Erros e acertos do roteiro planejado ao Sudeste Asiático

15 abril 2017

Este foi o roteiro planejado para a minha viagem ao Sudeste Asiático em abril de 2016:

01-roteiro-planejado

O que eu mudaria no roteiro?

  • Não viajaria no mês de abril, devido ao forte calor na região. Para quem sofre com o calor como eu, fica muito difícil passar o dia inteiro explorando o lugar. À tarde, a vontade que dá é ficar no ar condicionado do hotel. O calor é um fator que limitará o seu planejamento ao longo do dia;
  • Começaria a viagem pela Tailândia em seguida o Camboja e por último o Mianmar. O motivo? adaptação gradativa aos costumes orientais;
  • Passaria mais dias em Ko Phi Phi. Não iria para Koh Tao. Eu já havia visto imagens sobre o lugar e já tinha achado o lugar lindíssimo. Imagina que in loco é muito mais bonito que nas fotos. Que mar incrível!  E eu só tinha reservado poucos dias!  Eu fiz o tal passeio para Maya Bay e deixei o dia seguinte reservado para conhecer Ko Phi Phi. Só que eu voltei quebrada do passeio (estou velha!). Acabei ficando no hotel dormindo para recuperar o sono. Na próxima manhã, partiria para Koh Tao.  Que nem gostei tanto.  Entenda, não que Koh Tao não seja legal mas eu fiquei com muitas saudades de Ko Phi Phi. Olha que vários turistas estrangeiros que eu conheci não gostaram de Phi Phi porque acharam bem turístico. Realmente o é.  Quem disse que eu me importei? Imagina com um mar daqueles, a única coisa que eu pensava era em ficar horas por ali sem fazer nada, só contemplando.
  • Não visitaria o Mianmar durante as festividades do ano novo budista. Mais um fator “contra” ao ir no mês de abril.  Em todos os países há a comemoração do Ano Novo budista, mas no Mianmar a coisa é séria, não há transporte terrestre e você pode ficar preso na cidade durante as festividades que duram alguns dias. Eu, que não sou viajante de primeira viagem, não levei isto em consideração, não pesquisei a fundo e tive que alterar meu roteiro.
  • Se tivesse mais dias, faria o stop-over nos Emirados Árabes, porque o voo desde o Brasil é cansativo (14 horas e meia de duração!). Eu viajei sozinha e apesar de querer sim conhecer Dubai um dia, não tive coragem nem dinheiro. Não ter feito o stop-over pesou muito na minha adaptação ao fuso horário.

Há outras dicas que eu considero importante na hora de planejar seu roteiro:

  • Não subestime o jetlag: a viagem do Brasil para o Sudeste Asiático é longa, como todos já sabem. Existe algo chamado jetlag que as pessoas sabem o que é mas sempre esquecem de levar em consideração. Planeje ao menos um dia para descansar. Cada pessoa reage de um jeito mas eu só comecei a me adaptar ao horário local no terceiro dia.
  • Não emende um voo seguido daquele que você veio do Brasil: Se o seu voo atrasar, você está em apuros. Viaje no dia seguinte. Você descansa e ainda tem umas horas como precaução para imprevistos. Agora, se você está chegando em Bangkok, é a sua primeira vez, eu sugiro já conhecer Bangkok para depois partir para outro destino. Era o que eu deveria ter feito.
  • Da mesma forma, esteja um dia antes na cidade de onde partirá o voo de volta para o Brasil: eu não fiz isso e fiquei rezando para tudo dar certo. Se o aeroporto de Koh Samui fechasse, eu ainda tinha algumas horas para tentar chegar em Bangkok por outro meio mas isso seria bem estressante. Então, se o seu voo de volta para o Brasil sair de Bangkok, esteja em Bangkok um dia antes.
  • Se gosta de comprar lembrancinhas, planeje estar em Bangkok no final de semana para ir ao Mercado Chatuchak: Bons preços, uma infinidade de artigos e metrô na “porta”. É o melhor de todos. Nem se compara ao MBK Shopping.

Por último, o que eu tenho a dizer é que se você tem medo de ir ao Sudeste Asiático por causa da comida e por causa dos costumes, fique tranquilo. Não existe pessoa mais fresca do que eu para comer e eu não passei nenhum aperto.  Conforme eu disse antes, para uma primeira vez, comece pela Tailândia. Estude os costumes e vá! Voltarão apaixonados pelos lugares e pelas pessoas, como eu fiquei e acredito que todos fiquem.  A vontade era ter ido novamente ao Sudeste Asiático este ano mas a África estava me chamando e é pra lá que vou em 2017 mas isso é outro assunto.

Deixe seu comentário