Natal e Pipa, pela segunda vez.

15 março 2013

Três anos depois de uma viagem maravilhosa, volto à Natal. Foram 6 dias inteiros que dividimos assim:

07/03/13, qui – Chegada em Natal às 23:00
08/03/13, sex – Pipa
09/03/13, sab – Pipa
10/03/13, dom – Natal
11/03/13, seg – Natal
12/03/13, ter – Natal
13/03/13, qua – Natal
14/03/13, qui – Volta para casa na madrugada

Nosso estilo de viagem

A viagem não foi econômica. Gostamos muito de praias e como já conhecíamos Natal, o único passeio que estávamos certas em repetir seria Punaú. A viagem seria para descansar e não fazer passeios um atrás do outro, como foi na outra vez.

1° dia: Chegada em Natal. Transfer para Pipa

Chegamos às 23:30 no aeroporto de Natal. Havíamos agendado o transfer direto para Pipa pois queríamos passar o final de semana lá e seria um dia desperdiçado, dormindo em Natal para depois ir à Pipa.  Também verificamos que no horário de chegada do voo, já não haveria mais ônibus para a vila. Agendamos o serviço da Pipa Company (http://www.pipa.com.br/pipataxi). Demorou praticamente uma hora e meia para chegar à Pousada Rivas (apartamento duplo – R$ 120 – reserva diretamente com os proprietários).

Chegamos mortas de fome. Então logo depois do check-in, fomos à rua e comemos um sanduíche numa lanchonete na praça onde tem a estátua de um pescador. Um dos poucos lugares abertos.

A Pousada Rivas e a lanchonete da praça onde compramos o sanduíche

2° dia: A praia do Centro de Pipa

O tempo em Pipa não estava sol firme. Volta e meia, o céu ficava encoberto e ameaçava cair uma chuvinha fina. Este primeiro dia, resolvemos ficar na praia do Centro.  No caminho para a praia, observei bem a vila: as ruas já não estão mais limpas. A passagem pra chegar à praia estava fedendo a urina e confesso que fiquei um pouco decepcionada.  Ao chegar a praia, vi que agora tem uma lagoa. Então, agora para chegar à praia, principalmente quem vai pelo caminho da igrejinha, tem que pegar uma pequena balsa para atravessar a lagoa.

Apesar dos garçons jurarem que é água do mar e que é limpa, se você caminhar no sentido da praia do Amor, verá que é sujeira sim. Mesmo com uma placa dizendo para não jogar lixo. Uma pena!

A praia continua agradável. Passamos o dia inteiro lá. Dei um pouco de azar ao escolher a barraca, pedi um prato de batatas fritas e as batatas estavam com cabelo! (argh!). Esqueci de anotar o nome da barraca para que tomem cuidado. Na volta para pousada, ficamos na piscina. Parece que os outros hóspedes da pousada tiveram a mesma ideia.

À noite, a graça é observar o ir e vir das pessoas na rua principal (Av. Baía dos Golfinhos). Agora, com várias pessoas te abordando para conhecer os restaurantes X ou Y, o que me fez lembrar da Passarela do Álcool em Porto Seguro. Escolhemos o restaurante italiano La Terraza. Fabricação própria da massa. Com direito a uma bruschetta de entrada. Comida excelente!  Ao olhar as pessoas a nossa volta, descobrimos que éramos as únicas brasileiras do lugar, o restante eram argentinos.

A praia do Centro, Pipa

Fazendo as contas
Petiscos na praia: R$ 22
Jantar no La Terraza: R$ 22 (espaguete a Carbonara)

 3° dia: praia do Centro, Pipa.

O dia estava nublado. Se o tempo melhorasse até o começo da tarde, faríamos o passeio de barco para a lagoa de Guaraíra, o mesmo que a gente fez na outra viagem. Como não deu sinais que o sol iria aparecer e o mar parecia estar bem agitado, abortamos o passeio e ficamos na praia. O que não foi nenhum sacrifício.

À noite, jantamos no Pipa Café. Eu comi um filé ao molho Bernaise e minha amiga, Salmão com molho de camarão. Decoração charmosa e comida excelente! O restaurante é muito elogiado no Trip Advisor e não é à toa. Ele só é muito escondido. Fica rua principal – sentido praia do Amor – em frente a uma quitanda.

Fazendo as contas
Jantar no Pipa Café: R$ 35
Água: R$ 1,00


Deixe seu comentário