Chegando em Santiago do Chile

22 abril 2013

O voo

O nosso voo foi pela LAN. Foi a primeira vez que voei pela companhia e só tenho a elogiar os serviços. A única coisa que tenho a reclamar foi do desconforto do assento mas isso é um mal da classe econômica.  Não há telas individuais mas no voo passou um filme dublado em espanhol ou  no idioma original (inglês).  A LAN ofereceu um bom jantar: um sanduíche, sobremesa, bebidas (água, suco, refrigerante, cerveja e vinho – a escolher) e o que eu achei uma surpresa foi ver que os talheres eram de metais. Pensei que estivessem proibidos. Nem na Air France tem talheres metálicos.

Nosso voo saiu tarde do Galeão e chegou pouco antes da meia-noite no aeroporto de Santiago.  Durante o voo, a comissária entrega os papéis da imigração (por isso é importante você ter em mãos caneta e o endereço do hotel ou apartamento que ficará no Chile).  Preste atenção: um papel é da Imigração e o outro é da “Vigilância Sanitária” chilena.  Se estiver levando algum produto natural como mel, leite, castanha, você tem que declarar. Não tente bancar o espertinho, pois a sua mala passará por raio X.

Ao desembarcar, você entrega o formulário de imigração preenchido para o agente.  Mesmo estando com passaporte, ele dá uma cópia do formulário para você. Guarde bem esta cópia como se fosse extensão do passaporte pois na saída você deverá entregar o papel.  Isto tudo acontece antes de você pegar as malas. Ah, se não estiver com crianças não vá à cabine policial com mais alguém. Nós duas resolvemos ir juntas à cabine e a policial fez cara feia. Depois a minha amiga esqueceu de preencher um dos papéis e novamente a policial fez uma careta!  Fazer o quê! Vivendo e aprendendo.

Depois de pegar as malas, passamos pelo raio X da “Vigilância Sanitária”. Aqui você deve entregar o outro formulário no qual você declara se está levando ou não produtos naturais consigo.

O transfer aeroporto – Bellavista

Ao ser liberado do raio X das autoridades sanitárias, a gente se depara com as cabines de táxi. Fui direto à Transvip. Havia um brasileiro atendendo. O preço do táxi privativo é 18.000 pesos ou 36 dólares. Paguei em dólares. Ao seguir o caminho indicado junto com o taxista, um senhor gentilmente nos ofereceu para carregar nossas malas (nem precisava, pois elas tinham quatro rodinhas).  Porém quando chegamos no ponto do táxi, ele veio com a história de pedir gorjeta e quando ouviu o argumento de que não tínhamos pesos, ele mostrou notas de 10 reais que segundo ele havia recebido.  Diante da minha “revolta”, dei 5 reais muito contrariada pois a minha vontade era de não dar nada. Acredita que o homem fez cara feia? Achamos que o homem era funcionário da Transvip mas não é! Fiquem de olho, hein e não caiam neste golpe!

Cuidado com os senhores que te ajudam a carregar as malas, eles não trabalham para a companhia. Ao levar até o táxi, pedem gorjeta e ficam de cara feia se der uma gorjeta pequena. Dei cinco reais mas a vontade era de não dar nada!

Fomos num Sonata e ficamos babando impressionadas com o conforto e espaço interno do carro. O motorista ficou todo orgulhoso diante os elogios 😉 Do aeroporto até o nosso apartamento, que é colado ao Pátio Bellavista, a corrida durou menos de quinze minutos.

O apartamento: Chile Apart Bellavista

O apartamento se revelou uma boa escolha. A melhor vantagem é a sua localização: rua Dardignac, próximo ao Pátio Bellavista.  Há mercados, bares, restaurantes e uma estação de metrô a uns 10 minutos andando (estação Baquedano – linhas vermelha e verde).  Em 20 minutos de caminhada, você está na Plaza de Armas.  Além disso, o apartamento está equipado com geladeira, fogão, microondas, torradeira, chaleira elétrica e todos os utensílios domésticos.  Com certeza, na próxima oportunidade ficaria aqui. Não sei se ficaria no verão, pois uma coisa que eu reparei é que o apartamento não tem ar condicionado (mas também não sei se faz o calor de Rio de Janeiro ali).

O único problema que tivemos no apartamento foi o aquecedor não ter funcionado na primeira noite, justo a mais fria! Passei um aperto! Depois, falamos com o dono do apartamento que disse não saber mexer mas que havia uma pessoa que era responsável por checar os aquecedores dos apartamentos que ele possui. Prometeu mas não veio ninguém depois porque o aquecedor não funcionou. A nossa sorte é que fez calor em Santiago nos outros dias da viagem, não esperado para o mês de abril.

Dormimos tarde para acordar cedo e ir para a Plaza de Armas fazer o Free Tour.

 

8 Comentários

  1. Lara disse:

    Oiii! Adorei teu post. Te perguntar… Não precisa de passaporte para brasileiros, né? Mas o RG precisa estar com até dez anos da emissão, confere??

  2. Rafael disse:

    Oi Pat, eu e minha esposa estamos indo pela primeira vez a santiago. essa questão de preencher os papeis da imigração esta em espanhol? é facil saber para quem entregar? e por ultimo, vc levou camera fotografica, teve algum problema com isso? pode ser bobo mas é pq a gente n sabe msm rsrs. obg.

    • Pat Alves disse:

      Oi, Rafael!
      1 – Sim, em espanhol e em inglês.
      2 – Você entregará para o Oficial de imigração. Não tem erro. Basta seguir o fluxo.
      3 – Não tive problema algum com câmera fotográfica. Sempre levo.

  3. Pamela Moreno. disse:

    Gracias querida!! gracias a tu pagina han llegado turistas a mis deptos.(Chile Apart Bellavista),disculpa los problemas con el depto.mas estamos trabajando para ser cada dia mejor..Suerte en Tus viajes y cuando vuelva a Chile te esperamos en Chile Apart Bellavista.Pamela Moreno.

  4. Alexandre disse:

    Oi, Pat. Que eu me lembre, na Copa os talheres também eram de metal. hahaha. A minha pergunta é em relação ao transfer entre o aeroporto e o hotel. Esse preço foi para cada uma ou o valor do carro para as duas? E no site eles não explicam se fazem o inverso – hotel/aeroporto.

Deixe seu comentário