamente na esquina Carlos Gardel está uma das melhores casas de tango da cidade: o Esquina Carlos Gardel.  O show com jantar custa cerca de 300 pesos.

[/wptabcontent]

Recoleta e Palermo

4° dia: Recoleta e Palermo

Destaques: Cemitério da Recoleta, Centro Cultural Recoleta, Buenos Aires Design, Floraris Metálica, Museu de Belas Artes, MALBA, Parque Tres de Febrero, Jardim Japonês, Parque Tres de Febrero, Rosedal, Planetário, Jardim Zoológico, Museo Evita e Jardim Botânico.

Início:  Faculdade de Derecho, bairro Recoleta.

Pegar um ônibus para o terminal ao lado da faculdade de Direito. Logo ao lado da faculdade está a Praça Nações Unidas, onde está a Floraris Metálica.

Atravessando a rua ou subindo a ponte, estão próximos o Museu Nacional de Belas Artes, o Cemitério da Recoleta, o Centro Cultural Village Recoleta e o shopping Buenos Aires Design. O Buenos Aires Design é ótimo para comprar mimos estilosos para o lar. Não deixe de ir à loja Morph.

Volte à faculdade de Direito e siga a Av. Figueroa Alcorta até chegar ao MALBA.  É neste museu que está o quadro Abaporu, de Tarsila do Amaral.

[/wptabcontent]

Extras


Se tiver um tempo extra na cidade, há muitas coisas interessantes para ver na cidade e nos arredores como:

  • Feira de San Telmo: Feira de antiguidades muito popular.  Só abre aos domingos;
  • Se tiver mais tempo, dedique um dia para o bairro de Palermo.  Adoramos aquilo lá!
  • Zoológico de Luján: Tenha a experiência incrível de entrar na jaula dos leões e dos tigres.  Dê doce aos ursos e interaja com outras espécies.  Imperdível;
  • Passeio de um dia pelo delta do rio Tigre
  • Passeio de um dia a Colonia del Sacramento, Uruguai: O Uruguai está a uma hora de barco rápido de Buenos Aires.
  • Parque Teimakén
  • Parque de la Costa: parque de diversões a poucos Km de Bs As.

De todos estes, o que eu conheci foram o zoo de Luján e a cidade de Colonia del Sacramento.  Sobre estes passeios, falo a seguir com mais detalhes.

Zoológico de Luján

zoo de Luján é um zoológico diferente. A diferença é que você pode entrar na jaula com os animais e interagir.  Imagine entrar numa jaula com leões e tigres, alimentar ursos, dar leite a leões! Experiência incrível!  Reza a lenda,  que os animais são vegetarianos, bebem leite e por isso são dóceis.  Outra corrente diz que os animais são dopados. Enfim, é melhor ver e ter sua própria opinião. O zoo tem o aspecto de abandonado, um contra-senso com as pessoas que trabalham lá que parecem gostar muito do que fazem.  É normal deixar propina (gorjeta) para os tratadores. Fica na entrada da jaula. Há animais em que é proibido fotografar porque o zoo oferece serviço de fotografia.  Você tira as fotos sem compromisso. No final, você decide se quer levar as fotos no CD, a preços razoáveis.

O que eu posso dizer é que valeu muito a pena.  Não tem que assinar termo de responsabilidade. Resumindo, é por sua conta e risco.  Há dois modos de chegar lá:

  • Transfer: A empresa Fabebus faz o transporte para Luján.  A van ou microônibus te deixa a poucos metros do zoo. Basta passar por baixo do viaduto.  Não esqueça de agendar a volta. Ida e volta: 18 pesos.
  • De ônibus comum: Pegar o SUBTE linha D e descer na Plaza Italia.  Pegue o ônibus 57 (o ponto final é na Plaza Itália) e peça para o motorista te deixar no ponto do zoológico. A mesma coisa do transfer. O ponto é na rodovia. O zoo está a alguns metros, basta passar por baixo do viaduto.  A viagem dura cerca de 1 hora e meia.  Compre a passagem de volta no ponto final, se deixar para comprar em frente ao zoo terá que pagar 10 pesos (o valor da passagem) em moedas.
  • Receptivos: há várias agências que promovem o passeio para o zoológico incluindo um passeio a cidade de Luján.

