Perguntas e Respostas

3 junho 2013

A sigla FAQ vem do inglês e significa “Frequently Asked Questions”.  Em português, “Perguntas Frequentes”. Este cantinho é para centralizar as perguntas e as dúvidas dos leitores. Recebo muitas perguntas sobre roteiros e achei interessante colocá-las em um único espaço de forma a ajudar a todos. Não colocarei o nome dos leitores, ok?

Sobre a autora

1) “Você é rica?” ou “Você viaja à beça hein! Também pudera, não tem um passarinho para dar de beber água…”

Não, eu não sou rica. Sim, realmente eu não tenho passarinhos para dar água para beber mas eu tenho contas para pagar como todo mundo.  Uma coisa eu aprendi: viajar é mais questão de prioridade do que de dinheiro.  Um pouco mais sobre minha história com viagens está aqui neste link: http://www.omundoaosmeuspes.com.br/sobre/a-autora/

 2) Você não tem medo de viajar sozinha?

Não!  O mais difícil é dar o primeiro passo. Porém, confesso que eu estou ficando velha e já não sei se faria certas coisas que eu fiz. A minha primeira viagem sozinha foi para Salvador. Foi a minha primeira viagem de avião.  Quase tive um treco na decolagem pois eu não tinha a menor ideia que o avião ia àquela velocidade na pista antes de alçar voo. Salvador estava na moda (tempos do ACM) mas eu não sabia quase nada do lugar a não ser do Pelourinho, da Casa de Jorge Amado e da Igreja do Senhor do Bonfim. Eu fiquei poucos dias mas em momento algum fiquei sozinha pois tive a companhia de duas baianas supersimpáticas. Uma delas, eu fiz amizade pela internet nos tempos do bate-papo do ZAZ (xi… estou velha mesmo!). Depois, encontrei com o pessoal lá do trabalho que mora por lá e aí sim, posso dizer que fiz um senhor city-tour.

A minha segunda viagem e esta eu posso dizer que realmente eu estava sozinha, foi para Europa.  Eu sempre quis conhecer mas achava tão impo$$ível… Eis que um dia, não tinha mais dívidas para pagar, a casa estava quitada, carro quitado, então juntei meus caraminguás (Rá, euros jamais serão caraminguás!) e antes mesmo de ir, já tinha TODO o dinheiro da viagem. Eu tenho o maior orgulho em falar isso. Decidi passar dois meses na Europa. Na época que fui, a Espanha estava com uma onda de barrar brasileiros.  Olha, um monte de gente me botou medo. Entendo porque o pessoal quer te ajudar. Eu também estava com medo de ir para um lugar que não sabia falar a língua direito. Mas eu me muni com informação. Descobri o fórum Mochileiros.com. Descobri o grande número de pessoas que viajam sozinhas. Cada vez que eu mais me informava, menos eu tinha medo de ir sozinha.  Não fiquei preocupada com segurança pois sabia que em nenhum dos lugares seria mais perigoso que o Rio de Janeiro mas também não dei bobeira. A viagem foi muito enriquecedora. Conheci um monte de gente.  Voltei cheia de histórias para contar.

Eu sei que não é bom dar conselhos mas eu não resisto: nem todo mundo tem tempo, dinheiro e vontade para viajar.  Então, se você tem tudo isso mas não vai porque não tem companhia, que tal viajar sozinho(a)?  Não tenha medo. Informe-se e tome os devidos cuidados (não faça nada do que você não faria se estivesse no Rio ou em São Paulo).  Eu sugiro não fazer igual a mim que já foi logo de cara para o Exterior. Vá sozinho para algum lugar do país, para se sentir mais confiante.  Depois da viagem, você verá que não é nenhum bicho de sete cabeças.  Você também pode ir em excursões e terá a oportunidade de fazer amizade com o grupo. Se for sozinho e para o Exterior, considere ficar em albergues (hostels) para conhecer mais gente.

 

Roteiros

Eu quero ir para o lugar X. Por onde começo?

Se você quer viajar por conta própria, acho que a primeira coisa que você deve ter (até mesmo antes do dinheiro) é disposição. Você precisará de tempo para pesquisar sobre o destino, ler relatos de viagem, procurar guias online, perguntar a amigos, etc.  Não há como conseguir nada de mão beijada. Para alguns destinos famosos, você até acha roteiros prontos. Tenha em mente que você consegue muita ajuda por aí mas não tem como as pessoas fazerem tudo por você. Se você não tem paciência nem tempo para isso, sugiro fazer um pacote e ter o apoio necessário de um bom agente de viagens.

