Rumo a João Pessoa

28 fevereiro 2010

Após o café-da-manhã, pedimos ajuda a Dona Rivas para chamar um táxi até Goianinha. De lá, pegaríamos o ônibus para João Pessoa. O taxista figuraça ofereceu o traslado até Jampa por R$ 160,00. Quando começamos a pechincar, ele perguntou de onde éramos e quando soube que éramos cariocas, ele quase teve um treco pois disse que carioca é tudo chorão…hahahaha!

Como ele trabalhou a noite toda, imaginem que volta e meia ele fechava os olhos. Eu nem pude dormir, tive que ficar conversando com ele durante todo o percurso. Ele demorou duas horas para chegar lá! E olha que a BR-101 desde a fronteira do RN com a PB  até altura de João Pessoa são longas retas.  Passamos pelo Centro e finalmente chegamos a Tambaú por volta de meio-dia. O hotel que reservamos é o Hotel Tambaú.  Infelizmente, nosso quarto não estava pronto. Ficamos esperando a liberação do quarto para guardar as malas e para depois almoçar.  Fomos até a praia de Tambaú rumo a Cabo Branco. A primeira impressão que tivemos foi péssima.

Os quiosques estavam muito sujos. Quando pedimos para uma das meninas limparem, ela varreu o chão e jogou o lixo na areia da praia!!! Isso tudo diante de uma placa escrita “área de proteção ambiental”. Ficamos horrorizadas.  Uma  visão geral de Tambaú foi a típica farofada.  Uma diferença gritante de Natal e redondezas.  Andamos um bom tempo em direção a Cabo Branco e a imagem só piorava. Vários ônibus parados, pessoas escutando música de qualidade duvisa no último volume. Horrível! Visão do inferno, diriam alguns dos meus amigos. Sabe o que fizemos? Fomos para o hotel curtir a piscina! Que derrota!  Domingo apático.

Fui falar com o rapaz da recepção sobre alguns passeios aqui em Jampa e avisei da péssima impressão que tivemos sobre o lugar  e que estávamos já pensando em voltar para Natal!(sic). Ele disse que o passeio de bugue pelo litoral sul é imperdível. Reservei o passeio na esperança de que a má imagem da cidade se apagasse.

Uma das meninas conhecia dois rapazes daqui e eles foram supergentis em mostrar uma parte da cidade para gente.  Fomos ao Centro de Artesanato, ao Farol de Cabo Branco, etc.  Eu não prestei bem atenção nesta parte porque eu cochilei…rs Andamos por praticamente todo o calçadão de Tambaú sentido  Manaíra. Estava bem movimentado. Gostei do clima. Aí, um dos rapazes explicou que os joão-pessoenses não vão às praias urbanas no final de semana, justamente por causa da farofada. Eles dão preferências às praias de Conde, município vizinho. Conheceríamos no dia seguinte.

João Pessoa não parece capital. Isso não é demérito, pelo contrário. Impressionante ver os prédios tão diminutos em frente às praias principais. Falaram que havia apenas dois Mc Donald’s  na cidade. Caramba, no subúrbio do Rio, onde moro, tem três! Tão impressionante quanto são os preços dos apartamentos. Definitivamente, chegueià conclusão que o Rio não é tão caro assim.

Quanto à feira de artesanato, achei igual às outras do Nordeste. Tudo muito parecido. Os preços não estavam tão diferentes de Natal. Enfim, acabei não comprando nada.

Dica Gastronômica: Restaurante Mangai

Não fomos em Natal mas acabamos conhecendo a matriz do restaurante de comida típica, o Mangai. Comida para todos os gostos (inclusive o meu, gosto fresco) e saborosíssima. Comi muito bem e tomei um suco maravilhosamente bem feito.  Como sempre, aquela decoração típica, detalhista e caprichada. Recomendo.


Categorias: Brasil João Pessoa Paraíba
Tags:

Deixe seu comentário