 

Passeio de um dia a Colonia del Sacramento, Uruguai

Colônia do Sacramento é uma cidade uruguaia a uma hora de barco rápido de Buenos Aires. Colonia é uma cidade charmosa, histórica que passou sua existência ora sob o domínio de Portugal, ora sob o domínio espanhol;A cidade esteve sob domínio ora de Portugal e  ora da Espanha. Era considerada estratégica devido a sua localização.  A cidade é muito charmosa com o clima de tranquilidade, edificações históricas e os carros antigos.  Em uma tarde dá para conhecer o centro histórico.

Como chegar:  de barco comum (3h) ou de barco rápido (1h).
Onde comprar o ingresso:  as companhias que fazem o trajeto são a Buquebus, a Seacat e a Colonia Express.

O bilhete pode ser comprado com antecedência na internet ou em Buenos Aires em diversas agências e nos escritórios das companhias.  Na avenida Córdoba, praticamente as três estão no mesmo quarteirão:

  • Seacat – Av Córdoba, 772
  • Colonia Express – Av. Córdoba, 753
  • Buquebus – Av. Córdoba,  867

O passeio chamado Daytour em Colonia inclui café espartano (café com medialuna ) e o city-tour em Colonia.  Há também a opção que inclui o almoço.  Os barcos saem às 08:30 e retornam às 16:00. Mais do que o suficiente para conhecer a cidade. Ao chegar em Colonia, o guia turístico estará esperando o grupo para iniciar o city-tour.

Lembre-se de chegar uma hora antes em ambos terminais por causa dos procedimentos de imigração.  Não esqueça do passaporte ou do RG com o papel de entrada na Argentina.

 A diferença entre as três companhias vem descrita neste post do site Viaje na Viagem: http://www.viajenaviagem.com/2011/02/de-buenos-aires-a-colonia-buquebus-x-colonia-express-x-seacat/

[/wptabcontent]

Ônibus turístico

Em Buenos Aires, há o serviço de ônibus turístico Buenos Aires bus.  O percurso tem 12 paradas nos principais pontos da cidade e conta com serviço de áudio disponível em várias línguas, inclusive o português com um sotaque castelhano. Compre o bilhete válido por 24 horas ou 48 horas em qualquer um dos pontos de parada.

À medida que passa pelos pontos turísticos tanto no 1° como no 2°andar há TVs LCD que mostram a imagem dos pontos simultaneamente com a gravação, assim fica fácil do usuário localizar esculturas, monumentos e lugares.

O início do percurso é na Av. Pte. Roque Saenz Penã, 846.  Esta avenida cruza com a Calle Florida. O preço do bilhete 24h é 150 pesos e o de 48 horas, 190pesos. www.buenosairesbus.com

Na minha opinião, acho que para uma primeira vez, vale a pena ter uma idéia da cidade usando o bus turístico.  Além disso, temos a oportunidade de conhecer um pouco sobre a história dos lugares com o serviço de áudio.  Depois, para os outros dias, a melhor maneira de conhecer Buenos Aires é a pé.

Atualização em maio de 2013: O Buenos Aires bus custa 120 pesos e agora vem com um cartão de descontos cujo valor é 30 pesos. Distraí-me e esqueci de questionar o valor do cartão, já que hoje em dia não é vantagem comprar em Buenos Aires. Então, se for utilizá-lo, pergunte se pode pagar apenas o tíquete do bus.

Os shows de tango tradicionais oferecem em conjunto o show, a comida e bebida incluída (refrigerante, vinho e/ou água).  Alguns oferecem também o transfer.  A média de preços é de 100 dólares. Destas casas de tango, as que eu assisti são:

  • Centro Cultural Borges: O Centro Cultural Borges fica no shopping Galerías Pacífico. Há vários shows de tango (apenas o show sem jantar). Sugiro assistí-los primeiro.
  • Madero Tango: Tango-show com direito a transfer, jantar, aula de tango depois do show e uma foto gratuita.
  • Piazzolla Tango: tango show excelente. O Piazolla Tango fica na Calle Florida, no Microcentro. Pague mais barato mas sem direito a transfer na Cartelera na calle Lavalle.

Da primeira vez que fui a cidade, assisti aos shows de tango do Centro Cultural Borges, no 2°andar do Shopping Galerías Pacífico.  Neste não há refeições inclusas, somente o show.  Também foi o que havia mais argentinos.  O ingresso mais caro, colado ao palco, custa 150 pesos.  Isto significa que mesmo que seu orçamento esteja apertado, dá para assistir tango.

 

Quer saber mais?

Há muita informação no site oficial da cidade: http://www.buenosaires.gov.ar/

Mapa interativo: http://mapa.buenosaires.gob.ar/
Mais informações: http://www.bue.gob.ar/

Atualização: Preços em maio/2013.



