Passeio pela Vinícola Undurraga

16 junho 2013

Algumas regiões do Chile tem solo propício para o cultivo de uva. Conhecer uma vinícola em Santiago e arredores é praticamente uma obrigação. As vinícolas mais próximas de Santiago são a Concha y Toro, a Cousino Macul e a Undurraga. A Concha y Toro é a segunda maior vinícola do mundo e tem o conhecido vinho Casillero del Diablo.  Durante a fase de planejamento, li muito sobre a diferença entre os tours nas vinícolas chilenas e que muitos alegavam que o tour na Concha y Toro era muito “turistão”.  O tour mais elogiado era o da vinícola Undurraga.  Então, coloquei como prioridade conhecer a Undurraga e se tivesse tempo, conheceríamos a Concha y Toro.

Um dia antes enviei e-mail para a vinícola reservando o dia e o horário (melhor fazer isso para não correr o risco de chegar lá e não ter vaga). O e-mail foi prontamente respondido, diga-se de passagem.  A vinícola fica a 1h de Santiago, então saímos do bairro Bellavista calculando mais ou menos este horário. O tempo estava ótimo em Santiago: nem tão frio nem tão calor, de posse que fomos de casaco “fininho”.

Como chegar a vinícola Undurraga

Anotei as informações obtidas no site dos Mochileiros e no blog Nós no Mundo. Chegar até o terminal de buses (rodoviária) é fácil, não tem erro:

  • Programe-se para pegar o metrô cerca de 1h30 antes da hora da visita, para chegar com calma;
  • Pegue o metrô da linha 1 (vermelha), direção San Pablo e desça na Estação Central;
  • Ao sair da Estação Central, você estará de frente para um shopping. Entre no shopping e siga até final em direção ao Terminal San Borja. Há placas indicativas dentro do shopping.
  • Suba a escada rolante e vá para a plataforma 77. Pegue o micro-ônibus que vai para Talagante. Diga ao motorista que você descerá na Viña Undurraga. Peça ao motorista para avisá-lo.
  • Na volta é só atravessar a rua e fazer o inverso, pegando um micro-ônibus com destino a Santiago.

Importante: Há o ônibus parador e o direto (está escrito autopista), bem mais rápido. A recomendação para chegar 1h30 antes do previsto é considerando que você pegará o ônibus parador.

O passeio

Quando chegamos na vinícola, percebemos que o lugar é bem mais frio que Santiago e havia muita neblina, o que me fez arrepender-me de ter escolhido o primeiro horário da manhã.  Ao chegar na recepção, você tem que confirmar com a atendente o seu nome e pagar o tour.  Todos os participantes tem que colocar um adesivo de identificação em suas roupas. Fizemos amizade com uma brasileira que estava fazendo intercâmbio em Santiago e enquanto aguardávamos o tour, olhamos a loja da vinícola. Detalhe: os vinhos são mais caros que no mercado. Então, a dica do dia é: compre vinho no mercado. A nossa ideia era fazer a degustação e se gostássemos de mais um vinho, compraríamos no mercado perto do apart.  Minutos depois chegou um grupo da Turistik e logo após, sem atrasos, começou o tour.

Um homem se apresentou dizendo que seria o nosso guia, que já trabalhava há anos na vinícola e que era o seu primeiro dia como guia.  O que eu notei é que ele tinha um papel na mão e ficava explicando algo da vinícola sempre olhando aquele papel. Uma das primeiras perguntas que ele fez foi: “Quantos daqui não são brasileiros?” Fiquei espantada exceto os dois gringos de bermuda que estavam fazendo o tour em inglês, o restante era de brasileiros! Eu já estava era ficando decepcionada com tudo aquilo pois como muita gente elogiava o tour e justo quando eu venho, é a primeira vez do cara e só sabia falar da vinícola olhando a colinha que estava na sua mão. De repente, o cara falou que era tudo mentira, que não era a primeira vez e que ele não precisava do papel. Aí o homem mostra o papel que ele estava sempre olhando: era um papel em branco. Que engraçado! Depois que ele mostrou o papel em branco não teve como não rir.

Caminhando em direção ao vinhedo, o guia explica toda a história da vinícola: quando começou, a que família pertence, os famosos que já a visitaram (Lula já esteve ali). Ele explicou uma coisa que vem nos rótulos de vinho e que para mim era uma incógnita: Cabernet Sauvignon,  Merlot, Pinot Noir, Sauvignon Blanc, etc são tipos de uva. Explicou como distinguí-las uma das outras e como é o cultivo da uva.

Abril é um ótimo mês para ver as uvas nas vindimas e o que é melhor experimentá-las. Quão gostosas elas são! Eu até brinquei falando que por isso que o passeio é pago porque os visitantes dão um prejuízo danado comendo tanta uva! O interessante de um tour na vinícola é que a gente começa ao menos entender o que está escrito no rótulo da garrafa de vinho.  Eu sou uma neófita no assunto. Eu não gosto de vinhos. Gosto mesmo é das uvas e do seu suco.  Estou tentando mudar até porque uma taça de vinho é mais saudável do que um copo de refrigerante.  Fiquei curiosa em saber sobre o processo de produção do vinho. Conhecimento sempre é bom, não?

