Litoral Sul até Barra do Cunhaú

25 fevereiro 2010

Economicamente para gente foi muito mais barato fazer o passeio a partir de Natal. O bugueiro cobrou R$ 100 para cada uma. Ele explicou que a partir de Pipa o bugue custa R$ 65,00 e não abrange boa parte do roteiro que faremos. Sendo assim, decidimos fazer o passeio até para ter uma idéia de Pipa e se valeria a pena ficar dois dias. Pegamos a maré baixa de manhã e com isso vimos várias praias. Todas vazias mas segundo o Juízo até o final de semana logo após o Carnaval estavam lotadas.

No decorrer do caminho, seja na estrada ou na praia, vimos várias construções financiadas por estrangeiros. “Condomínio de gringos” foi uma das frases mais ouvidas por nós. › continue lendo


As dunas de Genipabu

24 fevereiro 2010

Passeio de bugue em Natal

O passeio de bugue aqui é tabelado e custa R$ 320,00. Se o bugue estiver com a lotação máxima, cada pessoa pagará R$ 80,00. Ontem à noite liguei para a Natal Vans para reservar o passeio e também para informar que se eles poderiam encaixar mais uma pessoa no bugue. A atendente do Receptivo retornou o telefonema avisando que haveria mais uma pessoa conosco.

Quem nos pegou no hotel foi um bugueiro chamado “Juízo”.  Como ele mesmo diz,”Podem ficar sossegadas, pois hoje vocês estarão com Juízo”. Eu e a amiga já marinheira de segunda viagem em bugues, reparamos que não ficaríamos no alto do banco como em Dunas de Marapé. Juízo disse para não pensarmos que seria ruim pois o motor era potente. A  proxima parada seria o Solar Tropical Hotel onde conheceríamos a nossa companheira de bugue: Karen, carioca de Laranjeiras.

Feitas as apresentações fomos para o Aquário de Natal.

Aquário de Natal

Eu não quis ir. Após uns 40 minutos as meninas voltaram. Jacaré de papo amarelo, sapo, pinguim, tartaruga, macaco, peixe-morcego, moréia, tubarão-lixa, dentre outros animais elas viram. Sim, há uma espécie de minizôo.

Travessia de balsa e a lagoa de Genipabu

O mar de bugues chega à Barra do Rio Grande, para fazer a travessia de balsa. A  balsa custa R$ 15,00 para fazer a travessia, um fotógrafo tira uma foto sua com o bugueiro e os passageiros do bugue. De lá passamos pelas dunas até chegarmos num ponto próximo a lagoa de Genipabu. Ali, há uma parada para fotos.  O bugueiro já vai logo explicando: “Aqui vocês tiram fotos com jegues, as pessoas vão dizer que qualquer quantia está bom e aí vocês respondem que só tem um real ou dois reais. Nada mais do que isso.”

Desci e observei a imensidão de areia a minha volta. Que cenário! Andei alguns metros e vi algo tão esplendido quanto, a lagoa de Genipabu. Só de ver as dunas e a lagoa fez toda a má impressão deixada pelo passeio em Maracajaú ficar para trás.

Saímos de lá e o bugueiro disse que a próxima parada seria o passeio com os dromedários. Com aquele sol forte, ninguém teve coragem para querer passear de do dromedário.  Preferimos tirar fotos e descansar um pouco.  Depois disso, rumo a um lugar chamado de Dunas Douradas. Para chegar até lá, muitas manobras com emoção. Gritamos e rimos nervosamente por demasiado.  Subestimamos o bugue verde fluorescente.  De fato, o motor é potente e percebemos como o bugue do Juízo deixava os outros comendo poeira.  A pior manobra foi aquela que o bugue subiu uma ladeirinha íngreme e ele falou segundos antes: “Vamos ver se ali tem um cajueiro?” Pronto! Só de imaginar que aquele louco iria fazer a manobra eu já gritei com tamanho desespero que nem sei como o bugueiro não ficou surdo.

Dunas Douradas

O bugue pára e o Juízo disse que aqui seria um excelente ponto para fotos: Dunas Douradas, lugar que segundo ele, foi filmado  a cena do último capítulo de “O Clone” que Murilo Benicio fica a caminhar errante pelas dunas.  Nós paramos num ponto onde tem os passeios com os dromedários. Tem-se uma vista de Natal e do outro lado, o mar.  Paisagem de cartão-postal.  Estávamos encantadas.

Em cada parada do bugue, vendedores de canga, água de coco, água e outros.