Categorias: Destaques
Tags:

Los Roques – o resumo

7 julho 2010

O arquipélago de Los Roques é um destino caribenho pertencente a Venezuela.  A ilha de Gran Roque é a principal. É onde estão as pousadas, o aeroporto e toda a infra-estrutura turística.  De Gran Roque saem os barcos para os passeios para as praias.

Fuso horário com relação a Brasília:  1h30 a menos.

› continue lendo



Categorias: Destaques
Tags:

Munique – o resumo

5 novembro 2009

Como chegar

  • De avião:  Aeroporto Internacional  Franz Josef Strauss (München Flughafen Franz Josef Strauß) está a 40 minutos de Munique (S-bahn S8).
  • De trem: Estação Hauptbanhof, a estação central da cidade, de onde chegam trens de outros países.

Quanto tempo ficar

  • Dois dias inteiros são o suficiente para conhecer todo o roteiro turístico da cidade.
  • Metade de um dia para conhecer o campo de concentração de Dachau;
  • Um dia para conhecer os castelos da cidade de Fussen;
  • Um dia para conhecer  Salzburgo;

Transportes

A malha de transportes da cidade é complexa. Há ônibus, bondes (tram) e os trens subterrâneos U-bahn e de superfície S-bahn. É fácil saber onde tem uma estação: siga as plaquinhas do U ou do S. Com uma pontualidade de dar inveja a qualquer britânico.

logotipo do U-bahn

Logotipo S-bahn

Os bilhetes: Um dos grandes desafios foi entender a máquina de compra de bilhetes. Nas estações não há atendentes que estão nos balcões para você comprar uma passagem (uma exceção: a estação do aeroporto).  É tudo automatizado.

A cidade é dividida em  zonas e há vários tipos de bilhetes (bilhete simples, bilhete diário, bilhetes para uma única pessoa e bilhetes para grupos).

Bilhetes diários (tageskarte)

Este bilhete é válido até às 06:00 do dia seguinte ao que você comprou.

  • Bilhete diário para uma única pessoa: München XXL Single-Tageskarte
  • Bilhete para grupos (2 a 5 pessoas): München XXL Partner-Tageskarte

O bilhete para grupos é digno de elogios.  É uma grande economia para famílias, grupo de amigos, etc. Eu conheci os castelos de Fussen graças a idéia de um americano em juntar as pessoas do hostel, com isso tive a oportunidade de economizar os valiosos euros e de quebra, conheci muita gente legal.

Importante é validar o bilhete. Validar é carimbar o bilhete em uma das máquinas  da estação.  Não há roletas. Você compra o bilhete, valida-o e espera o trem chegar. Não tente dar uma de espertinho, embora pareça que não há fiscalização, ela existe e se você for pego a multa é cerca de 40 euros.

Site para informações sobre transportes em Munique: http://www.mvv-mobil.de/en/home/index.html

 

O que conhecer | Munique

O ideal é fazer um tour pela cidade. Ajuda a ter uma noção do espaço e depois do que quer rever se sobrar tempo. Dá para conhecer quase tudo a pé. Eis um mapa dos atrativos da cidade.

Marienplatz

Viktualienmakt – um mercado a céu aberto com diversas barracas com os quitutes alemães. Prove um sanduíche com uma autêntica linguiça bávara.

Englischer Garten – Parque da cidade, duas vezes maior que o Central Park de Nova Iorque.  É conhecido por suas cervejarias e o hábito que algumas pessoas têm de tomar banho de sol nuas.

Olympiazentrum (Olympiapark) – Sede das olimpíadas de 1972, que ficou marcada com o atentado contra atletas israelitas.

Palácio de Nymphenburg

Allianz Arena – O estádio construído para a Copa da Alemanha em 2006.

 

Os arredores de Munique

1. Campo de concentração de Dachau

O primeiro campo de concentração.  No dia 22 de março de 1933, o campo de concentração de Dachau entrou. Inicialmente, foi um campo de trabalho forçado.  Quarenta e três mil pessoas morreram ali, principalmente de fome e enfermidades.

Como chegar a Dachau

  • Pegar o S-Bahn S2 (Peterhausen) e descer na estação de Dachau
  • Seguir a multidão até chegar ao ponto do ônibus 726 (Dachau/Saubachsiedlung).
  • A entrada do Memorial está a uns dois minutos do ponto de parada.