Minha primeira viagem foi por conta própria e eu li bastante sobre o lugar que queria conhecer. Com o tempo, aprendi mais coisas. Não tem assim uma receita de bolo mas tem algumas dicas.  Veja o menu Planejamento, lá no topo do blog.  Comece lendo a página http://www.omundoaosmeuspes.com.br/planejamento/como-planejar-sua-viagem/

Você tem alguma lista de pousadas ou hotéis do lugar?

Não. Eu uso o site Booking para reservar os hotéis. Lá tem as opiniões de pessoas que já se hospedaram.  Uso também o Trip Advisor, que é um site sobre resenhas de hotéis, passeios, etc. Releve ou tente interpretar o que as pessoas dizem pois muita gente paga barato por hospedagem e quer serviço de hotel cinco estrelas.  Para hostels, eu usei muito o Hostelworld. Nunca tive problemas com o Booking e com o Hostelworld.

Você pode me ajudar com o roteiro?

Posso sim mas não dá para eu fazer tudo. Primeiro, pesquise. Você precisa ter ideia dos passeios que quer fazer, do tempo disponível…

Primeira viagem internacional

“(…) Visitarei Santiago na semana que vem. Estou com dúvidas sobre câmbio, imigração, etc.”

Eu não terminei os posts sobre Santiago (ó, preguiça!) mas vamos ver no que eu posso ajudar.

Documentos necessários para entrar no Chile – Bastar estar munido de RG ou passaporte. Para quem vai com o RG, apesar da lei não exigir, o ideal é que o documento tenha validade menor que 10 anos

A imigração em Santiago – Durante o voo, a companhia aérea te dará uns papéis para você preencher. Um é para a polícia de imigração e o outro é para “ANVISA” deles.  Ao desembarcar, você é encaminhado para a fila da imigração. Ao chegar a sua vez (casais e famílias vão juntos), você entrega o papel relativo à Imigração e a autoridade policial carimba o passaporte ou dá algum papel adicional para quem está com a identidade.   Imigração no MERCOSUL é tranquilo. Não perguntam nada. Quando perguntam, geralmente querem saber onde você estará hospedado. Saindo da imigração, você pega a sua mala na esteira de bagagens.  Depois de pegar a sua mala, você tem que passá-la no raio X  das autoridades sanitárias chilenas e entrega o formulário já preenchido. É o formulário que pergunta se você está levando consigo algum produto natural. Responda a verdade pois se te pegarem, você tem que pagar a multa.

Dinheiro e câmbio – Leve dólar e real. O real só é bom para trocar em Santiago. Se for para outras cidades do Chile, o câmbio é feito com o dólar. Cada um tem sua fórmula. Quando eu fui, estava com a ideia de ficar trocando reais (levei uns 2 mil reais) e tinha dólar para ser usado em uma emergência (pouco mais de 200 dólares). No final, não usei os reais. Eu simplesmente saquei dinheiro da conta corrente.  E só usei os dólares para pagar o táxi no aeroporto (aceitam dólares e pesos chilenos).  Nós fomos em três: eu com conta do Santander, uma amiga com conta do Itaú e outra com a conta no Banco do Brasil. O Santander tinha a melhor relação custo/benefício para saques (alguma vantagem o banco espanhol tem que ter!).  Todas nós fizemos isto: sacamos dinheiro da conta corrente mas se precisássemos, tínhamos reais para trocar.

Cartão de crédito, cartão de débito e cartões múltiplos  Não é seguro andar só com dinheiro. Leve o cartão de crédito e débito. Então, antes de viajar tenha em mãos um cartão de crédito e/ou débito internacional.

Como saber se eu consigo usar meu cartão no Exterior?

O cartão tem que ter no verso dele o símbolo  o símbolo PLUS (para clientes com cartões da bandeira VISA) ou CIRRUS (clientes com cartões de bandeira Mastercard).

