Você está vendo os artigos na categoria “Florianópolis”

Florianópolis

4 março 2012

Praia da Joaquina

Chegamos em Florianópolis em uma sexta-feira de sol forte. Alugamos um Fiat Uno com GPS na Localiza e fomos direto à pousada Saint Germain, no Canto da Lagoa para fazer o check-in.  Já era final de tarde, então aproveitamos para ir à praia mais próxima: a Joaquina.  Paramos exatamente no local onde as pessoas fazem sandboard.

Restaurante Ponto de Vista

Descemos à ladeira rumo a praia mas não havia local para estacionar. Então demos meia-volta e fomos à praia Mole. Paramos  no restaurante Ponto de Vista onde há um mirante.

No restaurante havia um cartaz para visitar o projeto Tamar. O ingresso custa R$ 8,00. Há várias espécies de tartarugas-marinhas. De quebra, fomos a praia próxima que descobrimos ser a Barra da Lagoa.

No sábado fomos conhecer algumas praias do litoral norte: praia dos Ingleses, Canasvieiras, Jurerê Internacional e Daniela. Choveu, o que atrapalhou um pouco.  Achamos incrível que há apenas poucos dias após o Carnaval, as praias estivessem tão vazias! Em Jurerê, um grupo de pessoas estava acompanhando uma etapa do concurso da Garota Verão (acho eu!) da Band.  As praias tem águas mais calmas que as do litoral leste mas isso não impediu de ter várias bandeiras vermelhas com o aviso “local proibido para banho”.

Bombinhas

Domingo seguimos a sugestão do recepcionista do hotel e fomos para Bombinhas.  Ótima dica:  mar com águas calmas e cristalinas, sol e ainda por cima com uma área para snorkel.  A volta foi com tráfego intenso e com vários motoristas comemorando a conquista do primeiro turno do Figueirense.

Caminhando até o final, a melhor parte: a área para snorkel e uma parte bem calma que é conhecida como praia da Sepultura.

Praia Mole. Barra da Lagoa

Segunda de tempo nublado, acordamos cedo e fomos para praia Mole, afinal esta praia é uma das mais comentadas e elogiada.  A praia estava vazia, as ondas fortes e boa parte da praia com bandeiras vermelhas indicando proibição para banho.  Então, resolvemos voltar e seguir para praia da Barra da Lagoa onde passamos o dia.  As águas estavam mais geladas que as do litoral norte mas não se comparam à temperatura gélida das praias de Cabo Frio.

Decidimos no dia se  iríamos fazer o passeio de barco para ilha do Campeche. O tempo estava nublado e havia a previsão de chuvas.  Resolvemos não fazer o passeio e seguimos para a praia de Canasvieiras.  Acabamos fazendo o passeio do barco para ilha de Anhatomirim pela Scuna San Martin. Passeio animado e bem organizado.

Scuna Capitão Gancho San Martin

Último dia de viagem e resolvemos conhecer Balneário Camboriú.  O dia estava lindo! Paramos na praia Central, que estava lotada. Achamos Balneário bem urbana e organizada. Até pensei em ir ao parque Unipraias mas aí com um sol daqueles e com Bombinhas tão perto, preferimos deixar Camboriú para uma próxima viagem e fomos para Bombinhas novamente.

Opinião da blogueira

Com o passar dos dias, percebemos que em Floripa as pessoas vão à praia bem mais tarde que o pessoal do Nordeste.  A praia que eu achei mais bonita em termos de paisagem foi a Joaquina. Já para banho, achei que a melhor da ilha foi a Daniela.  Os preços para alimentação são praticamente iguais ao do Rio.

Achei tudo muito limpo e bonito. Pena que o tempo estava tão instável! Gostei da pousada Saint Germain e ficaria lá novamente se estivesse com o carro.  Para quem está a pé, o melhor lugar para ficar é sem dúvida alguma o Centrinho da Lagoa.

A surpresa da viagem foi a cidade de Bombinhas. A praia de Bombinhas é justamente o tipo de praia que eu adoro: águas calmas e cristalinas.  Já prometi a mim mesma que voltarei a este lugar numa viagem combinada com Balneário Camboriú e Blumenau. A paixão por Bombinhas nos fez voltar novamente até lá mas depois me arrependi pois poderia ter ido a ilha do Campeche, ainda mais com aquele dia lindo de sol.

Outra surpresa foi saber que Florianópolis tem bastante ladeiras e que o Unozinho pediu socorro algumas vezes nas subidas, principalmente na rodovia Admar Gonzaga,  que apelidei de “Ladeirão”.  A rodovia é caminho para a BR-101 para quem vem do Canto da Lagoa.

Um comentário que eu não podia deixar de fazer: como tem argentinos em Santa Catarina! Impressionante! Adorei pois consegui praticar bastante o portunhol.

 


Florianópolis – planejamento

14 fevereiro 2012

Desde 2008, eu viajo para o Nordeste.  É um caso de amor com aquelas praias de águas mornas.  Não sei explicar, Nordeste para mim é sinônimo de praia. Nestas andanças, conheci praias dos sete Estados, só faltando o Piauí e o Maranhão.  Os amigos não entendem porque eu gosto tanto de lá visto que eu não como peixes nem frutos do mar.