Observações:

  • Entrada livre
  • A entrada dá direito a assistir um documentário de aproximadamente 20 minutos.
  • Aberto diariamente de terça a domingo, inclusive feriados. De 09:00 às 17:00.
  • Não abre às segundas.
  • Áudio-guia com mapa informativo:  € 3,00

Dica: Leve um lanche e uma garrafa de água pois lá não há lanchonetes.

2.Castelos de Neuschwanstein e Hohenschwangau

Schwangau e Fussen são lugares dignos dos contos de fadas. É imperdível a visita aos castelos de Neuschwanstein (em português: novo cisne de pedra) e Hohenschwangau.

Como chegar a Füssen

  • Na estação Hauptbanhof, pegar o trem regional (DB – Deutsche Bahn) para Füssen;
  • Descer em Füssen, seguir o fluxo de pessoas até o ponto de ônibus;
  • Pegue o ônibus RVA/OVG 73 (Steingarden/Garmisch-Partenkirchen) ou RVA/OVG 78 (Schwangau);
  • Verifique o horário de retorno do ônibus;
  • Subindo uma pequena ladeira, chegará a Bilheteria Central.  Os tíquetes só podem ser comprados ali.

A entrada nos castelos só é permitida  em tours guiados.  O tour em cada castelo custa € 9,00.  No bilhete há escrito o número do tour e o horário da visita. O Royal ticket permite você visitar os dois castelos no mesmo dia.  Primeiro, o castelo dos pais do rei Ludwig II.  Duas horas depois, você visita o Neuschwanstein. A duração de cada tour é de aproximadamente 35 minutos.

Há três maneiras de se chegar aos castelos:

  • A pé: caminhada de 20 minutos (Hohenschwangau) e 40 minutos (Neuschwanstein);
  • Carruagem : Para o Neuschwanstein, as saídas são no Hotel Müller (subida € 6,00 e descida € 3,00). Para o Hohenschwangau, as saídas são no “Ticket Center” (subida € 3,50 e descida € 1,50)
  • Ônibus (somente para o Neuschwanstein): subida € 1,00 e descida € 2,60.  O trajeto inicia-se no Schlosshotel Lisl e termina na Marienbrucke.  De lá até o castelo, anda-se mais quinze minutos aproximadamente.

Obs.: É proibido fotografar o interior dos castelos.  A melhor vista é na ponte Marienbrucke.  Digna de cartão-postal.

Kit de sobrevivência para bolsos magros

Supermercado – Eu ia muito ao supermercado Aldi.

Pequeno Vocabulário de Alemão

Platz – praça
Brucke – ponte
Schloss – palácio
Strasse  – rua
Kirche – igreja
markt – mercado
garten – jardim
bier – cerveja

Obs.: Viagem realizada em maio/2009.



Categorias: Destaques
Tags:

Berlim – o resumo

5 novembro 2009

Como Chegar

Há dois aeroportos: Tegel (TGL) e Schonefeld (SXF).  Em 2009, o aeroporto de Tempelhof já estava fechado.  Provavelmente se você vier de cia low-cost,  o vôo chegará em SXF.
Do Schonefeld para Berlim, a viagem dura aproximadamente 50 minutos.

Onde ficar

O bairro descolado e moderninho do Mitte. Fiquei neste bairro, no hostel The Circus. Fiz quase tudo a pé. Há um hotel chamado Circus também, bem elogiado no site Viaje na viagem.

Quanto tempo ficar

  • Três dias inteiros na primavera/verão são o suficiente para conhecer todo o roteiro turístico da cidade.
  • Acrescente mais um dia para conhecer Postdam
  • Acrescente mais um dia para conhecer o campo de concentração de Sachsenhausen (na verdade, este campo era um campo de trabalho. Havia outros tipos de campos: concentração, trabalho e extermínio)

Transportes

O sistema de transportes alemão é bem complexo. Há ônibus, bondes (tram),  metrô (U-bahn) e  trem (S-bahn). É fácil distinguir onde tem uma estação: siga as plaquinhas do U ou do S. Nas estações dos aeroportos há mapas de transporte. Ah e com uma pontualidade de dar inveja a qualquer britânico.

Os bilhetes: A cidade é dividida em três zonas: A, B e C. A parte turística está nas regiões A e B. Para as regiões AB, você pode comprar dois tipos de bilhete: oEinzelfahrschein (bilhete simples) e o Tageskarte (bilhete válido por o dia todo).

O tageskarte dá direito a usar todos os tipos de transporte público, quantas vezes quiser, a partir do momento que valida o bilhete até as três da manhã.