A Undurraga tem um pequeno espaço onde ela há diversos tipos de uva. Depois, nos foi mostrado a parte de seleção das uvas e a planta de produção do vinho.  O guia também conta a diferença entre produzir vinho tinto e vinho branco.

Passamos também pela planta de produção e a parte subterrânea, onde os vinhos ficam armazenados. Antes de ser engarrafado, o vinho é armazenado em barricas de madeira. Estas são feitas de carvalho (americano ou francês).  A espécie de madeira influencia no aroma do vinho. Quando um vinho fica 12 meses armazenado no tonel, no rótulo vem escrito “reserva”.  Aí, então ele explica qual é a diferença entre Reserva e Reserva Especial.Reserva especial é para os vinhos que ficam no mínimo 18 meses armazenados. A regra sobre o período de armazenado varia de país para país.  Germano também falou sobre o porquê de armazenar em barricas de madeira.

O tour guiado acaba por aqui e começa a parte de degustação. Degustamos quatro vinhos. Eu e minhas amigas não gostamos de nenhum (infelizmente ou não, a gente gosta mesmo é de vinho doce apesar de saber que não são os melhores). Na degustação, ganhamos uma taça de vinho com o símbolo da vinícola de brinde. O final do passeio é na lojinha.

Conclusão: o passeio é muito interessante e valeu cada centavo. Eu atingi meu objetivo que era ao menos saber do que se trata ao ler um rótulo de uma garrafa de vinho.

Dicas | Vinhos e tour nas vinícolas

  • Reserve o tour um dia antes do desejado;
  • Compre vinho no mercado.  Sai mais barato. A maioria do nosso grupo comprou na vinícola. Compramos vinho no free shop com medo de quebrar a garrafa na mala. Pagamos mais caro que na vinícola;
  • Algumas vinícolas vendem embalagens próprias para levar vinhos na bagagem de porão (procure por wine bottle air bag no Google). Não verifiquei se na Undurraga tinha isso.  De qualquer forma, se você não achar e já vem do Brasil com a ideia de comprar vinhos, traga plástico-bolha;
  • Havia dois casais que fizeram o passeio pela Concha y Toro. O guia toda a hora perguntava se o casal conheceu o setor X na vinícola. Algumas perguntas o casal respondia que não, o que nos fez perceber que o passeio da Undurraga seja mais completo.
  • A uva é plantada em agosto e a colheita é nos meses de março e abril. Se viajar neste período, uma sugestão é participar da vindima em uma vinícola como por exemplo, a vinícola Casas del Bosque.
  • Há outros passeios interessantes nas vinícolas como o passeio de bicicleta na Cousino Macul, promovida pela agência La Bicicleta Verde.

Quem converte, não diverte

Tour vinícola Undurraga = 8.000CLP
Ônibus para Talagante (ida-e-volta)= 2.000 CLP

 

 

13 Comentários

  1. Eliana disse:

    Olá! Irei com minha família em julho (10 pessoas!!) e gostaria de saber se o ônibus sai com que frequencia, de meia em meia hora ou de hora em hora? Temo marcar o horário e não conseguir chegar a tempo…
    Parabéns pelo site, obrigada!

    • Pat Alves disse:

      Eliana,

      Não tem como saber nos dias de hoje, mas quando eu fui, os intervalos não eram muito longos entre um ônibus e outro. Fica sossegada. Calcule sair duas horas antes da visitação e tudo dará certo 😉

  2. Wólnei Franco disse:

    Ótimo passeio. Vale a pena.
    Quantos aos preços de mercado, se tiver tempo vá a um supermercado e olhe os preços da marca. Gostei mais da Undurraga do que da Concha y Toro

  3. Fred Reis disse:

    Ótimas dicas, seguimos o passo a passo e chegamos na Viña Undurraga com grande facilidade e com uma boa economia. Dicas ricas em detalhes!!

  4. Marclio Avelino disse:

    Joguei no Google como chegar de ônibus a Undurraga saiu suas dicas … foi perfeito e econômico … obrigado! bj

  5. Rodrigo disse:

    Pat, muito legal seu blog.
    Estive na Undurraga esse mês. As vinícolas chilenas são muito bem cuidadas e de apresentação muito chamativa. A Undurraga não foge a isso.
    Uma dica é fazer o picnic. Eles fornecem uma cesta de picnic com uma tábua de quijos e uma garrafa de espumante.
    Aí vc pode ficar em qualquer lugar do enorme jardim.

    Foi uma experiência muito agradável.

    Abraço,

    Rodrigo

  6. Rafael disse:

    Qual o e-mail para agendar a visita?
    Grato!

  7. Mayana Bonilha Souza disse:

    Boa tarde, tudo bom?
    tem como fazer visita à vinciola so para conhecer, sem precisar fazer a visita guiada, ou seja, sem pagar. Como visitarei varias nao quero ter que escutar o processo de producao todas as vezes, fora dar uma economizada! No aguardo, Mayana

    • Pat Alves disse:

      Mayana,

      Não sei te responder. Sugiro que você mande um e-mail para a Undurraga. Digite “Viña Undurraga” no Google. Eles são superrápidos para responder os e-mails.

      Um abraço,
      Pat

Deixe seu comentário