Lagoa de Pitangui e a Lagoa de Jacumã

Finalmente, paramos por meia hora para tomar um banho na Lagoa de Pitangui. Foi ótimo porque hoje foi o dia em que o sol estava dando o ar da graça.  Na lagoa, encontramos uma dupla de gaúchos que estava procurando hotéis em Natal. Eles já estavam em Extremoz um dia e quando viram que à noite não tem nada a fazer, perceberam que reservaram o hotel em lugar errado.  A Karen deu a dica do hotel Solar Tropical – diária a R$ 49. Também sugerimos eles conhecerem Maceió, já que eles haviam reservado 6 noites em Recife! Como viajam sem ter a menor noção do que fazer, de onde ficar, etc? Impressionante!

Após o  banho refrescante em Jacumã, fomos enfrentar o esquibunda. Neste esquibunda a pessoa desce a ladeira sentada numa espécie de prancha para cair em uma piscina. Há um pseudo-teleférico que te leva até o alto e lá você escolhe onde quer descer. O rapaz explica: “Deixe as mãos na areia, para você ter equilíbrio.”  A vista lá de cima é incrível (os adjetivos estão acabando!).  Bateu um certo medo em descer. Aliás eu demorei a descer porque a pista ficou um pouco com lama. Um dos ajudantes limpou e desci. Por que será que gostamos de sentir medo, não? Depois descobri que há um fotógrafo que tira sua foto na descida. Eles perguntam qual o hotel e apartamento que você está para tentar te vender a foto-lembrança. Preço: R$ 6,00.

A próxima parada já é na lagoa de Jacumã onde temos o aerobunda (tirolesa para os cariocas) e o esquibunda (deslizando deitada sobre uma lona). Ali sim é para corajosos. Depois de alguns minutos, decidir descer. Dá um frio na barriga! Gostei tanto que repeti.  Só não gostei do esquibunda: muito veloz. Quem não sabe nadar não tem o que se preocupar, há coletes salva-vidas disponíveis. O que mais me impressionou foram crianças descendo na tirolesa e sem sentir medo. Deu vergonha…rs

Já eram 15h quando fomos para um restaurante próximo almoçar. O preço do self-service é salgado mas tem várias opções com frutos do mar além de churrasco.

Infelizmente o fim do almoço significava o fim do passeio. Voltamos pela praias, já com a maré baixa, observando as belezas naturais potiguares.

A rua do Salsa

A idéia era sair à noite e conhecer a rua do Salsa. A nossa companheira de bugue nos avisou que após um certo horário, a rua se torna meio imprópria para as famílias por causa da prostituição. Fato este confirmado pelo bugueiro.

O começo da rua do Salsa – o pedaço que cruza com a Eng.Roberto Freire – traz a falsa impressão que não tem nada demais ali. Porém é só descer a ladeira para isto cair por terra.  Há um pequeno trecho da rua que é puro charme: o que mais se destaca é o castelo do albergue Lua Cheia.

Gastronomia: Casa de Taipa

A tapiocaria Casa de Taipa é um charme:  decoração primorosa com teto de sapê, paredes de pau-a-pique (taipa), móbiles com temas típicos nordestinos, pratos e o cardapio personalizados. O cliente vê a tapioqueira fazendo o seu prato. Adoramos!

Por falar em tapiocas, são diversas opções. Escolhemos uma salgada (tapioca de carne-de-sol com queijo) e a doce (Tapioca Tentação: banana frita, chocolate e uma bola de sorvete). A tapioca vem no prato dobrada como se fosse crepe.  Ambas estavam deliciosas mas a Tentação estava divina. Só de lembrar dá água na boca.

Se você for a Natal, não pode deixar de conhecer a Casa de Taipa e experimentar a tapioca Tentação.

Momento Master

Bugue Litoral Norte: R$ 320,00
Travessia de balsa em Rio Grande: R$ 15,00
Montar no jegue:  R$ 2,00
Dromedários em Genipabu: R$ 30,00
Esquibunda em Jacumã – piscina: R$ 6,00
Esquibunda em Jacumã – lona: R$ 7,00
Self-service em Genipabu: R$ 30,00
Tirolesa (aerobunda) em Jacumã: R$ 7,00
Fotos da tirolesa e do esquibunda lona: R$ 10,00 cada.
Tapioca Tentação na Casa de Taipa: R$ 18,00
Fotos do esquibunda em piscina: R$ 6,00
Passear de bugue com “emoção”: não tem preço!


Página 1 de 1 1