Graças a mais uma promoção da Gol, viajarei logo após o Carnaval para Florianópolis. Estávamos em dúvida entre Bonito e Florianópolis.  Optamos pela última por ser verão e querer aproveitar a praia.  Confesso que eu fiquei um pouco arrependida pois eu tenho uma certa implicância (para não dizer horror) com águas geladas.  Porém, são tantos elogios ao lugar que acabei me animando.  Compramos passagens para Florianópolis por R$ 65 o trecho. Uma barbada!

Circulando por Floripa

O deslocamento pela ilha de Santa Catarina de transporte público é complicado pois os intervalos entre as linhas de ônibus são grandes e dizem que o táxi é caro, por isso a nossa idéia é alugar um carro já no aeroporto.  Estamos pesquisando ainda locadoras mas a média das diárias que estou encontrando é de R$ 100, com quilometragem livre em carro popular com ar condicionado.

A princípio, vamos conhecer as praias de carro e à noite, descansar ficando em um lugar onde seja mais movimentado, com bares, restaurantes e lugares descolados.

Hospedagem

Muitos sites de viagem recomendam se hospedar no Centro para facilitar a locomoção mas como estaremos de carro e como li que no Centro não há tanta coisa para fazer à noite, escolhemos ficar na Lagoa da Conceição, por indicação de amigos.

A Lagoa da Conceição é enorme, qual o melhor lugar para ficar? Ninguém sabia explicar. Nem foi fácil achar esta informação. Até que descobrimos que a maioria das pousadas e estabelecimentos comercias estão numa parte que chamam Centrinho da Lagoa, próximo a Avenida das Rendeiras.

O que conhecer

Serão cinco dias inteiros.  Pouco tempo para conhecer as mais de quarenta praias da cidade. Particularmente, eu gosto de passar o dia inteiro em uma única praia.  Não gosto de fatiar o dia, acho que fica a sensação de “viu, tá visto!”, não aproveitando o lugar.  Prefiro lagartear e admirar a paisagem.

A ilha de Santa Catarina: o que fazer

A atração principal é a praia. O mapa ajuda a entender um pouco a ilha.  As praias mais frequentadas são as do litoral leste e norte. Nem todas as prais tem águas geladas como eu imaginava.  O sul e o leste da Ilha possuem águas frias, com influências de correntes da Antártida. As águas do litoral norte são sempre mais quentes.  Há praias próprias para os amantes do surf e praias mais calmas, adequadas para famílias com crianças.

1. Litoral norte: Santinho, Ingleses, Lagoinha de Ponta das Canas, Ponta das Canas, Cachoeira do Bom Jesus, Canasvieiras, Jurerê e Daniela.

  • Daniela, Lagoinha, Ponta das Canas – mais adequada para crianças;
  • Canasvieiras – a preferida dos argentinos;
  • Jurerê – praia próxima do condomínio mais caro da ilha, Jurerê internacional. Há vários beach lounges nos moldes da Europa como o Parador P-12 e o Café de La Musique.

2. Litoral leste: Joaquina, praia Mole, Galheta e Barra da Lagoa

  • Joaquina – praia mais popular da ilha. Própria para surf.
  • Mole – tem areia branca e fofa e mar proprício para o surf.  Há inclusive uma estátua que faz a alusão ao surf.

3. Litoral sul: Armação, Lagoinha do Leste, Pântano do Sul e praia da Solidão

  • Lagoinha do Leste – considerada a praia mais bonita de Florianópolis. Praia selvagem e que para chegar e necessário percorrer uma trilha a partir de Pântano do Sul (45 minutos);
  • Campeche – água fria e mar com correntezas e ondas;

Lagoa da Conceição

Há passeios de escuna e de pedalinho no Centrinho.  É recomendável dar uma olhada nos relatórios de balneabilidade.  Além do Centrinho, há a Costa da Lagoa onde há restaurantes caseiros especializados em frutos do mar. O acesso mais rápido é de barco a partir do Centrinho da Lagoa.

Ponte Hercílio Luz e os mirantes

A ponte Hercílio Luz é a maior ponte pênsil do Brasil e foi a primeira ligação rodoviária entre a ilha e o continente. A ponte atualmente está em fase de obras de restauração.

Há três pontos conhecidos para apreciar a vista panorâmica de Floripa: morro da Cruz, no Centro e em dois pontos distintos na Lagoa da Conceição (um deles é próximo ao restaurante Ponto de Vista).

Passeios de barco

Há dois passeios: um deles visita a baía dos Golfinhos e as ilhas de Ratones Grande e de Anhatomirim. Em cada ilha há um forte: Santo Antonio e Santa Cruz, respectivamente. Os barcos saem do trapiche da Beira-mar, no Centro e de Canasvieiras. A diferença é que os barcos que saem de Canasvieiras não param na ilha de Ratones.

O outro passeio é visitar a ilha de Campeche. A ilha é tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) devido aos sítios arqueológicos com suas inscrições rupestres e monumentos líticos. Para conhecê-los é necessário percorrer trilhas monitoradas.  É cobrada taxa para isso com a finalidade de preservar a ilha.

Nossa ideia é conhecer as populares como a Mole, Joaquina e Jurerê e talvez fazer um passeio de barco.  Assim que voltar de viagem, faço um resumo bem explicado dos lugares por onde passei, contando as minhas impressões.

 

 


Página 1 de 1 1