O bilhete simples dá direito a usar todos os tipos de transporte público, quantas vezes quiser, a partir do o momento que valida o bilhete até duas horas depois, com o detalhe que só pode ser usado em viagens em uma única direção. Tem que voltar uma estação? terá que comprar outro bilhete.

Há ainda o Kleingruppenkart, útil para quem viaja em grupo. Pode ser usado por até cinco pessoas. O esquema é o mesmo do bilhete simples.

Se for visitar museus, vale dar uma olhada no Berlin Welcome Card.

Conexão aos aeroportos de Tegel (TXL) e Schönefeld (SXF)

A região C só é usada se quiser ir até o aeroporto de Schonefeld ou ir a Postdam. Se você já tem o bilhete para as regiões AB, basta pedir uma extensão de bilhete. A extensão só pode ser usada com um bilhete principal e também deve ser validada. A partir do momento da validação, o seu uso pode durar até duas horas.

a) Aeroporto de Schönefeld:  S-bahn (S9 e S45) e trens regionais (RE7 e RB14).
O S9 para em algumas das estações mais movimentadas como a Alexanderplatz, Friedrich-strasse, Hauptbannhof, Zoologischer Garten e Ostbannhof.
O trens regionais RE7 e RB14 param nas estações Ostbannhof e Zoologischer Garten , Hauptbannhof e Alexanderplatz.

b) Aeroporto de Tegel: ônibus 109, TXL, X9 e 128.  Estes ônibus param no terminal A. Você compra o tíquete na BVG do aeroporto ou diretamente com o motorista.
O TXL Express para nas estações de trem Hauptbannhof e Alexanderplatz.  A viagem dura de 30 a 45 minutos.
Os ônibus 109 e X9 levam à Berlim Ocidental (direção Zoologischer Garten). A viagem dura de 5 a 20 minutos.

Barbada: os ônibus 100 e 200

As linhas de ônibus urbano 100 e 200 passam em todas as atrações turísticas da cidade. Compre o Tageskarte.

Itinerário do ônibus 100 (Veja na seção Download, no canto inferior direito da tela. Clique em linienverlauf bus 100).

Itinerário do ônibus 200 (Veja na seção Donwload, no canto inferior direito da tela. Clique em linienverlauf bus 200).

O que conhecer

O ideal é fazer um tour pela cidade. Ajuda a ter uma noção do espaço e depois do que quer rever se sobrar tempo. Dá para conhecer quase tudo a pé. Eis um mapa dos locais mais interessantes da cidade. Praticamente o roteiro em azul foi o roteiro do tour grátis em 2009.

O resumo dos lugares por onde passei está no post http://www.omundoaosmeuspes.com.br/9%C2%B0-dia-roteiros-em-berlim/

Visualizar Berlim em um mapa maior

Tour guiados

Há tours tanto a pé como de bicicleta sobre a Guerra Fria, o Muro de Berlim e Segunda Guerra Mundial.

Conhecendo Berlim a pé

Free tour da Sandeman – O melhor free tour que eu fiz. Melhor que o de Paris. O ponto de encontro é a Starbucks próxima ao Portão de Brandemburgo.

Tour da Brewers – Quando eu pesquisei sobre tours guiados em Berlim, verifiquei que o mais elogiado era o da Brewers. Só não o fiz porque o meu inglês é péssimo. É praticamente o dia todo. Encontrei uma brasileira em Munique que só confirmou o que eu li.

Tour de bicicleta: www.fattirebiketoursberlin.com

Os arredores de Berlim

Postdam

A capital do Estado de Brandemburgo, teve seu centro histórico destruído Força aérea britânica durante a Segunda Guerra. Entretanto, os maiores atrativos da cidade são os vários castelos e parques. O principal é o Parque de Sanssouci (residência de verão de Frederico, rei da Prússia). Postdam é patrimônio histórico da humanidade. Há tours pagos para lá. Eu fui sozinha mas tive dificuldade em me deslocar pela cidade, pois os intervalos entre os ônibus são grandes.

Campo de concentração de Sachsenhausen

Inicialmente, os centros de detenção construídos pelos nazistas eram para os considerados inimigos do Estado. Chamados de campos de concentração pois nestes os detentos estavam fisicamente concentrados. Construído em 1936,  Sachsenhausen era campo de trabalho forçado. Converteu-se em modelo para os demais campos.  Também foi prisão para inimigos do regime soviético no período de 1945- a 1950.  Localizado a meia hora de Berlim, na cidade de mesmo nome.



Categorias: Alemanha Berlim Destaques Europa
Tags:
Página 2 de 2 12