Plus e Cirrus

Já tendo o seu cartão internacional, lembre-se que antes de viajar para o Exterior, você tem que desbloqueá-lo. Como desbloquear? Telefonando para operadora ou desbloqueando no Internet Banking.  É necessário informar a data da viagem e para qual país de destino. Outra coisa importante: saiba quais são as taxas e limites que seu banco cobra.  Que taxas? (a) a taxa por saque. Por exemplo, o Santander cobra R$ 10 para cada saque internacional. (b) Saber qual o limite de saque diário. Você não tem como sacar tudo o que está na conta-corrente, há um limite diário.

Eu posso sacar dinheiro em qualquer banco, certo?
Errado. Não é qualquer banco que você pode sacar dinheiro. Os bancos tem que ter o símbolo PLUS (para clientes com cartões da bandeira VISA) ou CIRRUS (clientes com cartões de bandeira Mastercard).

Qual é o limite de saque nos caixas eletrônicos?
No Chile e em outros países, há um limite para saques nos caixas eletrônicos. Exatamente como no Brasil. Geralmente para estrangeiros o limite é mais baixo. Em Santiago, o máximo que eu consegui sacar foi 200.000 CLP. Além disso, o banco local cobra uma taxa por saque. Por exemplo, sacamos 200.000 pesos e o banco local que usamos, o Red Bank, cobrou 3.000 pesos por cada saque. Então, recebemos em dinheiro 200 mil pesos mas lá no extrato da sua conta corrente estará escrito que você sacou 203 mil pesos. Este limite por saque é do administrador do ATM (caixa eletrônico), não tem  não tem nada ver com o limite que o seu banco no Brasil estabelece para saques no Exterior.

Compras no cartão de débito/crédito – Tenha em mente:

  • Compras no cartão de crédito: O valor que você gastou é transformando em dólares no dia do fechamento da fatura (isto significa que se o dólar estiver em tendência de alta, você pode tomar um prejuízo!) e de dólares para reais. O valor em reais acrescenta-se mais 6,38% de IOF. A cotação do dólar muda de banco para banco.
  • Compras no cartão de débito: O valor que você gastou é transformado em dólares e depois reais no dia da compra. O IOF pago é de 0,38%.

Um aviso para quem tem cartão múltiplo: Aconteceu várias vezes comigo em viagens internacionais, então acho interessante avisar. Se você tem cartão múltiplo e queira usar o cartão na função débito para comprar algo, saiba que há uma probabilidade muito grande de sair como compra a crédito. Não sei explicar o porquê e nem meu banco sabe. Arrisquei em Santiago e me dei mal. Mesmo com a lojista na minha frente escolhendo a função débito, quando fui ver o extrato da C/C não saiu a compra, saiu como compra no crédito. Aff! O que isso significa? Significa que você tem que pagar 6,38% de IOF em vez de 0,38%!!! Então, recomendo que você tenha um cartão somente de débito para efetuar as compras tal qual tem os clientes do Itaú (ops, não é propaganda do Itaú, hein! Porém tem que admitir que neste caso é uma vantagem e tanto. Eu penei mas consegui o meu cartão de débito internacional pelo Santander e olha que eu tive que falar com várias atendentes. Insista com seu banco!).

Cartões pré-pagos (Visa Travel Money e similares) – Eu só uso isso quando viajo para a Europa ou para os EUA. Se for para outros países cujas moedas não sejam o dólar nem euro nem libra, não acho que seja vantagem.

Leia mais sobre cartões e IOF no post do site Viaje na Viagem.

 Resumindo, não tem uma fórmula certa. Sempre é bom pesquisar relatos (eu sempre bato nesta tecla!) porque as coisas mudam. De forma geral, o ideal é não apostar as fichas em uma única coisa: leve reais, dólares (se tiver) e o cartão. Não conte só com o cartão, vai que ele resolve não funcionar? Por isso, é sempre bom ter um plano B, que seria levar dinheiro 😉

 

 

 


Categorias: Perguntas e Respostas

2 Comentários

  1. Rodolfo disse:

    Estou indo para Santiago agora em agosto e estou com dúvida no câmbio, é minha primeira viagem internacional.
    Gostaria de saber quais os documentos solicitados nas casas de câmbio para o cambio de dolares por peso lá em Santiago.

    • Pat Alves disse:

      Rodolfo,

      Geralmente nas Casas de Câmbio é solicitado o documento que você deu entrada no país. Então, se você deu entrada no Chile com passaporte, será exigido o passaporte. Se for o RG, será exigido o RG e um papel que a Imigração dá jutno com o RG.

Deixe seu comentário